Crítica: O Irlandês, filme da Netflix, une Scorsese e DeNiro em um roteiro intrigante

Filme já é um dos favoritos ao Oscar 2020

Após uma longa cena de ambientação em um asilo, embalada por uma canção antiga, o público se depara com uma versão mais velha de Robert De Niro. Ele é Frank Sheeran, um veterano de guerra, que trabalhou como caminhoneiro, mas viu a sua vida mudar após se tornar assassino de aluguel da máfia. E é justamente esta saga que o próprio protagonista vai contar ao público, ao longo de três horas e meia, em O Irlandês. O filme é a mais nova aposta da Netflix para o cenário, trazendo o peso de um nome como Martin Scorsese na direção.

Continua após publicidade

Utilizando flashbacks e recursos de narração, o novo filme de Scorsese mostra a real história de Frank Sheeran. O personagem também conhecido como “O Irlandês”, após conhecer Russell Bufalino (Joe Pesci) e começar a “pintar casas” para a máfia, nos Estados Unidos. A expressão é uma espécie de metáfora para “assassinatos”, uma vez que o sangue que espirra das cabeças e corpos de pessoas que levaram um tiro acaba manchando de vermelho as paredes próximas.

Continua após a publicidade

Depois de estabelecida uma relação de confiança, Bufalino diz para Sheeran que um amigo influente e poderoso está precisando de ajuda. É neste momento que “O Irlandês” é apresentado a Jimmy Hoffa (Al Pacino), lendário líder sindical, e passa a ser uma espécie de guarda-costas dele. A partir daí, a narrativa do filme ganha mais corpo, mostrando as intrínsecas relações de interesse entre a máfia, os sindicatos e o governo.

Continua após publicidade

Um filme de máfia no estilo Scorsese

O filme é baseado no livro I Heard You Paint Houses, lançado no Brasil com o título de O Irlandês: Os Crimes de Frank Sheeran a Serviço da Máfia. Na obra, o jornalista Charles Brandt conta as memórias de Frank Sheeran, um dos maiores assassinos ligados à máfia nos Estados Unidos. O livro também elucida o que aconteceu com Jimmy Hoffa, poderoso líder sindicalista que desapareceu misteriosamente na década de 1970.

Apesar de ser um filme longo, O Irlandês tem uma narrativa muito bem construída. A união de cenas de ação, com um ritmo acelerado de acontecimentos e uma edição muito bem pensada ajuda o público a não sentir a exaustão de assistir mais de três horas de filme. São poucos os momentos em que a trama fica um pouco mais arrastada. (Mas, vale lembrar, que a experiência da pessoa que assistir o longa na sala de cinema vai ser completamente diferente de quem conferir pela Netflix, que possibilita aquelas pequenas pausas de descanso).

Continua após publicidade

Outro ponto que traz mais leveza ao filme é que, apesar de Scorsese retratar a máfia e toda a violência cometida por ela, o diretor também consegue inserir diálogos cheios de humor ao longo da narrativa. Tudo isso, claro, mesmo em cenas cheias de tensão. Jimmy Hoffa, o personagem de Al Pacino, protagoniza vários desses momentos. Seja com a sua ironia ácida, a sua intolerância a atrasos ou mesmo com as cenas do líder sindical se deliciando com sorvete.

Resultado de imagem para the irishman
DeNiro em cena de O Irlandês. Imagem: Netflix/Divulgação

Elenco de O Irlandês é afiado

A interpretação do ator também é um ponto a ser ressaltado. Al Pacino não economiza nas emoções, gestos e, é claro, palavrões para viver Hoffa, conseguindo inclusive roubar um pouco a cena de De Niro em alguns momentos. Este, por sua vez, se mostra novamente uma escolha acertada de Scorsese. Já a presença de Joe Pesci é a cereja que faltava na produção.

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

Como a jornada de Sheeran se desenrola ao longo de várias décadas, Scorsese utilizou uma tecnologia de rejuvenescimento digital. Assim, De Niro, Al Pacino e Pesci conseguem interpretar até mesmo as versões mais jovens de seus personagens, ainda que, na vida real, eles já tenham mais de setenta anos. Portanto, o resultado acaba sendo um presente para o público. É possível apreciar a jornada completa dos três atores no desenvolvimento de Frank Sheeran, Jimmy Hoffa e Russell Bufalino, respectivamente.

Um dos pontos mais surpreendentes no personagem de Frank Sheeran é a forma fria como ele comete os assassinatos. O Irlandês não vacila e nem sente remorso por tirar outras vidas. Para ele, aquilo é um trabalho a ser feito, como qualquer outro. Um de seus alvos, inclusive, é morto na frente de sua esposa e filha, já que aquilo é também uma lição a ser aprendida.

É interessante observar que, se no ambiente de trabalho, O Irlandês está sempre cercado por homens, na vida familiar a presença das mulheres é predominante. A esposa e as filhas do assassino, que acabam ficando em segundo plano tanto na vida de Sheeran, quanto no próprio filme, são um contraponto moral ao seu estilo de vida. Peggy Sheeran é colocada em diversos momentos mostrando a sua desconfiança e desaprovação com as atitudes do pai e de seus colegas, exceto por Hoffa, por quem a garota realmente sente admiração.

Vale a pena assistir… Além disso, completo. Todavia,

A construção do personagem de Sheeran cresce quando o vemos quase no fim da vida falando sobre o seu passado e refletindo sobre a sua história. O Irlandês, apesar de afirmar não sentir remorso, procura até na religião uma possível redenção. Os olhares e silêncios de De Niro são fortemente expressivos. O que restou para ele depois do fim?

Além disso, O Irlandês traz um forte retrato sobre as relações de poder dentro da máfia e como os impasses são resolvidos quando os interesses e ambições de seus membros estão em jogo. Isso é o que Frank Sheeran, cedo ou tarde, acaba compreendendo.

Com um roteiro muito bem trabalhado, grandes atuações e a direção de um dos maiores nomes do cinema contemporâneo, o filme, sem dúvida, é um forte candidato ao Oscar.

Além disso, completo. Todavia, palavras. No entanto, necessárias. Bem como, verdes.