Desaparecido Para Sempre: apesar do sucesso, série na Netflix é fraca | Crítica

Adaptação da obra de Harlan Coben, Desaparecido Para Sempre é uma decepção para os fãs do livro

Desaparecidos Para Sempre
Imagem: Divulgação.

A popularidade do autor “mestre das noites em claro” segue em alta na Netflix. Depois do recente sucesso da produção espanhola “O Inocente”, mais uma obra ganha adaptação, desta vez, com produção francesa. Desaparecido Para Sempre conta a história de Guillaume, um assistente social com o passado marcado por uma tragédia e que, após o falecimento da mãe, descobre que seu irmão, dado como morto há uma década, está vivo. Tudo isso, enquanto sua namorada desaparece misteriosamente.

Continua após publicidade

Como de costume, a história é um grande quebra-cabeças. À medida que a trama se desenvolve, conexões entre os personagens vão sendo reveladas. Claro, enquanto teorias surgem. O problema, no entanto, é que o roteiro não acerta o tom de mistério que a história pede. Discutindo temas como nazismo, prostituição, bem como tráfico de drogas, violência doméstica, segredos e traumas, a minissérie tenta equilibrar tudo isso em uma trama de investigação em busca da verdade.

Continua após a publicidade
Desaparecido para Sempre série
Imagem: Divulgação.

Uma trama boa, mas que poderia ter sido melhor aproveitada

Desaparecido Para Sempre não possui uma narrativa linear. E isso é algo que já se tornou recorrente nas produções de suspense da Netflix. Porém, é um recurso que já mostra sinais de desgaste.

Continua após publicidade

A produção francesa parece se apoiar neste modo e o utiliza em exaustão. Em certos momentos, fica difícil saber quem ou que linha do tempo estamos acompanhando. Além disso, a produção falha na caracterização e maquiagem do elenco. Tornando mais confusas as linhas narrativas. Sem mudanças físicas, parece que o tempo não passa para os personagens.

O roteiro não acerta na construção de um mistério envolvente e instigante. Uma pena, pois o livro o qual a produção é baseada é um thriller de tirar o fôlego. No entanto, a transição para a tela desperdiça seu potencial. As cenas de luta são forçadas, sem um pingo de realismo. A atuação no geral é mediana, e o ator Finnegan Oldfield (Guillaume) não consegue carregar o peso do protagonismo. Mas percebemos que ele fez o seu melhor com um roteiro que às vezes não ajuda.

Continua após publicidade
Imagem: Divulgação.

Apesar de cada episódio focar em um personagem principal diferente, não há o devido desenvolvimento. Nas tramas de Harlan Coben acontece muita coisa ao mesmo tempo, e o excesso de flashbacks pode desviar a atenção do que realmente importa, quebrando o ritmo fluido de uma trama de mistério. Alguns personagens cheios de potencial são descartados com facilidade. Em grande parte, a direção se torna a grande responsável pelo resultado final da produção.

Considerações finais sobre Desaparecido Para Sempre

A trama possui dois mistérios. O desaparecimento de Judith, atual namorada de Guillaume, e o que de fato aconteceu 10 anos atrás na noite em que Fred e Sonia (ex de Guillaume) morrem. Mas o foco permanece apenas no desaparecimento de Judith. E isso faz a minissérie muito parecida com “O Inocente“. Trazendo elementos comuns do autor, a montagem se aproxima muito de outras produções de suspense. Assim, a minissérie funciona muito mais como um drama do que um mistério.

Em cinco episódios de aproximadamente 50 minutos, a produção teria tempo suficiente de explorar todos os mistérios de seus personagens e conduzir o espectador em uma jornada investigativa muito mais interessante. No entanto, toma outro caminho. E isso acaba comprometendo seu resultado. Com algumas reviravoltas e poucos momentos de destaque, a revelação final não gera impacto. Como fã das obras de Harlan Coben, finalizei a maratona com gosto agridoce.

Por fim, Desaparecido Para Sempre é um suspense arrastado e desinteressante. Para os fãs da obra original, essa adaptação se revela decepcionante. Para os fãs de mistério, a minissérie é apenas mais do mesmo.

Nota: 2.5/5

Em cinco episódios de aproximadamente 50 minutos, a produção teria tempo suficiente de explorar todos os mistérios de seus personagens e conduzir o espectador em uma jornada investigativa muito mais interessante. No entanto, toma outro caminho, o que acaba comprometendo seu resultado. Como fã das obras de Harlan Coben, finalizei a maratona com gosto agridoce. Por fim, Desaparecido Para Sempre é m suspense arrastado e desinteressante. Para os fãs da obra original essa adaptação se revela decepcionante. Para os fãs de mistério, a minissérie é apenas mais uma produção regular recheada de flashbacks.

Bacharel em Direito, fascinado pelo universo dos heróis e um viciado por séries e filmes. Um escritor a procura do meu espaço. Amante dos livros e da boa música. Adoro realitys. A série da minha vida , The OC. No Mix, sou responsável pelos textos de algumas séries como, Blindspot , Ozark, La Casa de Papel entre outras. Quando não estou no cinema ou maratonando uma série estou me aventurando na cozinha.