Ed Westick, ator de Gossip Girl, é acusado de estupro

Imagem: CW

Continua após as recomendações

 

Desde que Hollywood se viu balançada há pouco mais de um mês com as acusações de agressões sexuais contra o magnata da mídia, Harvey Weinstein, as mulheres vem apresentando suas próprias histórias sobre maus tratos, assédio e estupro. Desde então, histórias como a de Kevin Spacey que foi acusado de assédio sexual por várias pessoas vieram à tona.

Continua após a publicidade

Nesta segunda-feira, a atriz Kristina Cohen, alegou em uma publicação no Facebook que foi estuprada por Ed Westwick, o Chuck de Gossip Girl.

“Ele me segurou e me estuprou”, disse Cohen sobre o suposto incidente ocorrido há três anos no apartamento de Westwick.

Cohen, de 27 anos, apareceu em mais de uma dúzia de filmes e episódios de TV, desempenhando papéis menores que datam de 2009, de acordo com a IMDb. Ela é a primeira pessoa a acusar publicamente Westwick de agressão sexual ou assédio.

Westwick, o ator britânico de 30 anos, é mais conhecido por seu papel como Chuck Bass em Gossip Girl e atualmente está estrelando a série de televisão da BBC, Two White Gold.

Representantes de Cohen e Westwick não responderam os contatos do BuzzFeed News, que foi quem publicou primeiramente a história na imprensa.

Em uma publicação detalhada no Facebook, Cohen disse que no último mês ela lutou com a questão de compartilhar sua história de agressão sexual e decidiu se manifestar para superar sua culpa e ajudar outros a fazerem o mesmo.

Cohen disse que o suposto estupro ocorreu enquanto ela estava visitando Westwick com seu então namorado, que não é nomeado, mas conhecido como produtor. Ela lembrou-se de sentir-se desconfortável e cansada e queria sair quando Westwick sugeriu que “todos deveríamos transar“. Em vez disso, Westwick e “o produtor” a convenceu de tirar uma soneca.

Então eu fui e deitei na sala de visitas onde acabei por adormecer”, disse Cohen. “Eu fui acordada abruptamente por Ed em cima de mim […]“.

Eu disse a ele para parar, mas ele era forte“, ela continuou. “Eu lutei com ele o máximo que pude, mas ele agarrou meu rosto nas mãos, me sacudindo […]. Eu estava paralisada, aterrorizada. Eu não podia falar, eu não podia mais me mover. Ele segurou eu fiquei parada e estuprou-me“.

Cohen disse que o “pesadelo” continuou quando “o produtor” culpou-a, dizendo que ela era uma participante ativa, e pressionou-a a não falar ou então arruinaria sua carreira.

Espero que o meu relato envie ajuda a outros a saber que eles não estão sozinhos, que não são culpados, e não é culpa deles“, disse ela.

Confira o relato na íntegra. Avisamos que há passagens fortes.

O último mês foi incrivelmente difícil. Como tantas mulheres, eu também tenho uma história de agressão sexual, e o derramamento de histórias tem sido desencadeante e emocionalmente exaustivo. Eu andei de um lado para outro uma e outra vez, sem saber se eu deveria falar. Se eu podia falar. E se assim for, eu vou ser ouvida?

Fui estuprada há três anos. Foi um momento sombrio na minha vida. Minha mãe estava morrendo de câncer e eu não tinha o sistema de apoio ou tempo para processar e lidar com as conseqüências da violação. Eu enterrei minha dor e culpa para abrir espaço para o ataque que veio após a morte da minha mãe, apenas três meses depois.

Mesmo agora, lido com sentimentos de culpa. Implacável preocupação de que, de alguma forma, eu tinha a culpa. Não sei de onde esses sentimentos provêm. Condicionamento social de que tudo é sempre culpa da mulher? Que a incapacidade de um homem para se manter fora de nossos corpos é de alguma forma por nós, não ele?

Eu cresci consideravelmente nos três anos desde o meu estupro, então revisitar é doloroso. Para cavar e reviver esta noite para compartilhar com precisão os eventos, parece uma violação contínua. Meu estômago está em nó, com medo de compartilhar isso publicamente, pois até mesmo me reconciliar completamente foi um processo difícil.

Eu estava namorando um produtor que era amigo do ator Ed Westwick. Foi esse produtor que me trouxe para a casa de Ed, onde conheci o Ed pela primeira vez. Eu queria sair quando Ed sugeriu “nós devemos todos foder”. Mas o produtor não queria que Ed se sentisse estranho e deixado. Ed insistiu em ficar no jantar. Eu disse que estava cansado e queria sair, tentando sair do que já era uma situação desconfortável. Ed sugeriu que eu tirasse um cochilo no quarto de hóspedes. O produtor disse que ficaríamos por apenas mais 20 minutos para suavizar tudo, e então poderíamos sair.

Então eu fui e deitei na sala de visitas onde acabei por adormecer, fui acordada abruptamente por Ed em cima de mim, seus dedos entrando em meu corpo. Eu disse a ele para parar, mas ele era forte. Eu lutei com ele o máximo que pude, mas ele agarrou meu rosto em suas mãos, me sacudindo, me dizendo que ele queria me foder. Fiquei paralisada, aterrorizada. Eu não podia falar, não podia mais me mudar. Ele me segurou e me estuprou.

Foi um pesadelo, e os dias seguintes não foram melhores.

O produtor colocou a culpa em mim, dizendo-me que eu era uma participante ativa. Dizendo-me que não posso dizer nada porque Ed terá pessoas que viriam atrás de mim, me destruir e que eu poderia esquecer uma carreira de atriz. Dizendo que não há modos de dizer que Ed “me estuprou” e que eu não quero ser “aquela garota”.

E por muito tempo, eu acreditei nele. Eu não queria ser “aquela garota”.

Agora percebo as maneiras pelas quais esses homens no poder se prestam às mulheres e como essa tática é usada com tanta frequência em nossa indústria e certamente em muitas outras.

Estou enjoada por ver homens como Ed respeitados de forma tão pública. Entrevistado por plataformas de prestígio, como a Oxford Union Society na Oxford University, onde foi homenageado como uma das “pessoas que formam nosso mundo”. Como isso acaba? Homens como Ed usam fama e poder para estuprar e intimidar, mas depois continuam pelo mundo, conquistando elogios.

Espero que o meu relato envie ajuda a outros a saber que eles não estão sozinhos, que não são culpados, e não é culpa dele. Assim como as outras mulheres e homens que me ajudaram a perceber o mesmo. Espero que minhas histórias e as histórias de outros ajudem a redefinir e realinhar os ambientes tóxicos e desequilíbrios de poder que criaram esses monstros.

The last month has been incredibly difficult. Like so many women I too have a story of sexual assault, and the…

Posted by Kristina Cohen on Monday, November 6, 2017

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Criador, editor e redator do site Mix de Séries, é apaixonado por séries desde sempre. Fã incondicional de One Tree Hill, ER, Friends, e não perde um episódio da Franquia Chicago.

No comments

Add yours