Crítica: Arrow trabalha pendências da temporada em 7×15 “Training Day”

O episódio de Arrow dessa semana teve uma história descompromissada

Isso porque a trama da temporada ainda está em transição. Ao que tudo indica, os roteiristas tem levado seu tempo para amarrar alguns pontos antes de jogar a temporada de cabeça rumo a sua finale. Pode não ser um processo frenético como uma série de ação costuma exigir, mesmo como Arrow exigia em temporadas passadas, mas tem gradualmente feito bem.

Continua após as recomendações

A ideia do episódio foi desenvolver uma solução para o conflito entre a polícia e o time Arrow. E por mais que o conceito não soe tão animador, souberam construir a história de forma natural. Foi até nostálgico ver Oliver usar sua antiga frase de feito contra seus inimigos vestindo o uniforme de Arqueiro. Com este episódio, esse obstáculo enfrentado pelos vigilantes enfim encontrou uma saída.

Outro ponto explorado no episódio foi Dinah Drake e sua relação entre os dois núcleos. Na minha opinião, a personagem foi a grande surpresa da série desde a quinta temporada por ser uma personagem muito forte e digna de assumir o nome de Canário Negro. Nesta temporada a personagem tem se dividido entre os dois times é isso também foi solucionado no episódio. Só lamento que fizeram com que ela perdesse o uso de seus poderes meta-humanos. Afinal de contas este foi o grande diferencial desta terceira encarnação da heroína na série. Justamente o que a ligava diretamente a sua versão nos quadrinhos, lhe foi tirada. Torço para que ela recupere seu Grito em breve, ou que ao menos encontrem outra forma de mostrar seus poderes.

Continua após a publicidade

Retornos em Arrow

A série também trouxe de volta o esconderijo do time Arrow. Com isso, a temporada oficializou o retorno do grupo como heróis da cidade, mesmo que suas identidades estejam em aberto. Mesmo que por um episódio, quem parece ter voltado às origens foi Felicity. É sempre tão bom vê-la como uma personagem mais leve e cômica como foi lá no início. Talvez a maternidade que sempre tanto temíamos venha a lhe fazer bem.

O terceiro e melhor retorno, na minha opinião, foi a do Tigre de Bronze. Desde sua participação na prisão Slabside torcia por vê-lo mais na série e foi graças a ele que o episódio teve uma conexão com o restante da temporada. Não só foi através dele que Laurel descobre sobre a morte de Diaz e a identidade de seu assassino, como também surpreendeu ao revelar que Connor Hawke é seu filho, pegando os fãs de surpresa. Infelizmente isso nos leva a descobrir que em breve o personagem poderá ser morto, já que sabemos que no futuro Connor será filho adotivo de Diggle. Como isso tudo irá acontecer teremos que aguardar até o final da temporada. Mas está aí um episódio que aguardo ansioso para ver.

Os flashfowards dessa semana no entanto foi o grande ponto fraco. A trama que começou promissora no início da temporada, perdeu o ritmos após a aparição de Mia. Desacreditei que toda a história deles neste episódio correu em volta de conseguir um gravador! Ao menos a cena final trouxe uma pista do que os aguarda nos próximos episódios. Mas torço para que a qualidade do enredo não se perca tão rápido.

Imagem: The CW/Divulgação

CURIOSIDADES:

– As coordenados que Felicity deixa para William e Mia na vida dela correspondem ao Washington State Convention Center, em Seattle. Nos quadrinhos, Oliver, Roy e Emiko já moraram em Seattle.

– Referência Nerd: Rene cita o filme “A Outra Face” (1997).

Tags Arrow