Crítica: “O Desaparecimento de Madeleine McCann” traz caso intrigante à Netflix

O Desaparecimento de Madeleine McCann é a nova série documental da Netflix

O Desaparecimento de Madeleine McCann chega com destaque ao catálogo da Netflix. A fórmula utilizada em Making a Murderer parece ter dado certo na plataforma, que segue produzindo documentários investigativos sobre crimes que tiveram grande repercussão.

O sumiço de Madeleine McCann é visto como um dos casos de desaparecimento mais famosos da história, principalmente pela rapidez com que o ocorrido conta dos noticiários e o apelo público. A produção mistura imagens reais do arquivo e restituições de alguns momentos. Vestígios do crime, depoimentos e teorias estão presentes em todos os oito episódios da produção.

Tudo aconteceu na Praia da Luz, Algarve, Portugal, na noite do dia 3 de maio de 2007. Uma família britânica estava curtindo férias em um resort quando a filha mais velha de 3 anos de idade, Madeleine, desapareceu. Segundo os pais e um grupo de amigos, eles deixavam as crianças sozinhas todas as noites enquanto jantavam no Tapas Bar, um restaurante do Ocean Club que ficava próximo ao apartamento deles. O plano era simples, a cada 30 minutos alguém ia verificar as crianças. Tudo ia bem até que chegou a vez de Kate McCann, a mãe da menina, ver as crianças e percebeu que sua filha não estava no quarto e a janela estava aberta.

Teorias sobre o caso

O caso Madeleine McCann ganhou diversas teorias e o documentário permite o público escolher qual faz mais sentido. Sequestro por facções criminosas, vítima do tráfico de pessoas, Wonderland Club, um famoso clube de pedofilia. Houve ainda teorias sobre os pais utilizarem remédios sedativos nas crianças como o Calpol, para que pudessem sair à noite. A mais lógica seria que o sequestrador teria acompanhado a rotina da família e do apartamento para saber o momento exato de agir. Sendo assim, a negligência dos pais teria posto em perigo os filhos e facilitado o crime, e esse é um ponto que leva a reflexão e levanta discussão.

A mídia e toda a sociedade portuguesa estavam ao lado do casal Kate e Gerry McCann. Eles tiveram suporte e muitos recursos foram disponibilizados para localizar sua filha. Porém, quando a investigação ganhou uma reviravolta sombria, os dois se viram no centro das investigações.

A teoria de Gonçalo Amaral, ex-inspetor da Polícia Judiciária que foi afastado do caso, diz que na verdade ocorreu um acidente fatal com a menina e os pais decidiram ocultar o corpo durante o jantar com amigos quando verificavam as crianças. A utilização de cães altamente qualificados endossaram a teoria. Uma revista sugeriu um Pacto de Silêncio entre os McCann e seus amigos. Posteriormente, eles receberam uma indenização por difamação no valor de 480 mil dólares que eles investiram nas investigações.

Em certo ponto da investigação, as autoridades chegaram em Robert Murat e Sergey Malinka. O primeiro foi duramente acusado de forma pública sobre crime de pedofilia. Quando a investigação tomou um novo rumo, ele e Malinka foram inocentados das acusações. Murat processou diversos jornais e acabou recebendo uma indenização de cerca de 800 mil euros de jornais britânicos. A mídia reconheceu publicamente que divulgaram notícias difamatórias e falsas e fez um pedido formal de desculpas.

Kate e Gerry McCann

Ao longo dos episódios, é notória a obsessão das pessoas e da mídia sobre o caso. Em alguns momentos, resulta em conflito entre jornalistas e as autoridades. No meio disso tudo, os pais estão sob os holofotes. A postura do casal começa a ser questionada. Eles não responderam diversas perguntas e se negaram a fazer uma reconstituição da noite do desaparecimento.

Inicialmente, a postura deles é muito atípica para todo o caos que estavam vivendo. Em coletivas e aparições públicas, eles aparentavam uma serenidade que incomodava e às vezes essa imagem parecia fria. Em defesa, eles alegaram que foram orientados a não manifestar emoções em público para não afetar a condução da investigação.

Kate e Gerry McCann optaram em não participar da produção alegando que não concordam com a visão do documentário. Eles acreditam que a série não apresenta nada de novo, além de poder atrapalhar as investigações que ainda estão em andamento. Há quem diga que todo o dinheiro investido é um desperdício. A negativa dos pais em participar e os problemas nos bastidores podem tornar a produção questionável para algumas pessoas.

Caso continua sem solução

A investigação ficou conhecida como Operação Grange, e estima-se que foram investidos cerca de 12,6 milhões de euros. Muito se falou sobre a atenção das autoridades e da mídia sobre o caso. O que o diferenciava dos outros milhares de casos sobre crianças desaparecidas? O caso de Madeleine foi controverso e fez a sociedade portuguesa questionar porque este caso estava tendo tanta visibilidade.

Talvez a ideia da produção não seja trazer uma solução ao caso que até hoje está em aberto, tampouco apresentar novas informações. Para alguns pode soar como algo de mau gosto, uma vez que mexe em uma ferida que ainda não cicatrizou da família McCann, para outros, como uma forma de entender melhor o caso e deixar um alerta para todas as famílias sobre negligência e o cuidado com seus filhos. Um assunto que deve gerar muita discussão entre o público.

Em muitos momentos, a produção pode ser tendenciosa, ao mesmo tempo que não entrega nenhuma resposta.  Há muito material disponibilizado na internet. A história é repleta de buracos e inconsistências, o resultado é deixar tudo a livre interpretação do publico. Afinal, os pais são culpados ou não? Quase 12 anos após o ocorrido, muitos ainda se perguntam o que aconteceu com Madeleine McCann.

Além disso, completo. Todavia, com palavras. Entretanto, brancas. Além disso, verdes. Todavia, brancas. Além disso, verdes. Entretanto, brancas. Além disso, palavras. Todavia, brancas. Além disso, busca. Todavia, palavras. Além disso,

Nota da Temporada8.9
Crítica da doc-série sobre o caso de Madeleine McCan
8.9

Share this post

Yuri Alves

Yuri Alves

Bacharel em Direito, fascinado pelo universo dos heróis e um viciado por séries e filmes. Sou um escritor a procura do meu espaço. Amante dos livros e da boa música. A série da minha vida , The OC. No Mix, sou responsável pelos textos de algumas séries como, The Defenders, Dynasty, Blinspot , Ozark entre outras. Quando não estou no cinema ou maratonando uma série estou me aventurando na cozinha.