Crítica: Sem Mike e Rachel, Suits entra num jogo perigoso no episódio 8×01

Imagem: USA/Divulgação

Briga entre gigantes!

É, meus caros, parece que os roteiristas vão ter que sambar muito para deixar essa temporada de Suits agradável e com histórias interessantes, já que a saída de Mike e Rachel foi digna de uma series finale. Para mim, o seriado terminava em sua sétima temporada, com o casamento fofolete, além de uma declaração de Harvey para Donna. Porém, tenho que entender que o seriado é um sucesso no canal pago e não seria a saída do casal protagonista que deixaria Suits menos interessante.

Continua após publicidade

E foi justamente isso o que nos mostrou essa season premiere: adrenalina pura. Sério, me senti assistindo aquele velho Suits onde Harvey Spector era um brilhante jogador de xadrez e Donna a rainha e dona do jogo todo. Não sei se essa ideia de trazer uma briga entre Robert Zane e Harvey Spector para gerenciar a firma foi a melhor ideia dos roteiras, mas que agitou a vida dos membros da firma, ah isso agitou.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Continua após publicidade

No final, Harvey pode ter ganhado a batalha, mas ainda está longe de ter ganhado a guerra. Essa história toda de terem dado de bandeja a gerência para Robert foi estranha e necessária (talvez?) para que Harvey pudesse voltar a advogar e suprir a falta que Mike fará. É claro que Donna teve sua parcela nessa decisão e é por isso que eu amo essa mulher. Se até papai Zane percebeu o poder dessa ruivinha, já sabemos que ninguém poderá mexer com ela jamais.

Samantha Wheeler.

Para quem estava ansioso para saber como Katherine Heigl se encaixaria no seriado, deve ter sentido um treco quando a viu destilando veneno logo em sua primeira tarefa. Não sei vocês, mas já peguei ranço da personagem e meu santo não bateu com o dela. Ela pode ser o braço direito do Robert, mas jamais ganhará um lugar especial no meu coração. Eita mulher chata e convencida.

Continua após publicidade

Eu estava mais torcendo para que ela caísse do salto e para que Alex desse uma voadora nela do que outra coisa. Tudo bem que Harvey deu o cheque mate na advogada, mas queria tanto ter visto o Alex mostrando todo o seu potencial nesse episódio. A minha única esperança está nessa garra que ele tem em querer destruí-la. E eu amei ver Louis sendo Louis e mostrando todo o seu amadurecimento para o novo pupilo de Harvey. Os conselhos do titio Louis são sempre bem vindos.

Mas voltando a Samatha, achei a personagem pouco carismática e eu senti um calafrio quando ela praticamente chantageou Robert para ter o nome dela na parede. Essa mulher é perigosa e estou com um pressentimento ruim de que ela possa destruir a harmonia da firma. Sei lá, talvez seja esse ranço que peguei dela, mas não fui com a cara da personagem e espero de verdade que Suits nos tragam uma vilã com a personagem da Heigl. Iria ser tudo o que o seriado precisava para se renovar.

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

Mudanças à vista!

Como eu já disse anteriormente, e venho repetindo, Louis é o personagem que mais mudou no seriado. Esse Louis que vi nesse episódio foi digno de muitos aplausos e abraços. É claro que ele ainda continua sendo o velho Louis Litt de sempre e, a qualquer momento, poderá fazer alguma besteira. Entretanto, o personagem tem um carisma natural e eu só fico torcendo para que Harvey venha reconhecer o quanto ele merece ocupar o lugar de BFF depois da saída de Mike.

A forma como ele lidou com o conflito entre Harvey e Zane foi digna de muitos elogios. Mesmo ele tendo surtando com Katrina quando ela ia demitir seu pupilo, Louis se mostrou um ótimo supervisor e ensinou o verdadeiro significado de trabalhar em equipe. Além disso, é notório o quanto Louis é carente e precisa de atenção. Só espero que Katrina possa a vir dar ótimos conselhos para ele.

Continua após a publicidade

A demissão em massa foi um ponto alto do episódio e deu uma lição de moral na Katrina. Nem sempre demitir de acordo com a estatística é o correto, pois devemos analisar cada caso. Adorei ver o quanto Donna e Louis mostraram para a garota que o que mais importa é o comprometimento e não o desempenho.

Com certeza essa junção da Specter Litt com Zane vai dar muito pano na manga e eu estou ansiosa para saber como os roteiristas se sairão nessa oitava temporada.

Leia mais: Katherine Heigl fala sobre sua entrada e Suits e define sua personagem como corajosa