Dirk Gently, um detetive holístico para uma nova ficção

Imagem: BBC America/Divulgação

Imagem: BBC America/Divulgação

Continua após as recomendações

 

Sempre imersas numa aura de soturnidade e mistério, as histórias policiais estabeleceram-se como um gênero marcante, rápido e cheio de figuras inusitadas, detetives icônicos e vilões grandiosos. E, como se em resposta, ou melhor, evolução do formato, Douglas Adams envolveu, em suas cores irônicas e ilógicas, um detetive que desafia aquilo que já vimos antes.

Continua após a publicidade

Chegando mais uma vez a TV, Dirk Gently ganha forma numa parceira entre a BBC America e a Netflix, e sob o comando de Max Landis, a série chegou às telinhas combinando bom-humor – que lembra os desenhos animados – e delicadeza, enquanto narra rapidamente, nos envolvendo nos vários níveis da trama e nos fazendo desvendar/deduzir os mistérios a cada episódio que se desenrola.

Na verdade, a sensação de desarranjo – não só por causa do elemento da viagem no tempo, mas pela maneira com que as histórias nos são apresentadas – que nos instiga a deduzir, a tentar fazer sentido do mistério da temporada (e de cada um dos outros mistérios que o compõe) é que prende o expectador à série. Depois da boa dose de bizarro cartunesco e humorístico, é impossível não querer resolver os mistérios que envolvem Lydia e Patrick Spring, Farah Black, os Rowdy 3 e Amanda Brotzman – para mencionar só alguns.

Dando vida a um personagem que Douglas Adams criou na década de oitenta – uma década marcada por grandes clássicos da ficção, como Tron (1980), Alien (1980), Predador (1987), A Mosca (1986), Blade Runner (1982), Mad Max 3: Para Além da Cúpula do Trovão (1985) e até Star Trek: The Wrath of Khan (1982) e de O Império Contra-Ataca (1980) – enquanto ele ainda escrevia episódios de Doctor Who e sendo definido pelo próprio Adams como “Um colossal épico cômico musical romântico policial de horror sobre viagens no tempo, fantasmas e detetives”, Dirk Gently é um exemplo do potencial que a TV e o streaming têm para produzir e recriar uma ficção científica que se aventure por terrenos de uma nostalgia oitentista que se mistura exitosamente com cor, humor e uma loucura organizada, com doses de punk rock e viagem no tempo.

A série é protagonizada por Samuel Barnett, que faz um Dirk Gently cuja maior qualidade – além de irritar as pessoas – é se meter em encrencas e nos lembrar que os arranjos do universo são muito menos “ao acaso” do que acreditamos, e Elijah Wood, responsável por ser a voz do telespectador (ou, pelo menos, por parecer tão confuso, revoltado e curioso quanto nós seriamos em situação similar) enquanto faz de Todd Brotzman, um aliado improvável para o detetive e nossa jornada a esse mundo surreal.

Imagem: BBC America/Divulgação

Imagem: BBC America/Divulgação

Contudo, os coadjuvantes roubam a cena; Bartine “Bart” Curlish (Fiona Dourif) e Ken (Mpho Koaho) vivem uma combinação de síndrome de Estocolmo e leap of faith (da parte dele), enquanto se emergem numa carnificina classe A, e a trama estrelada Hannah Marks (que vive Amanda Brotzman, irmã de Todd), Martin (Michael Eklund), Vogel (Osric Chau), Gripps (Viv Leacock) e Cross (Zak Santiago), os quatro Rowdy 3, promete desenvolvimentos intrigantes (e muito rock) no já confirmado segundo ano da série.

No geral, embora a série demande certa suspensão de descrença e uma ou duas doses de paciência em seus primeiros momentos, ela também consegue nos envolver de maneira rápida e sutil, e é muito fácil só perceber que se maratonou a série depois de ter visto os oito episódios da primeira temporada. A estrutura peculiar acaba tomando conta do espectador e a série acaba sendo sobre múltiplos outros problemas – muito mais do que aquilo que se espera da proposta inicial – deixando um gosto de “quero mais” que dispensa explicações, garantindo a série um espaço reservado entre os sucessos da cultura pop da atualidade, como um exemplo de uma ficção produzida para agradar, mas que não se descarateriza por isso.

Nenhum comentário

Adicione o seu