Crítica: Time de Chicago PD enfrentou inferno astral no episódio 6×11

Imagem: Divulgação NBC.

Um dos melhores episódio de Chicago PD, e eu vou explicar o motivo…

Eu espero conseguir abordar todos os pontos importantes e interessantes desse episódio de Chicago PD, mas foram muitos. Trust trouxe muitas surpresas e o inferno astral do time foi estabelecido. Notem que desde que Al morreu, tivemos o problema com Antonio, sua filha sequestrada, Ruzek levando a culpa por um erro de Antonio e agora Kevin leva um tiro.

O caso que movimentou o episódio respondeu aquela última pergunta que fiz na review passada

O grande evento da temporada envolverá política? SIM! Esse enredo nos confirmou que a política sujou e muito a polícia, mais do que ela é suja naturalmente. Quando um advogado de defesa é assassinado, as investigações da Inteligência começam apontar envolvimento do candidato a prefeito, Kelton. E nós fãs notamos isso lá no começo do episódio, eles sempre indicam alguma coisinha. Mas a surpresa mesmo foi quando descobrimos o envolvimento de outra peça chave, Brennan. Quem não gostou dela desde a primeira aparição levanta a mão o/.

Brennan puxou a carta “vale favor” na cara de Voight para soltar o culpado, mas ela pediu demais. Voight era amigo pessoal da vítima e tava muito puto raivoso dentro das calças dele. Aqui precisamos enaltecer Jay que foi essencial no episódio, pois ele está fora das tretas e enxerga claramente os problemas. Voight poderia ter colocado muita coisa a perder com sua impulsividade. Ele mesmo se contradiz quando diz que ELE DEVE CUIDAR DO TIME e não o contrário. E se Jay não tivesse o segurado? Hank não pensou que se algo sair errado com Ruzek, ele pode usar esse favor para ajudá-lo.

Continua após a publicidade

Kevin Atwater levou um tiro e nos deixou aflitos.

O tipo de cena que não dá para tirar o olho, aquela agonia de morreu ou não. Trudy conversando com ele, assim como conversou com Ruzek episódio passado, foi demais. Espero que ela apareça mais vezes assim nos episódios!

Sobre Kelton e Brennan, não consigo dimensionar o tamanho da cara de pau dos dois. Voight acabou deixando pra lá, muito furioso, e ele tem razão pois perdeu um amigo e quase um membro do time. Queria ver a cara de Kevin quando souber que o responsável terá de ser solto, pela política.

Nós sabemos como Voight trabalha e que ele não tem direito de julgar favores dentro da polícia. Porém, desde que Al morreu parece que ele está pensando mais no que faz e está até mesmo escutando seus pupilos. Apesar do sermão em Ruzek, eu realmente acho que as intenções dele foram nobres. Talvez ele só queira retribuir o voto de confiança de Voight quando ele era espião do chato mor da temporada passada. Mas Ruzek não faz ideia do quão insignificante ele é se a política quiser mesmo derrubar e fazer ele de exemplo.

Antonio voltou, mas acho que cedo demais.

O rehab voltou, mas achei meio cedo demais. Antonio já chegou querendo dizer que iria falar, não deixar Ruzek levar a culpa mas não percebeu que era tarde demais. No momento em que Ruzek colocou a mão do morto em sua arma já era tarde demais. Burgess foi quem teve a melhor cena com o recém chegado. Ela não deixou o parceiro ficar com as pílulas que ele encontrou, ou seja, nossa Kim não confia nele ainda com seu vício. Eu estou com ela, não confio nele ainda.

Sobre o próximo episódio, eu já estou furiosa. É ou não o inferno astral? Kelton vai tentar derrubar Jay e eu quero que Voight de uma no meio da cara dele. Confiram a promo:

 

Caroline Marques

Caroline Marques

Engenheira de Alimentos, mestre em química de alimentos, um tanto quanto viciada em séries, filmes e livros. Fã de Hannibal, Dexter, Grey's Anatomy, Demolidor, Sherlock e Stranger Things. Reviewer de Chicago PD.

1 comment

Add yours
  1. Avatar
    Paulo 5 setembro, 2019 at 16:51 Responder

    Episódio excelente, prendeu do início ao fim. E a política de Chicago nunca dá trégua. Parabéns pelo review, é difícil achar conteúdo em português sobre a trilogia Chicago. Continue assim.

Post a new comment