Crítica: Supergirl está de volta, mais madura e realista

Supergirl 4x01
Supergirl 4x01

Imagem: The CW/Divulgação

Continua após a publicidade

Sem dramas, sem mimimi

Depois de muita espera, Supergirl está de volta! Diferente da premiere passada, essa por sua vez não trouxe ares sombrios e pesados. Tudo estava mais leve, na medida certa, mesmo faltando alguns elementos.

Foi estranho, pela primeira vez, não ver Winn no esquadrão. Digo mais, pensei que a presença de Brainy me incomodaria mais, só que não foi isso que aconteceu. De tudo isso, o que mais me estranhou, foi J’onn fora do DEO. Aquela vibe toda paz e amor não combina, e muito menos me convenceu. Com certeza isso não será definitivo, mas como agente isso sim já é página virada.

Com tudo o que aconteceu na season finale, deu gosto de ver as irmãs Denvers em ação. Kara, na minha opinião, está em seu melhor momento. Fazia muito tempo que nossa protagonista não encontrava-se tão radiante. Como Supergirl está conseguindo manter a ordem em National City, além de estar com tudo sob controle na CatCo. Já Alex, mesmo sem a presença de Winn e agora em um cargo de confiança, está em sua melhor fase girl power.

Gostei de ver a presidente de volta, mas fiquei decepcionado. Jurava que Cat aparecesse, mas fui feito de trouxa, como sempre. A nossa saudosa personagem chegou a ser mencionada mais de uma vez, principalmente pela nova personagem. Nia muito me lembrou a própria Kara no começo da série, enquanto a nossa protagonista está desenvolvendo seu lado Cat Grant. Sempre apostei que uma hora isso aconteceria, e parece que agora vai. Esse momento é meu!

Qualquer semelhança é mera coincidência…

Supergirl quis tratar já logo de cara em seu primeiro episódio a temática política. Isso já estava previsto, principalmente pela abordagem que essa temporada fará da HQ Superman – Entre a Foice e o Martelo. Entretanto, fiquei pasmo que muito lembrou ao cenário que estamos passando em nosso país.

Imagem: The CW/Divulgação

Os primeiros vilões desse quarto ano muito lembraram os seguidores cegos de um determinado candidato a presidência aqui no Brasil. A dupla de irmãos, pelo visto, serão vistos com certa frequência ainda, principalmente depois que a presidente foi desmascarada. Acho que agora mais que nunca vai rolar uma reviravolta política na série, o que muito vem acontecendo nos últimos dois anos por aqui.

Pelo visto, veremos mais de Lynda Carter, pelo menos nessa reta inicial, mas poderiam ter trazido a Calista Flockhart também. Sentimos muita falta de Cat Grant, e espero que ela faça uma aparição no crossover desse ano, já que terá Lois Lane nele.

O que está por vir?

Já no primeiro episódio tivemos Lillian Luthor de volta. Lena, por sua vez, já derrubou a mãe logo de cara. Entretanto, eu senti que ainda veremos muito da vilã nessa temporada, e torço por isso. A irmã de Lex ainda está me deixando ressabiado, e continuo com meus dois pés atrás com ela.

No final do episódio, vimos um pouco mais sobre a Supergirl comunista, e já quero que sua história comece a ser melhor explorada a partir do segundo episódio. O que vocês acharam dessa premiere? Conta pro tio!

PS: Queria parabenizar quem teve a brilhante ideia de James não ser mais o Guardião. Espero que levem em frente isso, por favor.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=SlhOpm4RPjY[/youtube]

Tags Supergirl
Eduardo Nogueira

Eduardo Nogueira

Administrador apaixonado por séries e música, sou fã assumido de Friends, e tenho guilty pleasure pelas séries da CW. No Mix sou editor de reality show, cobrindo atrações do gênero como as franquias The X Factor , The Voice, American Idol, entre outros. Faço também reviews das séries Mom, Supergirl, The Good Place, Scream, Fuller House e da brazuca A Garota da Moto. Além disso, deixo vocês sempre atualizados com as nossas Bolhas de Cancelamento, e também escrevo as colunas de Elenco e Teu Passado Te Condena. No tempo que me sobra faço um café para as visitas, rs. Ufa!

No comments

Add yours