Exibição de The Good Doctor prova que brasileiros querem consumir mais séries

Imagem: Divulgação/ABC

Série foi transmitida em formato de filme nesta segunda (27) na Tela Quente…

Nessa semana, a Tela Quente da Rede Globo exibiu um “filme” bem diferente. Na verdade, a atração nem era um filme, mas sim uma série.

The Good Doctor arrebentou a boca do balão e cravou 30 pontos de audiência, algo que a sessão de filmes semanal da emissora carioca não via desde 2012. Foi a maior audiência, nas segundas, em seis anos. O compacto dos dois primeiros episódios, totalizando pouco mais de 1h20, rendeu também nas redes sociais, com o assunto ficando em primeiro lugar no Twitter.

Tal exibição vem para provar uma coisa: o brasileiro está apto e com sede de consumir séries de TV.

Continua após a publicidade

Os mais velhos vão se lembrar que as séries, outrora, eram atrações prestigiadas nos canais abertos brasileiros. Ganhavam exibição em horário nobre e tudo. Globo, SBT, Band, Record… Todas elas tinham suas atrações e seu público.

De um tempo para cá, a TV vem perdendo um pouco de brilho. Com atrações beirando a mesmice, o público quer mesmo é consumir o que estar na internet. A Netflix é prova viva disso. Todo mundo vive fazendo a pergunta “Tem na Netflix?”. Porque o brasileiro está se acostumando em chegar em casa cansado do trabalho, sentar para descansar e ir direto… assistir uma série de TV.

Claro, a praticidade do streaming tá aí, para ver onde e quando quiser. Mas existe um porém: nem tudo está disponível no streaming. A própria Good Doctor, não é uma atração da Netflix – veio direto para o Globoplay, concorrente direto da gigante.

Mas certamente, The Good Doctor não terá a mesma audiência – nem o alcance, que ela teve com a exibição na maior emissora do país. Então, diante desse cenário, me paro para perguntar: porque as emissoras não passam a investir mais neste tipo de conteúdo?

Continua após a publicidade

Seria muito interessante ver as faixas de séries de TV ganhando notoriedade nos canais abertos. E, principalmente, com conteúdos que não estão disponíveis facilmente nos streaming. Existem centenas de séries, exibidas nos Estados Unidos, que não chegam aqui ou que demoram para chegar.

A praticidade de poucos episódios por temporada, que poderiam ser exibidos duplamente, de forma semanal, iria agradar um grande público, com toda certeza.

Com um bom investimento e uma boa propaganda, o resultado na audiência é certo. Foi assim com The Good Doctor. A chamada da série, que teve exibição especial, contribuiu para o sucesso. “Uma história isnpiradora”, dizia ela.

O SBT já começou um movimento: exibiu a série Arrow, por exemplo, em formato de maratona – 4 episódios seguidos, mas em um péssimo horário (sábado, depois das 23h).

Talvez, essa exibição de The Good Doctor faça alguns dos “chefões” dessas emissoras acordarem. Estamos na era das séries de TV, e defendo que não existe um melhor tipo de entretenimento do que esse. Quem sabe assim, a televisão brasileira saia do marasmo.

Leia mais: Saiba tudo sobre The Good Doctor, a série do médico autista exibida pela Globo

Share this post

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.