Crônicas de San Francisco, série da Netflix, é baseada em história real? Entenda

Saiba mais sobre a história de Crônicas de San Francisco

A Netflix está revivendo a clássica história de Tales of the City (Crônicas de San Francisco) para mais uma adaptação. Entretanto, os espectadores não familiarizados com seu material de origem podem estar se perguntando se a trama é baseada em uma história real. Por isso, o Mix de Séries resolveu trazer para você a verdadeira inspiração para a mais nova série da gigante do streaming.

Continua após a publicidade

Crônicas de San Francisco tem um longo legado, mas ele é estritamente baseado em uma história de ficção. Ela é baseada no que começou como uma coluna de jornal. As publicações eram semanais no Condado de Marin, pelo The Pacific Sun, em 1974, de acordo com o New York Times. Escrita por Armistead Maupin, a coluna mudou-se para o San Francisco Chronicle dois anos depois. Depois, em 1978, as histórias foram compiladas no primeiro romance de Maupin, intitulado Tales of the City.

Mais oito romances se seguiram, com o mais recente publicado em 2014. Todos eles abordam a vida dos moradores fictícios do 28 Barbary Lane. O local é um complexo de apartamentos em San Francisco carinhosamente administrado por sua proprietária transexual, Anna Madrigal. Anteriormente uma pensão, Barbary Lane agora serve de base para um grupo desorganizado de vizinhos. Muitos deles são “esquisitos”, mas se consideram uma família.

Revival

As histórias da série da Netflix originalmente se passam no final dos anos 1970, sendo uma espécie de continuação da série que já foi produzida em 1993, pelo Channel 4/PBS. Mas, essa adaptação avança no tempo para a comemoração dos 90 anos da Sra. Madrigal.

Tanto Laura Linney quanto Olympia Dukakis reprisam seus papéis da série original, interpretando Mary Ann Singleton e Mrs. Madrigal, respectivamente. O revival da Netflix se inicia com Mary Ann voltando a San Francisco pela primeira vez em duas décadas para participar da festa de aniversário de Mrs. Madrigal.

Depois que a PBS cancelou abruptamente a minissérie de 1994, a Showtime juntou-se ao Channel 4 para adaptar dois dos romances como sequência. Assim, ela conseguiu trazer grande parte do elenco original. More Tales of the City, foi uma série limitada de seis episódios, em 1998. Enquanto isso, Further Tales of the City foi ao ar em 2001. A minissérie da PBS foi indicada para dois prêmios Emmy, enquanto More Tales conseguiu cinco prêmios Emmy. Já Further Tales ganhou mais uma indicação.

A série original também atraiu reações conservadoras por sua representação gráfica e, na época, inédita de relações sexuais gays. Afiliados locais da PBS no Tennessee e na Geórgia até se recusaram a transmitir a série, de acordo com a Entertainment Weekly. Um clima cultural muito diferente provavelmente significará uma recepção mais calorosa para o Tales of the City, da Netflix. Mas a série original é muito ignorada e ainda vale a pena conferir.

O revival de Tales of the City, intitulado no Brasil como Crônicas de San Francisco, está disponível na Netflix.

Leia também: Crítica – Crônicas de San Francisco é charmosa… mas pouco emociona

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.

No comments

Add yours