Crítica: Parcerias fazem o clima esquentar no 3×07 de Preacher

Imagem: AMC/Divulgação

Foi bem interessante ver como algumas parcerias foram formadas nesse episódio. Cass e Eccarius, Madame L’Angelle e o Graal, Tulip e Lara. Resta-nos saber quem irá trair primeiro.

Hilter e Eccarius mostraram nesse episódio o quão difícil pode ser uma mudança de caráter. O nazista como funcionário do mês da “Subway” foi muito cômico. O cara conseguiu até um adepto da sua ideologia. A cena do discurso no horário do almoço foi sensacional. Quando ele conversa com o chefe sobre o Santo o levar de volta ao inferno, me deixou meio confuso… Será que o gerente sabia da história, ou achou mesmo que era uma metáfora para uma vida de merda que “Hilter” levava? Certamente eu não imaginava que o Santo ia dar um “chega pra lá” tão forte no gerente adúltero. Ponto para o quesito “brutalidade”.

Brutalidade é uma palavra que, por mais forte que seja, não descreve o caráter de Eccarius. Aquela postura de vampiro clássico, com seus vários poderes bem excêntricos e até com um caixão como cama. Confesso que ele estava me convencendo muito de que era um cara bacana. Triste de mim, que não conheci as HQ’s, porque aí eu saberia que estava redondamente enganado.

Aquela história do porquê Eccarius manda os novos vampiros para o mundo, como missionários foi bem utópica, mas até nisso eu acreditei. O cara é, realmente, do mal! Todo aquele clima de “Entrevista com um Vampiro” e aquela postura de perfeitão, quando na verdade, é um sanguinário traidor do próprio movimento.

Hoover e os padres da academia.

Algo que tem me agradado bastante na série é a contínua introdução de novos personagens na trama. Quando Hoover foi até a capela se confessar e começou a falar de um fetiche ligado à Miley Cyrus, eu achei bem bizarro! Daí o padre ficou meio sem reação. Hoover também. E de repente, o elevador começou a descer e Hoover chega na academia clerical.

A ação deles na caça aos vampiros foi digna de uma ação da Swat. Achei bem legal aqueles aparatos tecnológicos que eles usaram. A luz solar até que deu certo, eles só não contavam com a tolerância que Cassidy tem a várias drogas. Se não fosse isso, o plano teria sido perfeito. E, no final das contas, os vampiros saíram ilesos da emboscada.

As duplas dinâmicas do episódio.

Algumas duplas fizeram a trama ficar interessante em Hilter. Apesar do nome do episódio, dessa vez eu não senti muita ligação com o enredo. Adolf apareceu apenas no começo do episódio e ainda por um curto espaço de tempo. Mesmo assim, foi bom ver o reencontro dele com Eugene, que finalmente percebeu a burrada e se arrependeu de ter libertado o amiguinho nazista.

Até que Cass está se dando muito bem com o novo amigo vampiro. Deram um voo maroto pela cidade, beberam uns drinks, beijaram umas garotas, uns caras e terminaram a noite se pegando. Agora me restam algumas perguntas: Será que rolou algo a mais? Será que agora a Tulip sai da mente de Cassidy? Como ele vai reagir quando descobrir o lado mal do seu novo romance? Veremos!

Imagem: AMC/Divulgação

Outro reencontro que vale a pena mencionar é o de Tulip e a agente Featherstone. O santo delas não bate nem com reza braba, e o melhor de tudo será vê-las trabalhando lado a lado na missão para o Graal.

Uma última dupla que vale a pena mencionar é o Herr Starr num momento inconveniente com o TC. Na hora que ele pegou o celular, eu achei mesmo que era uma ligação, só depois foi que saquei que ele fez isso para que o caipira taradão parasse de falar.

Lara demonstra cada vez mais o interesse dela em Starr. Quando ela tentou imitar a despedida Jesse e Tulip e foi ignorada pelo chefe, eu senti um pouco de dó. Mas talvez ela goste de um amor não correspondido.

Essa temporada tem ficado bem interessante. Por um bom tempo eu me perguntei o motivo deles não devolverem logo o poder de Jesse. Agora as coisas começam a fazer mais sentido… Vamos ver o que nos aguarda nos próximos capítulos.

Até a próxima!

Tags Preacher

Share this post

Albert Moura

Albert Moura

Jornalista e seminarista, além de pai de primeira viagem. Casado com a Ana, mas amante das séries. Atualmente acompanha Outcast, Better Call Saul, American Gods, Lucifer, Gotham, o universo Marvel, Arquivo X e mais algumas, além de também ser um eterno fã de Friends. No Mix, escreve sobre Preacher e Lethal Weapon.