Designated Survivor – 1×17 – The Ninth Seat

Imagem: The AV Club

Continua após as recomendações

Nos comentários do episódio anterior, disse que discutiríamos a possibilidade do Senador Jack Bowman ser uma versão mais bonita de Mitch McConnell, atual líder da maioria no Senado americano da vida real. Levantei essa possibilidade em razão do promo de The Ninth Seat que mostrava que Designated Survivor traria a proposta de falar sobre uma complicada tarefa do Presidente em apontar juízes para a Suprema Corte.

Continua após a publicidade

Imagem: Tell Tale TV

O republicano da vida real, para quem não acompanhou o noticiário, negou até mesmo uma audiência para o escolhido do Presidente Obama, por acreditar que durante uma eleitoral não seria prudente confirmar ninguém, mesmo que o apontamento tenha sido feito em março de 2016 e a Constituição atribui ao Chefe do Executivo tais funções. O até roteiro usou afirmações parecidas de McConnell para construir o desafio imposto por Bowman.

Levado mais para à direita do espectro político, ainda não entendi o função do Senador de Montana no Partido Republicano. Ele claramente não é o líder da maioria, mas dá as cartas como se fosse. Confesso que isso está bastante confuso, principalmente quando observamos o outro lado que traz a Senadora Diana Harris, interpretada com muita qualidade por Kearran Giovanni como a líder da minoria interpretada. É apenas um detalhe, é verdade, mas pode ser que num futuro esses detalhes venham a complicar.

O maior espaço concedido ao jornalista Abe Leonard, interpretado por um mediano Rob Morrow, também fez com que as conspirações voltassem a ganhar mais espaço, o que não é nada bom pelo simples fato de não trazer algo novo, como vemos na trama liderada por Maggie Q, mas sim uma narrativa requentada que servirá para produzir mais tensão política na frágil administração do Presidente Kirkman. A impressão é que a ABC chamou alguns redatores do Breibart News, InfoWars e Drudge Report para fazer uma consultoria.

Não acredito que o roteiro desenvolveu bem essa ideia da Suprema Corte. Uma narrativa fértil e suculenta foi finalizada precipitadamente com o uso de um artifício muito simples e rápido, sei que não há como usar dois ou três episódios para trabalhar uma história que os telespectadores americanos assistiram nos telejornais, mas lembro aos leitores que, segundo a NBC News, “Suprema Corte” foi o “problema” mais importante dos eleitores em 2016 ao escolherem Donald Trump como seu candidato, bem a frente de economia, emprego ou credenciais para o cargo.

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours