Crossover épico de Law & Order SVU com Organized Crime vale cada segundo

Em mais um crossover épico de SVU com Organized Crime vale cada segundo. Não perca em hipótese alguma.

Review Law & Order SVU
Imagem: NBC / Divulgação
Continua após publicidade

Esta não é uma análise padrão. Comentaremos aqui os erros (e principalmente) os acertos do mega crossover entre Law & Order SVU e Organized Crime que a NBC exibiu em 09 de dezembro nos Estados Unidos. Sendo assim, não estranhe quando falar de ambas ao mesmo tempo. Bem porque, acredito que a produção foi contínua, gravada de uma vez só. Não há, portanto, razão para publicar uma avaliação separada.

Continua após publicidade

Anúncios paroquiais feitos, a pergunta que se impõe é: será que essas duas horas valem o seu tempo e atenção? A resposta é sim. Estes sejam, talvez, os melhores episódios que ambas as temporadas já produziram.

Tanto em People vs. Richard Wheatley quanto em The Christmas Episode temos o fechamento de boa parte das narrativas que ainda precisavam de uma conclusão. Uma delas foi o julgamento de Richard Wheatley (Dylan McDermott) pelo atentado que culminou na morte de Kathy Stabler (Isabel Gillies). Além disso, o roteiro também propõe uma resolução, ou algo próximo disso, no que se refere ao abuso de analgésicos de Elliot Stabler Jr. (Nicky Torchia). Será que o personagem morre e aprofunda os problemas psicológicos do pai, Elliot Stabler (Chris Meloni)?

Continua após publicidade
Continua após publicidade
Law & Order SVU Crossover
Imagem: Virginia Sherwood / NBC

“Aulas, cria”

O episódio de Law & Order SVU propôs uma aula de direito americano que não tínhamos há muito tempo. Diria até há anos. Conclamo o roteiro pela inteligência, altivez, postura e valentia em trazer um episódio focado quase que exclusivamente no julgamento de Richard Wheatley. Foi um deleite e uma alegria para um bacharel em direito, como este que vos fala, ter a oportunidade de acompanhar os embates, os argumentos, assim como as reviravoltas e (a inevitável) manipulação do júri. Mérito também para direção.

Michael Smith, o diretor, é um especialista nessas sequências. Já surpreendera em Suits, How To Get Away with Murder, Bull e assim como tantos outros. É preciso acompanhá-lo com mais atenção. Até porque não há tantos profissionais na TV aberta com essa qualidade.

Continua após publicidade

Minha única consideração negativa em relação ao episódio é a produção não ter escalado um artista mais suntuoso para interpretar o juiz que comandava aquele tribunal. Rocco Sisto, o juiz Ellery, é um ótimo ator. Contudo, é preciso saber o momento certo de investir e economizar.

Continua após publicidade
The Christmas Episode, Organized Crime
Imagem: Virginia Sherwood / NBC

Explorar é preciso em Law & Order SVU

No que se refere ao episódio apresentado por Organized Crime, The Christmas Episode, acredito que a série fez o melhor que pode em relação aos problemas de Stabler Jr.. Abuso de analgésicos e/ou opioides é um tema complexo. Diria que tenso demais para um drama de TV aberta. Caso queiram algo mais profundo e denso, recomendo Dopesick, já disponível na Star+.

Continua após publicidade

Sendo assim, a abordagem, por mais superficial que seja, foi um acerto. Promover as discussões é importante. Levar a pauta para os lares ao redor dos Estados Unidos, que muitos chegam só as emissoras de massa, é prestação de serviço público.

Continua após publicidade

Contudo, acredito que explorar é preciso. Sumir com o personagem e inventar que ele está “em tratamento” é uma solução preguiçosa e contraproducente. Colocá-lo em evidência e ir afundo é importante. Da mesma forma que precisa ser feito com o Alzheimer de Bernadette Stabler (Ellen Burstyn).

Continua após publicidade

Qual razão de romantizar questões complicadas e desafiadoras? Nenhuma além de confirmar a falta de firmeza do roteiro em investir nessa frente. Espero que isso não se confirme quando Organized Crime voltar em 2022. Até lá!