Crítica: Episódio 3×03 de This Is Us mostra que devemos confiar no pressentimento

Imagem: YouTube/Reprodução

Não faz mal agirmos pela emoção em alguns momentos…

Abro a review dessa semana de This Is Us destacando o começo da história entre Rebecca e Jack que vem sendo bastante mostrado desde o primeiro episódio dessa temporada.

Percebemos que desde o primeiro encontro, esse amor teve tudo para dar errado. Mas com um pressentimento bom, com a ajuda do destino e com a voz da emoção, tivemos então, talvez a história mais linda de amor que uma série já retratou.

Rebecca tinha tudo para seguir em frente com Alan, seu amor do passado, que pudemos descobrir um pouco mais nesse episódio. Aparentemente foi um moço bom, de mente aberta e que estava disposto a seguir em frente com Rebecca e respeitar o sonho dela. Seguindo esses passos, a vida de Rebecca poderia ter sido tão boa quanto foi com Jack, ou não…

Na verdade, nunca saberemos, mas Rebecca sentiu um pressentimento bom vindo de Jack, mesmo ele tendo sonhos completamente diferentes dos dela. Esse pressentimento acabou dando certo, pois o resultado disso foi essa família maravilhosa que eles construíram com base no amor e respeito.

Continua após a publicidade

Qual seu verdadeiro sonho?

Já que falei sobre sonhos no tópico acima, abro aqui essa pergunta para vocês leitores. Qual é o seu verdadeiro sonho?

Rebecca questionou Jack com essa pergunta que nunca ninguém tinha havido perguntado antes para ele… Vivemos num mundo tão cheio de informações, que muitas vezes não paramos para sabermos o que de fato nos motiva nessa imensidão.

Rebecca tinha um sonho de ser cantora e não seguir uma vida na qual dependesse de homem nenhum. Jack, ao pensar um pouco para responder, afirmou que gostaria de formar uma família e querer o bem de sua mãe.

No presente, Kate tem um grande sonho de tornar-se mãe. Randall, fazer justiça em um bairro precário. Kevin, em descobrir o passado de seu pai referente à participação dele na guerra. Todos nós somos movidos por sonhos, seja um emprego na área, achar um grande amor, viajar pelo mundo…

O machismo retratado na série!

O interessante desse episódio foi que exploraram um passado ainda mais distante, a infância de Rebecca.

Aqui, percebemos que ela nunca foi feita para ser moldada ao machismo de sua época. Desde criança, Rebecca via a vida de sua mãe, ou seja, ficar em casa esperando o marido voltar, enquanto fazia serviços domésticos. Livros da época onde diziam como as mulheres deveriam se comportar perante a sociedade…

Rebecca desafiou esse sistema ao se interessar pelos serviços “dos homens”. Foi motivo de chacota e risos… Ela disse “não” quando um homem quis levá-la para outro lugar, mas isso faria desistir de seu grande sonho.

A personagem de Rebecca até mesmo em seu passado é uma grande referencia para os dias atuais nos quais mulheres lutam pelos seus direitos com o feminismo para garantirem direitos e salários iguais, independente do sexo!

Cabe aqui uma boa reflexão política no momento em que estamos vivenciando.

Enfrentando um passado sombrio.

Uma das cenas mais comentadas do episódio é quando Kate enfrenta o seu passado na adolescência e na infância.

Sabemos que na adolescência Kate não foi nada fácil, e aqui temos um embate no qual sua “antiga Kate” tenta desmotivá-la a ser mãe, alegando que todos naquela família são fracassados. Pesado! Porém Kate encontrou forças e argumentos baseados em sua Kate da infância e até mesmo em seu falecido pai.

O procedimento está correndo tudo certo, mas sinto que teremos muito drama envolvendo esse assunto até o final da temporada.

Para terminar…

O que foi a surpresa que tivemos com Beth sendo demitida? Não ficou claro o motivo, mas podemos levar em conta talvez uma questão de racismo por conta de alguma pessoa da empresa? Não sei, posso estar errado, mas fica em aberto para teorias…

Talvez esse baque possa interferir seriamente em sua vida levando-a a uma depressão? Será que o “ELA” que estamos tentando desvendar desde o final da temporada passada, possa estar ligado a isso? Perguntas e mais perguntas…

Até semana que vem!

Tags This Is Us
Rodrigo Chechi

Rodrigo Chechi

Pedagogo formado pela UNESP. Especializado em Educação a Distância para a Docência pela UNIARA. Mestrando em Educação pela UNESP. Apreciador de vinho, café, séries e músicas. Um coração igual de mãe, sempre cabe mais uma série! rs No Mix escreve as reviews de This is Us, Pretty Little Liars (RIP), Orphan Black (RIP).

1 comment

Add yours
  1. Avatar
    Amanda 13 outubro, 2018 at 07:00 Responder

    Toda vez que eu leio aqui, fico mais desesperada com o Ela que vem a seguir. Será que saberemos ainda nessa temporada? Faz sentido ser a Beth, uma vez que ela deixou claro como tem laços com Toby e Miguel, isso leva àquele telefonema do Randall falando com um Toby melancólico. Mas tenho por mim que se fosse Beth, Randall não estaria daquela forma. O conhecemos, sabemos o quanto ele é intenso, e ele parece “calmo” a princípio. Senti falta das crianças nesse episódio.
    -Vou copiar a review que eu fiz em outro site – sim, sou a louca das reviews, elas sempre me mostram algo que eu posso ter deixado batido, ou então me esclarece algumas dúvidas. Muito amor por vocês!

    This Is Us é inexplicável. É tão profunda, tão tapa na nossa cara que a gente sempre fica sem fôlego pós episódio. Quando eu iria imaginar que teríamos três versões da Kate juntas, e ainda mais na companhia do meu amado Jack? Tomando o sorvete que ela tanto procurou no dia do casamento ainda por cima? Kate me leva do amor ao ódio, apesar de todos os problemas que ela passa, às vezes a acho bem egoísta com relação ao Jack, ela era a menina dos olhos dele, eles tinham uma ligação maior que os demais irmãos, e toda vez ela meio que faz questão de colocar o fato de que ela era mais do Jack que dos outros. Eu não sou o Randall, e eu remoeria por mais tempo, essa necessidade em fazer as pessoas aceitarem as coisas que um fez e nos magoou porque o que fez está passando por uma fase ruim me irrita um pouco. Mas por outro lado, temos uma Kate dando a Randall tudo o que ele precisava, dizendo o quanto ele é mais Jack que os filhos biológicos, aí a gente esquece o antes, e foca só no agora – pelo menos por enquanto.
    Kevin, é lindo ver meu garoto amadurecendo, a morte do Jack vai ser sempre algo muito intenso para ele, e eu achei que aquela apresentadora foi uma idiota, porque ela viu que ele bugou, e não parou com o assunto. Queria ter entrado naquela sala e tirado ele de lá. Que bom que ele encontrou a Zoe que está disposta a ir a fundo com ele nessa história, aguardo aqui ansiosamente o momento que meu garoto vai ter seu sonhado encontro com o pai.
    E Beth, poxaaaaaaaaaaa, quem demite uma Rainha dessas? Um absurdo apenas.

Post a new comment