Crítica: The Flash tem ótimo final para temporada mais fraca com 5×22 “Legacy”

A quinta temporada de The Flash foi uma longa jornada de altos e muitos baixos

Foi um grande exercício para os roteiristas de The Flash manterem a narrativa pouco consistente através de um vilão com pouca substância. Sua season finale por outro lado conseguiu muito bem amarrar essa longa temporada e resetar a história para o que virá a seguir. Com muita ação, sacrifícios e momentos tocantes, o episódio soube dar a cada personagem o seu momento.

Duas partes, dois vilões

Legacy” foi uma finale dividida em duas partes. A primeira metade serviu para concluir de vez a trama de Cicada, o vilão deste quinto ano. Cicada, seja Orlin ou Grace, foi o primeiro grande vilão que realmente não funcionou em The Flash. Foi incapaz de carregar uma temporada inteira em torno de si, o que a deixou arrastada. Ao menos a sua conclusão valeu a pena.

Por mais que o embate visto nesse episódio tenha mostrado que algo parecido poderia ter acontecido mais cedo na temporada, foi um embate empolgante. Foi pelo menos uma boa conclusão para a história de Cicada, em termos de ação, efeitos especiais e direção. Seu fim então abriu espaço para o verdadeiro antagonista do ano.

A segunda metade do episódio foi o aguardado épico confronto entre Flash, Nora e o Flash Reverso. E também de todo o time Flash. Não há como negar que Eobard Thawne é o melhor vilão de The Flash. É ele quem faz valer a penar assistir a essa quinta temporada. Seus poderes combinado com sua mente perversa é capaz de realizar os planos mais complexos do multiverso. Somado a isso temos o talentosíssimo Tom Cavanagh dando vida mais uma vez a esse grande vilão. Sua impressionante habilidade de carregar uma cena é quem trouxe o brilho que essa finale precisava. Tom é um verdadeiro camaleão quando se trata das varias versões de um mesmo personagem, mas é como vilão que se destaca.

Despedidas em The Flash

O restante do episódio mostrou algumas despedidas e estabeleceu potenciais futuros arcos. Sherloque se despediu e Ralph voltou a trabalhar como detetive. O personagem não acrescentou muito a temporada, mas teve sua melhora em comparação a quarta temporada.

Tivemos então a rápida despedida de Cisco do elenco fixo. Ao longo da temporada foi notável como Carlos Valdes andava insatisfeito, o que acabou se refletindo em seu personagem. Mas fico ainda mais descontente que a saída encontrada foi fazê-lo tomar a cura. Não vimos o personagem se despedir de seus amigos, com exceção de Caitlin, mas as cenas se tornaram marcantes graças a Carlos Valdes. Vibro era um herói importante para o grupo e teremos que ver a saída que os roteiristas encontrarão para sua ausência e possíveis participações futuras.

Nora foi uma personagem agridoce para The Flash. Jessica Parker Kennedy fez o seu melhor como Nora, mas a personagem não teve a abordagem merecida culpa de roteiro e direção por torná-la infantil demais. Neste episódio, no entanto, vimos uma lado emocional que se mostrou a melhor participação da personagem na série até aqui. Prova de que em termos de drama, a atriz sabe dar seu melhor. A despedida de Nora foi tocante e marcou bem o final desse quinto ano. E as cenas trouxeram também o melhor de Grant Gustin e Candice Patton. Nora foi apagada da linha do tempo, o que indica que dificilmente voltaremos a vê-la na série em breve.

Fim de temporada

Essa season finale foi o melhor episódio da temporada. Nos deu um final satisfatório para o arco da história e ótimas batalhas para ambos os vilões, Cicada e Flash Reverso. A primorosa direção de Gregory Smith tornou o episódio interessante do começo ao fim. Tirou o melhor que o episódio poderia dar: ação, dramaticidade e ótimas atuação. Os efeitos visuais também foram um grande destaque, o melhor da temporada. Um final sólido para uma temporada insatisfatória.

Para finalizar, além da insinuação de Thawne, a cena final, enfim, confirmou a mudança de data da Crise nas Terras Infinitas. Não sabemos o que será da sexta temporada, muito menos o que será da série após a Crise. Mas a esperança que fica é de que The Flash volte com um novo ano melhor.

Imagem: The CW/Divulgação

CURIOSIDADES:

– Thawne lembra que Ralph deveria estar morto, referência ao episódio 1×07 “Power Outage”. Nele vemos Thawne como Dr. Wells dizendo que Ralph foi uma das pessoas mortas no acelerador de partículas. Ralph voltou a vida quando Barry criou o Flashpoint.

– Cisco menciona Lady Gaga para acordar Ralph, assim como fizeram com Barry no episódio piloto, em 4×01 “The Flash Reborn”e 5×18 “Godspeed”.

– Ao final do episódio, Ralph analisa um arquivo com o nome “Dearbon”. Nos quadrinhos, Sue Dearbon se torna esposa de Ralph Dibny, passando a se chamar Sue Dibny. A personagem é morta durante a saga Crise de Identidade em 2004.

– Thawne menciona que foi a segunda vez que ficou preso em algum lugar por 15 anos. A primeira foi nos eventos entre 2000 e 2015.

– A habilidade que Thawne mostrou de se dividir em dois, é um poder característico de Godspeed nos quadrinhos. Mas ao fazer isso o vilão se torna mais fraco.

Nota do Episódio9.5
Review do vigésimo segundo episódio da quinta temporada de The Flash, da Thw CW, intitulado "Legacy"
9.5
Tags The Flash

Share this post

Álefe Cintra

Jornalista e apaixonado por séries. Tem a mesma profissão de Clark Kent, usa óculos parecido, mas infelizmente não é super-herói. Grande fã de séries de super-heróis e fantasia. No Mix de Séries escreve as reviews de Arrow e The Flash.