Crítica: Aruanas, série do Globoplay, entrega a melhor atração da plataforma

Aruanas aposta no melhor da TV brasileira

Fãs de um bom thriller vão amar Aruanas a nova série do Globoplay. Repleta de reviravoltas e intrigas, Aruanas é um prato cheio para quem curte um ótimo seriado como House of Cards e How to Get Away with Murder.

Com um elenco impecável, atuações dignas de premiações um roteiro ágil, Aruanas mostra um outro lado da Amazônia ao colocar quatro personagens femininas fortes e ativistas, que farão de tudo para preservar o meio ambiente.

É impossível não assistir ao seriado sem se envolver com as tramas. Nesse sentido, Aruanas sabe ousar e inovar num cenário em que estamos acostumados com o comodismo. Então, não repare se o seriado provocar muita dor na ferida de seus telespectadores. Por mais que a ONG esteja lutando pelo meio ambiente, são os dramas individuais das protagonistas quem roubam as cenas.

Dilemas

É na fictícia cidade do Cari que as criadoras da ONG Aruana e amigas Luíza, Natalie e Verônica, com a ajuda da estagiária Clara, lutarão pela Amazônia, pelos índios, pela população local e pela biodiversidade. Porém, são seus dramas pessoais que agitam o seriado. Mas quem são essas guerreiras?

Luíza é uma mulher da linha de frente das lutas, num dos países que mais mata ativistas do mundo. Uma líder nata. Como é a única mãe da turma, seu filho sofre com sua ausência e ela acaba sofrendo as consequências por defender seus ideais.

Já Natalie é uma jornalista conhecida em nível nacional. Ela usa sua profissão para divulgar abusos e crimes ambientais. E carrega com ela o peso de ter perdido um filho num estágio avançado de gravidez. Bem como um relacionamento ruim com Amir, o amante da sua melhor amiga Verônica.

Falando em Verônica, a advogada se faz destemida quando o assunto é a ONG. Mas quando se trata de questões amorosas, ela se perde por completo. Ao se envolver com o marido de sua amiga, Verônica se mostra outra pessoa diferente da que vemos na luta pelas injustiças.

E Clara, a estagiária da ONG, acabou de sair de um relacionamento abusivo e tenta se reerguer e se descobrir, ao passo que fica cada vez mais próxima da causa da ONG.

Se não bastassem enfrentar seus problemas pessoais, as garotas terão que enfrentar os vilões do meio ambiente. Olga – uma lobista que tenta influenciar a extinção de uma reserva na Amazônia em favor do empresário Miguel – é a típica cobra com carinha de santa. E Miguel representa bem o ambicioso empresário brasileiro.

No amor e na guerra vale tudo?

Aruanas pode ser repleta de clichês hollywoodianos e típicos de novelas brasileiras, porém é nítido que ela chegou para causar. É impossível não devorar o seriado para saber o que acontece com as protagonistas. Ao mesmo tempo que você torce por elas, você se questiona sobre alguns assuntos. Dentre eles, a preservação do meio ambiente e o atual cenário da política brasileira.

É claro que o assunto política virou algo habitual nas conversar de hoje em dia e em Aruanas isso não seria diferente. Por mais que o seriado mostre os podres de Brasília, a política acaba se tornando mera figurante na história. Mesmo assim, a série sabe muito bem tocar no assunto, sem precisar defender algum lado. Aruanas defende a vida e o meio ambiente!

O que importa mesmo é a luta que Luíza, Natalie, Verônica e Clara enfrentarão enquanto seus problemas pessoais surgirem com tudo. Portanto, a causa delas pode até ser nobre. Porém, é nítido que cada uma delas precisa se achar no meio desta luta.  Às vezes, é necessário jogar com as armas que você tem, o que realmente acontece com os ativistas.

Bom, uma coisa é certa: nem sempre no amor e na guerra vale tudo. E é bem isso o que Aruanas tenta nos mostrar, ao colocar essas garotas lutando pelo impossível, enquanto suas vidas pessoais vão decaindo. Com muita tensão do começo ao fim, a guerra para preservar a cidade de Cari tem tudo para agradar os fãs de um ótimo thriller. Reviravoltas não faltam nos 10 episódios da primeira temporada de Aruanas!

 

Nota da temporada9.8
9.8
Tags Aruanas
Avatar

Gabriella Siggia

Quem eu sou? Eu sou uma em um milhão: escritora nas horas vagas, seriadora de coração, cinemática de plantão e amante da literatura. Divertida, alto astral e bastante bem humorada. Só não achei ainda minha outra pessoa. Ah, música faz parte da minha vida.

No comments

Add yours