Crítica: Episódio 14×02 de Criminal Minds confirma fase de crimes bizarros

Imagem: CBS/Divulgação

Prepare-se para o que está por vir em Criminal Minds

Depois do excitante e intenso episódio 300 da semana passada em Criminal Minds, estamos entrando em um episódio que definitivamente vai deixar até os mais corajosos com arrepios na espinha.

Em “Starter Home”, conseguimos ver muita semelhança com os episódios das primeiras temporadas da série. Muita semelhança também com os documentários do Investigação Discovery, e os filmes do canal Lifetime, quando algumas das vítimas aceitaram a carona do insub, caindo assim em sua armadilha.

A trama…

O episódio tem início quando um jovem casal encontra um corpo mumificado nas paredes de uma casa, recém comprada, que pertencia a um casal de idosos. Após a notícia, não demora muito para encontrarem mais corpos, estes que permaneciam ali pelos últimos 20 anos.

Continua após a publicidade

Pelo entendimento da equipe do BAU, o insub passa por um certo ritual. Então, quando uma nova vítima é raptada, é preciso uma corrida contra o tempo,afim de identificar o responsável pelos crimes e poupa uma vida.

Enquanto isso, Rossi está recebendo uma visita da ex-mulher. Krystall está de volta na vida do agente, e está claro que os dois ainda estão muito interessados um no outro. No entanto, Rossi não está pronto para deixar a equipe saber sobre isso tudo. Eles tendem a ter um interesse excessivamente investido em sua vida amorosa, e um caso com uma ex-mulher certamente será motivo de fofoca.

Investigação

Ao descobrir sobre o corpo, Emily faz uma ligação para Rossi, que por acaso está na cidade vizinha de Savannah com a ex esposa. Ele concorda em sair e conversar com os policiais locais para ver qual é o cenário, além de descobrir que há muitos outros corpos mumificados armazenados no local.

Uma vez que a equipe recebe o caso e chega à cidade, Reid e Tara vão até uma clínica local para conversar com Dorothy, a mulher que morava naquela casa antes de ser vendida. Infelizmente, suas tentativas de conversar com ela não vão bem. Ela está sofrendo de demência e mal fala. Ela também não tem chance de explicar o que ela quer dizer com isso, porque logo depois, ela se suicida na frente dos agentes durante a visita.

Dorothy podia estar morta, mas, felizmente, isso não significou que o caso também estivesse. Entre suas histórias e as próprias investigações do BAU, a equipe descobre que Dorothy e seu marido, Karl, eram um casal muito recluso e excêntrico. Naturalmente, a linha atual de pensamento é que esses dois foram responsáveis ​​por matar essas mulheres e enterrá-las, já que a maioria dos corpos estão escondidos nas paredes há pelo menos vinte anos. JJ e Luke também descobrem em um ponto que as mulheres foram mumificadas enquanto ainda estavam vivas, o que é muito perturbador. Mas se esse casal matou essas mulheres, a próxima pergunta óbvia é: por quê?

Desvendando um mistério

Há ainda outro detalhe curioso a considerar: duas das vítimas foram mortas apenas no último ano. Claramente, Karl e Dorothy não poderiam ser responsáveis ​​por esses assassinatos, então quem é? Logo recebemos nossa resposta na forma de um homem enorme, desajeitado e com aparência intimidante, com a capacidade mental de uma criança. Ele está segurando uma mulher chamada Mary como refém e, em vários momentos, pede que ela cuide dele como se fosse sua mãe.

Parece um caso previsível de rotina e bem arrumado aqui, não é? Os pais desse cara são, obviamente, Karl e Dorothy, e ele está realizando sua matança. Mas, acontece que o caso apresentou reviravoltas, com a inserção de Leanne – filha de Karl e Dorothy. Insistindo que os pais não eram assassinos, ela revela também que chegou a abandonar um bebê.

A trama seguiu explicando sobre o passado de Leanne, o pai do bebê, e os conflitos entre ambas as famílias. Em uma grande reviravolta, descobrem sobre como a matança começou pelo pai de Leanne, e foi passada para seu filho – que se manteve vivo e por perto. Assim, o neto de Karl e Dorothy continou a matança que ele testemunhara.

Desfecho… 

Eventualmente, a equipe consegue rastrear onde o neto está se escondendo, e Rossi e Matt o pegam. Eles também encontram Mary embrulhada debaixo das tábuas do assoalho. Ela está claramente traumatizada por sua provação e sem dúvida precisará de muita terapia, mas ela está viva.

Apreciei as pequenas reviravoltas sobre a história da família ao longo deste episódio. Isso apimentou o que eu inicialmente achava que seria um caso bastante previsível, e acrescentou um genuíno desgosto a uma história bizarra.

A culpa de Leanne em abandonar seu bebê, as cartas no final que nunca foram enviadas, outra família sendo levada por uma disputa pela custódia. Tudo isso aumentou o arrepio da história e nos deu pessoas muito necessárias para serem genuinamente simpáticas também.

Eu também gostei da coisa toda da polícia compartilhando histórias sobre Karl e Dorothy. É uma cidade pequena, então é claro que eles ouviriam todos os rumores e fofocas, e gostariam de participar, e as histórias locais deram à equipe um novo ângulo para trabalhar em suas investigações. Eles tinham que separar os boatos dos fatos, e isso aumentava a incerteza sobre onde essa história iria.

Vale destacar…

Em um nível pessoal, tudo com JJ e a irmã de uma das vítimas foi bastante tocante. Ela sempre foi boa em se conectar com os entes queridos das vítimas, por isso foi bom ver mais um exemplo disso, e eu gosto que a série não precise explicar por que ela se conectou imediatamente com uma mulher que perdeu a irmã.

Por outro lado, eu gostaria que eles pudessem fazer o mesmo quando Reid interagisse com Dorothy. Obviamente, o programa não precisaria declarar em voz alta por que Reid saberia como se comunicar com uma mulher que sofre de demência, pois como JJ e sua irmã, estamos todos familiarizados com a história pessoal de Reid em relação a esse problema.

Mas ainda assim, eu teria apreciado uma ou duas ocasiões em que ele encontrou uma maneira única de se comunicar com ela, apenas para obter um pouco mais de informação antes que ela se matasse.

No comments

Add yours