Crítica: A vida imita o crime no 13×20 de Criminal Minds

Imagem: CBS/Divulgação

Continua após as recomendações

Depois que duas pessoas morrem como resultado de um envenenamento bizarro que fez com que sangrassem até a morte, o CDC contata a BAU para ajudar a investigar a situação. Inicialmente, dado o fato de que uma das vítimas, Clayton, era um funcionário proeminente do governo. E o ataque parece similar a outros tipos de ataques bioquímicos, a equipe acredita que isso pode ser um ataque terrorista.

Continua após a publicidade

No entanto, à medida que continuam a trabalhar no caso, essa teoria parece cair rapidamente.

Um grupo de pessoas em um almoço local também é envenenado, e a equipe logo percebe que o suspeito está alvejando a comunidade empresarial na área, e tem um motivo muito mais pessoal em mente. Em última análise, é revelado que o suspeito era um homem chamado Mark e trabalhava com os pais em um restaurante local de longa duração. Tragicamente, no entanto, seus pais morreram e, com suas mortes, Mark lutou para manter o restaurante.

O restaurante acabou fechando. E quando Mark descobriu que uma das vítimas, Serena, havia aprovado um empréstimo para transformar o restaurante da família de Mark em um novo bufê, chamado “Good Eatin ‘Buffet”. Depois que Clayton escreveu uma crítica negativa do restaurante de sua família que se tornou viral, essa parecia ser a última gota. Como resultado, Mark sentiu que tinha que punir o público, sentindo que traíra a família seguindo em frente e encontrando novos lugares para comprar comida. Ele planejou um envenenamento semelhante no novo restaurante em seu dia de abertura também. Mas, felizmente, a equipe foi capaz de detê-lo antes que algo acontecesse.

Claro que na vida real há muitos casos assim. Então faz sentido que eles tenham casos semelhantes também na série. E eu não espero que eles estejam lidando com casos de terrorismo o tempo todo ou qualquer coisa desse tipo.

Mark tinha algum tipo de delírios de grandeza sobre como era grande o seu negócio… para onde ele queria derrubar alguém que ele via como uma ameaça.

Ou talvez ele estivesse fazendo truques sujos no passado para manter seu negócio à tona. Mas quando eles não funcionavam, ele recorria ao envenenamento para garantir que as pessoas não estivessem em seu caminho. Algo assim, que poderia ter sido um pouco fora da norma em termos de motivação. Parecia que a série estava tentando traçar um paralelo entre a incapacidade de Mark superar sua perda e a situação que Garcia estava passando neste episódio. Mas eu não sei se ele realmente se conectou tão bem quanto eles queriam.

Na nota de Garcia, no entanto, eu apreciei que eles não ligassem para ela constantemente durante o episódio para conseguir sua opinião, e conseguiram resolver o caso sem muita ajuda dela. Não só nos poupou de distrações desnecessárias durante a história de Garcia, mas também foi bom ver a equipe fazendo um pouco de trabalho por conta própria. Garcia é ágil e rápida para ajudar a todos quando necessário, sem contar suas habilidades tecnológicas (por mais irreais que possam ser às vezes). Porém, é bom o programa lembrar que suas habilidades sozinhas não podem resolver um caso.

Garcia foi para sua cidade natal, São Francisco, mas, infelizmente, não é por nenhum motivo divertido.

Aqueles que acompanharam a série ao longo dos anos sabem duas coisas principais sobre o passado de Garcia. Primeiro, ela tem um padrasto e meios-irmãos (o último dos quais tem sido difícil de definir com exatidão). E dois, seu padrasto e sua mãe foram mortos em um acidente de carro, quando Garcia tinha apenas dezoito anos de idade. Eles estavam procurando por ela quando ela saía tarde demais. E enquanto eles estavam fora, um motorista bêbado os matou. Garcia sentiu algum nível de culpa e responsabilidade pela morte de seus pais ao longo dos anos – se ela não tivesse saído naquela noite, eles não teriam que ir procurá-la. E assim, ela argumenta, eles ainda seriam vivos hoje.

Este episódio revela que já se passaram vinte anos desde aquela noite trágica. O homem que matou os pais de Garcia está no vigésimo ano de uma sentença de vinte e cinco anos de prisão pelo crime. Ele pode estar fora antes do esperado. Ele está atualmente em uma audiência de liberdade condicional. Até agora, Garcia não tinha assistido a nenhuma das audiências, deixando aquela tarefa desagradável para seu meio-irmão, Carlos. Sua culpa e raiva combinadas contra o homem que matou seus pais foi forte demais para ela encarar a situação de frente.

