Crítica: Um tenso caso de reféns no 13×19 de Criminal Minds

Imagem: CBS/Divulgação

Continua após as recomendações

O novo membro da equipe, Matt Simmons, foi o foco principal deste episódio. Pois sua esposa, Kristy, foi pega em uma situação de reféns no Conselho de Defesa Legal Americana (ALDC, sigla em inglês), onde recentemente começou a trabalhar.

Continua após a publicidade

Um grupo de jovens ligados a uma organização conhecida como os Cavaleiros eram responsáveis ​​por essa situação de reféns, com o líder, Josh, tentando se vingar do ALDC por ter prendido seu pai, Leonard. Os Cavaleiros foram rotulados como grupo de ódio por suas crenças e ações racistas e violentas, e Leonard, que também fazia parte do grupo, acabou no corredor da morte depois de atirar em alguns policiais que estavam invadindo sua propriedade.

Rossi teve que falar com Leonard para obter mais informações sobre o grupo e sua mensagem e motivos.

Ao longo do caminho, ele e o resto da equipe ficaram sabendo que Josh era o filho ilegítimo de Leonard. Acontece que Leonard teve um relacionamento com uma mulher mexicana que contrabandeara para o exterior, sendo essa mulher mãe de Josh. Os amigos de Josh, Dalton e Jasper, não ficaram felizes com esta notícia. E essa revelação levou ao seu pequeno desmoronamento, com Dalton e Jasper sendo mortos em um tiroteio, e Josh sendo levado sob custódia e enviado para o corredor da morte ao lado de seu pai.

O principal impulso deste episódio, no entanto, envolveu Kristy tentando salvar a si mesma e aos outros reféns. E Matt lutando entre a necessidade de trabalhar com a equipe no escritório do BAU e querer fugir para salvá-la. O último instinto acabou vencendo, com Matt sendo o único a pegar Josh. Mas Kristy certamente não era desleixada no departamento de ação, pois usava seu raciocínio rápido e conhecimento técnico para entrar em contato com a equipe e ajudá-los a acompanhar tudo o que estava acontecendo no escritório. Infelizmente, alguns dos reféns foram assassinados durante o impasse dos reféns (fora da tela, felizmente, mas ainda assim), mas graças às ações de Kristy, a maioria deles foi salva no final.

Talvez desnecessário…

Eu não tenho certeza se precisávamos esse tipo de episódio envolvendo Matt e sua esposa em sua primeira temporada no programa, mas considerando todas as coisas, a trama foi bem tratada em geral.

Eu também achei que o show teve um bom desempenho geral com a tensão de toda a situação dos reféns. Como no episódio “Killer App“, no início da temporada, era difícil de assistir às vezes, especialmente dadas as semelhanças com as tragédias do mundo real que estiveram nos noticiários nos últimos meses. E enquanto eu estou feliz que eles nos pouparam ter que ver pessoas sendo baleadas neste episódio.

Mas eu gostava da maneira como o programa aumentava a tensão nervosa a qualquer momento que Kristy tentava fazer uma pausa para chegar ao telefone, ou tentar voltar no tempo antes que qualquer um dos suspeitos a pegasse.

Também gostei das cenas de Rossi conversando com Leonard. A forma como ele lidou com as ameaças de Leonard e contra o governo foi um aceno sutil com a experiência de lidar com essas pessoas ao longo dos anos. Assim como a atitude dele em não tirar Leonard do corredor da morte, a ponto de se vangloriar da próxima execução. Rossi sempre foi a favor da pena de morte, então fazia sentido ele não querer comprometer essa postura dele de qualquer maneira aqui.

Eu gostaria que tivéssemos um pouco mais de equilíbrio entre as conversas de Rossi e Leonard e tudo o que estava acontecendo nos escritórios da ALDC. Em parte porque isso teria permitido uma interação mais boa e suculenta entre os dois.

Sobre os cavaleiros e sua história, acho que se encaixaria muito melhor se os motivos de Josh estivessem ligados à sua ideologia, em vez de alguma tentativa pessoal de ser aceito por seu pai. A ideia de um grupo como aquele que está indo em uma agitação, simplesmente porque eles querem espalhar uma ideologia assustadora, é muito mais arrepiante. Como é, apesar de todos os comentários de Josh, ele acabou sendo bastante patético no final.

Também poderia ter sido interessante vislumbrar Kristy no trabalho antes da crise dos reféns.

Fizeram uma breve menção do que ela fez lá, e sobre o trabalho em geral. Mas eu gostaria de ver ela e seus colegas de trabalho em ação, e ter uma noção real de tudo. Ajudaria a destacar melhor o quão equivocado Josh e seus amigos eram sobre os motivos e as posturas do ALDC, e nos ajudou a nos conectar um pouco mais com os outros colegas de trabalho também.

Apesar desses problemas, no geral, esse foi um bom episódio e um pequeno vislumbre da vida pessoal de Matt. Espero, no entanto, que em episódios futuros possamos conhecê-lo em um nível mais profundo.

No comments

Add yours