Crítica: Final da 2ª temporada de Lethal Weapon é amarrado, mas deixa saudades!

Imagem: IMDb/Divulgação

Continua após as recomendações

Com boas doses de emoção e ação, poucas pontas ficaram soltas em Lethal Weapon…

One Day More foi um ótimo episódio sobre despedidas. Riggs pensando em morar com Molly no Texas. Murtaugh no cargo de capitão, dando adeus à parceria com Martin. Nathan recapturado e preso. Eu diria que poucas pontas ficaram soltas. Mas a fé fala mais alto que eu tenho esperanças de que a nova temporada tem grandes chances de ser boa!

Foi bom ver novamente os flashes da Miranda nos pensamentos de Riggs. Fazia um bom tempo que ela não aparecia. O que gostei é que, dessa vez, não foi apenas uma lembrança nostalgicamente depressiva, mas também uma representação da saudade que ele ainda sente dela. Eu só não seria capaz de adivinhar que seria uma lembrança tão premonitória!

Continua após a publicidade

A família Riggs, definitivamente, não sabe perdoar!

Perdão é uma palavra tão forte para a família Riggs, que Martin ainda não conseguia receber de si mesmo a exoneração de uma culpa que nem era dele. E o pior de tudo era a crise que ele tinha por não ter matado seu próprio pai. O dilema dele em pensar se aquela era a decisão certa a se tomar é um dos pontos cruciais do episódio, levando até o clímax de uma ação quase sem volta. Me senti um “quase psicólogo” ao explorar esse contexto dessa forma!

Imagem: IMDb/Divulgação

Foi bem legal esse movimento em que ele para de tentar interpretar e pede para que a Dra. desembuche logo o que ele precisava fazer. Aquele ponto da conversa entre os dois foi bem marcante, porque também mostrava um possível ponto final para a terapia. A única coisa que não gostei nessa cena foi da atuação do Clayne. Não convenceu muito. Eu diria que foi quase, bem quase, mas não me convenceu. Mesmo assim, não deixou de ser uma ótima cena.

O final do episódio também mostrou como os Riggs não estão familiarizados em perdoar. Martin ser baleado (não me atrevo a dizer que ele morreu… pelo menos ainda não) pelo próprio irmão foi tenso. Garrett e Nathan eram próximos de uma forma que Martin nunca foi. Nathan fez de tudo para tirar o filho da cadeia e Garrett fez o que pode para vingar o fracasso do pai.

Foi uma surpresa, mas não uma festa surpresa.

Foi bem engraçado quando Murtaugh entra no trailer do parceiro para dar a notícia e descobre que Riggs já sabia. Martin parecia estar lidando bem com toda a transição, mas a conversa antes de entrar na mansão de Davenport foi bem esclarecedora. Era como se um achasse que o outro estava desistindo de tudo.  Mudanças são realmente difíceis.

Então quer dizer que Murtaugh era o alvo da tentativa de assassinato? Fiquei pensando em como seria se não tivesse dado tempo de Riggs ligar para o parceiro para dar a informação. Lógico que em Lethal Weapon sempre dá tempo, mas bem que as coisas ficariam um pouco mais interessantes.

A batalha deles com o grupo nazista do qual Nathan faz parte seria algo bem legal de se ver numa próxima temporada. O papai Riggs não largou suas antigas amizades, mesmo tendo um filho mais próximo. Pensando por esse lado, foi surpreendente como ele arriscou tudo para poder salvar o filho da prisão. Foi uma loucura meio burra, típica dos Riggs mesmo, mas ainda assim eu me surpreendi.

Despedida da temporada ou da série?

Foi realmente incrível como a relação entre o nome do episódio e o enredo fez tanto sentido. Nem precisa de mensagem subliminar para dar sentido a isso.

Quando o episódio começa com Riggs e Molly falando sobre eles se mudarem, eu já fiquei imaginando: “estão dando um final não só para a temporada, mas para a série, triste”. Aí, logo em seguida, surge Murtaugh e a família toda reunida. Então quer dizer que todos vão aparecer no último episódio da série? Não vou mentir, isso trouxe um peso no coração. Tinha todos os indícios de que íamos perder nossa série…

Considerações finais…

Curti muito aquela festa surpresa para o Martin. Até o Monty, que nem gosta do Roger, compareceu para se despedir.

Quanto à conversa antes da dupla se despedir, foi um dos momentos mais emocionantes da série. Ver como Riggs reconhecia a ajuda e suporte de Roger e como ele apreciava o trabalho dos dois foi sensacional.

Aquele final me pegou despreparado, eu não esperava que algo assim fosse acontecer. Mas, como toda série gira em torno de audiência, e Lethal se mostrou bem sólida quanto a isso, eu digo que tudo pode acontecer.

Enquanto isso, a gente fica só na expectativa. Nos vemos na terceira temporada!

Albert Moura

Albert Moura

Jornalista e seminarista, além de pai de primeira viagem. Casado com a Ana, mas amante das séries. Atualmente acompanha Outcast, Better Call Saul, American Gods, Lucifer, Gotham, o universo Marvel, Arquivo X e mais algumas, além de também ser um eterno fã de Friends. No Mix, escreve sobre Preacher e Lethal Weapon.

2 comments

Add yours
  1. Avatar
    Paulo Adriano Rocha 20 maio, 2018 at 21:02 Responder

    É aquela coisa, né? A gente já sabe que a série foi renovada para a 3a temporada e vem outro ator no lugar do Claine, mas… aquela cena no cemitério foi muito, muito triste! Não superarei… Enfim, esperar que não haja ataques de estrelismo na próxima temporada, que parece que foi o problema nessa. Porque a série é muito boa. Tadinha da Molly… :'(

  2. Avatar
    Vanessa Sales 27 maio, 2018 at 08:35 Responder

    Se repararmos bem,essa temporada serviu pra terminar o ciclo de Riggs. No final da primeira e no início da segunda temporada,ele descobre a verdade sobre a morte da Miranda,fazendo com que ao passar do tempo ele vá conseguindo se livrar do álcool,a depressão(suicídio) e viver sem pensar no amanhã. Não entendi os propósitos do Nathan. Espero que no início da 3° temporada,Roger perceba que o seu lugar é como detetive. Não gosto da Molly e não acho que ela combine com ele(prefiro a policial). Como seria a terceira temporada se o Clayne não tivesse saído?!

Post a new comment