Desta vez, no entanto, sua opinião aparentemente mudou. Carlos conseguiu convencê-la a sair para apoiá-lo nesta audiência. Apesar da natureza dolorosa da visita, Garcia e Carlos conseguem ter uma boa reunião. Aparentemente já faz um tempo desde tudo aconteceu.

Mais tarde, Garcia recebe um telefonema de uma pessoa misteriosa, pedindo para falar com ela. Inicialmente ela recusa com raiva a oferta, mas logo cede e se encontra com a pessoa, que acaba sendo Collette. Ela é a irmã do motorista bêbado, Jesse. Ela revela que Jesse tem usado o dinheiro que ele fez na prisão para mandar flores para o túmulo dos pais de Garcia a cada ano, e enfatiza para Garcia o quão arrependido seu irmão está. Ela quer que Garcia fale com Jesse, para que ela possa ver isso também.

Mais uma vez, Garcia é contra a ideia no início, mas como parece ser o caso com ela neste episódio, ela muda de ideia e visita Jesse na prisão. Ele pede desculpas por incomodá-la com as flores e manifesta profundo pesar por suas ações na noite da morte de seus pais. Ela pode ver que seu remorso é verdadeiro, mas ela ainda está claramente zangada com ele pelo que aconteceu naquela noite, e deixa claro que ela votará para mantê-lo na cadeia.

Enquanto a história se desenrola, vemos flashbacks da noite do acidente em si. Garcia chega em casa para encontrar uma nota de seus pais, explicando para onde eles foram. A polícia chega à porta logo depois com as más notícias, e Garcia e Jesse vislumbram um ao outro naquela noite. Jesse tinha a mesma idade que Garcia quando cometeu o crime, o que de alguma forma torna a coisa toda ainda mais triste. Carlos, despertado por toda a comoção, desce para ver o que está acontecendo, e é nessa parte da história sabemos que Garcia nunca contou a ele, ou a qualquer um de seus irmãos, por que seus pais estavam fora naquela noite. Obviamente, ela estava com medo que eles a culpassem pelo acontecido.

Logo, o dia da audiência chega. Carlos está nervoso em dar sua declaração de vítima, então ele pede Garcia para fazê-lo em vez disso. Ele acha que talvez o papel dela como agente do FBI possa ajudar as palavras a ter mais peso, já que é seu trabalho manter e respeitar a lei. Garcia começa a ler as palavras de Carlos como planejado, e essa audição parece que vai acontecer do jeito que todo mundo tem até agora.

Até que Garcia muda de ideia na metade do depoimento. Ela apoia as palavras e sentimentos de Carlos, mas ela também quer se livrar de toda a culpa e raiva que ela carrega por todos esses anos. Ela viu o que acontece com as pessoas que se apegam a essa culpa e raiva através de seu trabalho. E também viu o que o poder do perdão pode fazer. É da natureza de Garcia perdoar e acreditar em mudança e redenção, e ela sente que deve viver de acordo com esses ideais aqui.

Collette e Jesse estão surpresos com as palavras de Garcia, mas também comovidas. Carlos também está surpreso, mas na direção oposta. Ele está com tanta raiva que ele foge da audiência, e quando Garcia tenta explicar sua decisão a ele depois, ele se recusa a ouvi-la. Garcia também confessa a história completa por trás de por que seus pais saíram na noite em que morreram, como uma tentativa de explicar melhor seus sentimentos, mas isso só incomoda mais Carlos. Ele não suporta olhar para ela e sai sem mais palavras.

No final do episódio, Garcia vai até a sepultura de seus pais e conversa com eles por um tempo, discutindo a recente audiência, as esperanças de que ela possa consertar as coisas com Carlos e Jesse podem fazer o certo com sua vida daqui para frente, e seus chorosos arrependimentos pela dor e distância dos últimos vinte anos.

Por mais que eu tenha compreendido e simpatizado com a postura final de Garcia na audiência, poderia ter ajudado se ela a falasse com Carlos sobre sua decisão primeiro. É verdade, uma vez que ele pediu a ela para falar, ele deveria ter preparado para a possibilidade, não importa quão pequena, que ela pudesse mudar de ideia. Mas eu também entendo sua raiva por Garcia ter provocado aquela mudança nele do nada, e trair suas palavras para injetar seus próprios pontos de vista. Porém eu posso ver que há uma fenda por um tempo também.

Apesar dessas questões, foi um bom episódio.

Sempre é bom explorar esses aspectos do passado dos personagens com mais detalhes, e espero que possamos ver Carlos novamente um dia, assim como o resto de seus irmãos, e sob circunstâncias muito mais felizes.

No comments

Add yours