Crítica: Jane, the Virgin traz críticas e uma revelação em episódio 5×03

Episódio de Jane traz revelação

Jane precisou lidar não só com um ex-marido que voltou dos mortos e está implacável na sua busca em acender a faísca da paixão e assim reconquistar a amada. Mas também um filho que anda apresentando comportamentos agressivos. Bem como uma amiga que se sente excluída. Além de uma família meio louca. E um relacionamento esfriando aos poucos.

Campo neutro hoje, campo neutro amanhã, campo neutro para sempre!

Apesar de a vida de Jane estar quase beirando a loucura, não é só a vida dela que tem estado conturbada. O retorno do ex-marido amnésico dela tem tornado as coisas difíceis para todos que estão ao redor. Não que isso seja culpa do pobre coitado. Longe de mim dizer isso.

No entanto, a forma insistente, chata e até mesmo babaca com que ele tem agido ultimamente, ao “cortejar” Jane, tem incomodado e atrapalhado as diversas interações dos personagens. E isso vai desde o relacionamento de Jafael até as interações de Petra e suas filhas.

Foi muito bonito a forma como Petra e Jane lidaram com seus sentimentos na barraco do “campo neutro”. Dando conselhos uma a outra e percebendo que são como irmãs. Me peguei pensando na relação das duas na primeira temporada e em como desenvolveu a esse ponto. Quem diria?

O episódio também serviu para dar um ponto final nessa enrolação toda aí do Jason. E agora ele está indo embora para ficar com seus cavalos em Montana. Assim, Rafael pode ficar menos inseguro com relação ao seu futuro com Jane. E Petra pode voltar as tentativas de reatar o namoro com JR, sem ficar de standby para um possível casinho com Jason.

Ou pelo menos era isso que acreditávamos até os minutos finais do segundo tempo… Quando – rufem os tambores -, Michael recuperou a memória. O que isso implica no resto da temporada? Tenho minhas teorias e isso inclui paralelos com a primeira temporada. Como por exemplo: um quadrado amoroso. Petra tentando juntar Jafael ao invés de separá-los e rolando algo entre ela e o Michael.

Vamos falar de coisas importantes…

Como sempre, a série não falha em retratar assuntos importantes e abordar diversos ângulos de um mesmo assunto. Embora a discriminação já tenha sido abordada anteriormente, o tema dessa vez ganhou um viés diferente ao tratar da questão salarial entre homens e mulheres. Para então puxar um gancho e falar da desigualdade de salários por conta de diferentes etnias. É por situações como essas que eu simplesmente amo a série!

Entendo que o assunto tenha afetado principalmente Rogelio. Mas a forma inicial com a que ele lidou com tudo foi completamente desnecessária.

O personagem estava mostrando um desenvolvimento bacana e agradável. Mas tornou a cair no meu conceito por voltar a agir de forma infantil, quando ele podia simplesmente ter explicado suas ressalvas para River Fields. Ao meu ver, se isso fosse um jogo de tabuleiro, ele basicamente teria retornado umas dez casas!

Xiomara deve amar muito ele para ter que lidar com um comportamento desses constantemente, ainda mais em meio ao tratamento de câncer. Inclusive, me dói muito ver ela tão abatida! Mas fico feliz que ela continue tendo um papel importante como conselheira para os que estão ao seu redor.

O que acharam do episódio? Gostaram da review?  

Deixem aqui nos comentários!

Nota do episódio9
Review do terceiro episódio da quinta temporada de Jane, the Virgin, da The CW, intitulado "Chapter Eighty-four".
9

Share this post