Crítica: Arrow demonstra despreparo em 7×19 “Spartan”

A sétima temporada de Arrow apostou todas as fichas em seu primeiro arco, na prisão Slabside

Os roteiristas prepararam uma grande e bem construída história. O que veio depois disso, no entanto, mostrou um grande despreparo. Desde a introdução de Emiko Queen, a temporada vem sofrendo grandes baixas. O arco da personagem mostrou não ser forte o suficiente para segurar a temporada até sua finale. Mesmo contando com o Nono Círculo em paralelo, a trama rasa tem se mostrado o oposto do esperado.

Episódios fillers

A maior prova disso é a quantidade de episódios fillers seguidos, cada um tendo o foco maior em um personagem secundário. Oliver ultimamente parece ter se tornado apenas mais um personagem dentro de sua própria série. Por mais que essa seja a última temporada de Felicity no elenco, nada justifica a quantidade excessiva de histórias para ela. Se ao menos trouxessem de volta sua velha essência e seu forte senso de humor presente nas temporadas iniciais, teríamos uma boa homenagem e fechamento de ciclo para a personagem.

O principal foco do episódio no entendo foi dado a John Diggle, que há algum tempo perdeu destaque. Conhecemos um pouco mais sobre o passado do personagem através da introdução do General Stewart, seu padrasto. Ernie Hudson é um ator de presença, e suas cenas com David Ramsey ficaram ótimas. A inclusão do personagem abriu uma grande brecha para que o Lanterna Verde venha a ser introduzido na última temporada de Arrow. Isso porque nos quadrinhos Roy Stewart é avô do lanterna John Stewart. Ou até mesmo que Diggle possa vir a se tornar o herói, o que não será tão agradável assim para os fãs da nona arte. Quase desde o início Arrow vem fazendo referências ao super-herói, então seria um grande presente para os fãs se em seu último ano tivéssemos uma aparição do personagem.

Antagonista

Dante era um vilão promissor, então sua morte neste episódio foi inesperado. A decepção aconteceu porque o personagem havia sido introduzido como um antagonista difícil de se enfrentar e derrotar, mas sua simples morte foi contraditório. Emiko agora se confirma como a principal vilã da temporada, e isso pode ser preocupante. A atriz é muito boa em cenas de ação, seu embate com Oliver neste episódio ficou incrível. Mas não acho que a personagem tenha sido tão bem desenvolvida como os dois vilões anteriores de Arrow. Sea Shimooka não parece ter uma química notável com Stephen Amell, mas antes de dar meu veredito, gosto de aguardar até o final para deixar que o elenco e roteiristas me surpreendam.

Os flashfowards também é uma trama que se tornou desnecessária. Nada do que vem sendo mostrado se torna interessante o suficiente para justificar sua continuação na temporada. Nota-se que essa mudança tenha acontecido também após a metade da temporada. O que será mostrado em sua season finale e qual será sua importância para a última temporada só descobriremos daqui algumas semanas. Mas torço para que seja ao menos memorável.

Imagem: The CW/Divulgação

CURIOSIDADES:

– Nos quadrinhos, Roy Stewart é o avô de John Stewart, o Lanterna Verde.

– Alena menciona Doc Magnus. Nos quadrinhos, o doutor Will Magnus foi o criador do grupo de heróis Metal Man, os Homens Metálicos. Ambos apareceram pela primeira vez em 1962.

Nota do Episódio7
Review do décimo nono episódio da sétima temporada de Arrow, da The CW, intitulado "Spartan"
7
Tags Arrow

Share this post

Álefe Cintra

Jornalista e apaixonado por séries. Tem a mesma profissão de Clark Kent, usa óculos parecido, mas infelizmente não é super-herói. Grande fã de séries de super-heróis e fantasia. No Mix de Séries escreve as reviews de Arrow e The Flash.