Crítica: Harvey finalmente assume seu lado humanitário no episódio 8×03 de Suits

Imagem: USA Network / Divulgação

Continua após as recomendações

Agindo por impulso.

Quem poderia imaginar que um dia iriamos ver Harvey Spector agindo como Mike Ross? Pois bem, meus caros, parece que esse dia chegou trazendo grandes conflitos para os membros da Zane Spector Litt. Bastou Harvey encontrar uma faxineira chorando no banheiro masculino para que ele decidisse agir como o justiceiro dos pobres e oprimidos.

Por mais que eu tenha adorado a atitude de Harvey, tive que concordar totalmente com Donna: ele estava comprando uma briga impossível de ganhar com o dono do prédio só porque sentiu pena da moça. Não que a história não mereça um fim digno para a faxineira, mas a forma como Harvey estava agindo era totalmente diferente daquele Harvey Spector que vivia puxando as orelhas de Mike.

Continua após a publicidade

No final, Harvey acordou para a vida – graças à inteligência de sua ex secretária – e percebeu a besteira que ia fazer se comprasse aquela briga. Porém, até ele escutar os conselhos de Donna, a turma toda ficou sem elevador e sofreu algumas desnecessidades graças à impulsividade de Harvey em querer agir como Mike Ross.

Donna e Katrina salvando o episódio!

Ainda bem que Harvey Spector tem Donna Paulsen sem sua vida. A ruivinha continha roubando a cena e se mostrando o melhor personagem do seriado. Mas desta vez ela não foi a única a se destacar em Suits. Katrina deu um show de personalidade ao confessar que fora ela quem ferrou tudo no caso e não o Bryan. Katrina podia ser até insuportável quando apareceu, mas vem se mostrando a melhor surpresa nessa nova fase do seriado.

Adorei vê-la trabalhando com o queridinho de Louis e mostrando maturidade para assumir suas responsabilidades. Acredito que tanto ela quanto Donna serão as grandes responsáveis pelo amadurecimento de Suits pós Mike e Rachel.

Donna simplesmente vem carregando o seriado nas costas e só estou na torcida para que ela roube de vez o coração de Harvey. Se existe alguém que merece ter o nome na parede, esse alguém é Donna Paulsen. Ela é a rainha de Suits e a maneira como ela lidou com o dono do prédio foi sensacional. Muito melhor do que qualquer advogado renomado como Harvey Spector.

Brincando de gato e rato.

Em contrapartida, a outra mulher de Suits, Samantha vem se mostrando a pior personagem do seriado nessa temporada. Além de chata, ela conseguiu se tornar insuportável e um who no terceiro episódio em que apareceu. Sua briguinha sem sentido com Alex foi cansativo de se ver, sem contar que ela poderia ter evitado mil e uma coisas se falasse a verdade para ele sobre os negócios do cliente. Mas não, ela decidiu brincar de advogada do diabo e acabou se queimando feio.

Meu ranço por ela só vem aumentando e, por mais que Alex não seja meu personagem favorito, minha torcida para que ele ganhe essa guerrinha só aumente. Alex pode ser chato, mas é mais confiável que a Samantha. Pelo menos ele joga aberto e não sujo como ela.

Por mim, os dois morriam e deixavam Louis como gerente da firma. Com Louis comandando a firma, as coisas seriam bem menos complicadas e mais divertidas, afinal, Louis Litt é aquele personagem que todos amam e odeiam ao mesmo tempo. E se é para colocar o nome de alguém na parede, esse nome tem que ser Paulsen, pois é a ruivinha quem vem divando sempre e mostrando maturidade para resolver os caos causados pelos advogados e associados desde a primeira vez que a vimos.

Tags Suits
Avatar

Gabriella Siggia

Quem eu sou? Eu sou uma em um milhão: escritora nas horas vagas, seriadora de coração, cinemática de plantão e amante da literatura. Divertida, alto astral e bastante bem humorada. Só não achei ainda minha outra pessoa. Ah, música faz parte da minha vida.

No comments

Add yours