Extant 1×07/08 – More in Heaven and Earth/Incursion

extant 08

 

Extant trouxe um episódio dupla mega tenso e cheio de reviravoltas. Precisava ser duplo? Não precisava. Mas valeu a pena ver.

Molly está cada vez mais “ozada”, e não para de bisbilhotar em apenas tudo, e está levando Sam junto. Elas pesquisam os arquivos da Aruna, onde Katie morreu, e chegam ao nome de Derek Pearce. Antigo executivo da ISEA que comprou um apartamento de luxo com apenas um dólar, UM DÓLAR. Molly tenta descobrir como isso aconteceu e chega no nome de uma empresa fantasma, Indústrias Claypon. Mas antes de Derek contar mais para Molly, ele se “joga” da cobertura. O e-mail poderoso hein Molly!

Continua após a publicidade

Já Gordon, que no episódio passado se mostrou mais humano, teve ainda mais destaque agora. Harmon estava amarrado no porão, e ouviu uma conversa de Gordon com sua mãe, onde eles conversavam sobre o falecido pai dele que olha que louco, conversava com Deus. Harmon se toca na hora que nessa história não tem Deus coisa nenhuma, e sim mais uma entidade alienígena bizarra, e claro, que o interesse de Gordon com a ISEA é bem maior que o vínculo empregatício. Com isso ele sua ajuda para o chefe de segurança.

Com o conhecimento cada vez mais acelerado, Ethan agora fala japonês fluentemente, o menino está on fire mesmo! John começou a ficar com medo das possibilidades de Ethan. Enquanto Yasumoto vê uma nova chance de imortalidade (afinal ele foi congelado e tem pouco tempo de vida).

John e Srta. Dodd dessa vez estão do mesmo lado, pensando naquela velha máxima da sobrevivência do mais forte, mais evoluído. Realmente acho que agora estou com Molly, que mais centrada resolve “deixar acontecer” do que prever desastres ou soluções como a continuação da vida humana a partir de um humanoide.

Mas sei lá gente, Ethan acordou no meio da noite, como assim? E aprendeu a andar de bicicleta em 1 segundo, como assim [2]? Ethan virou humano, Julie tem razão. Aliás, é um super humano, mas até onde ele vai?

E Odin hein? Eu sabia que esse cara escondia alguma coisa.Ele quer começar uma revolução contra as máquinas, contra tecnologia. E claro, Ethan é o alvo principal. E Miss Dodd está junto nessa. Certeza que por essa Yasumoto não esperava.

Finalmente começamos a descobrir algumas coisas, Claypon comprou Pearce com um apartamento, e a Aruna era uma missão de mineração. O que deixa Yasumoto vivo é uma substância alienígena, que foi aquilo que a Aruna e a Claypon pesquisavam no espaço. Mas ambicioso como só ele é, agora ficou interessado na coisa mais valiosa que ele achou, a “cria”. Ou seja, a busca de Yasumoto custou a vida de Katie, quando Sparks vai se rebelar?

Yasumoto tem aquela coisa de não achar que as coisas são coincidência, por ter encontrado a entidade no mesmo local onde encontraram a substância. Mas quem é fã de ficção científica sabe que ele pode estar bem enganado (como está com Miss Dodd). Afinal de boa, a tal entidade não tem nada.

Mas a melhor parte do episódio estava por vir, a junção entre Molly, Gordon e Harmon, cada um motivado por uma coisa. o que mais motiva Molly é o instinto de mãe, já que ela pensa que aquilo é realmente seu filho; Gordon quer saber o que aconteceu com seu pai; e Harmon quer destruir aquilo, e estou do lado dele. “Ele não é o menino Jesus”, no fim o que parecia mais louco é o mais sensato, tratando aquilo como uma ameaça.

John realmente acredita no pessoal do conselho, inocente. só acho uma coisa engraçada nisso tudo, será que John e Molly esqueceram que Yasumoto é o chefe de Sparks? Que ele pode ser responsável por isso tudo?

Molly, Gordon e Harmon invadem o prédio para buscar a cria, mas o problema é que já tá todo mundo lá. Mas toda a expectativa de levar a cria embora foi abortada porque a incubadora vazou, a cria gerou um tiroteio, e tudo ficou louco de repente.

Acho interessante como todos nessa série são presas fáceis pelo lado emocional, todos estão iludidos com a “cria”, Sparks achando que é um milagre ver Katie, Molly querendo seu “filho”, Gordon querendo seu pai…

Um episódio tenso, que nos deixou aflitos para o próximo. E essa série tá boa hein?

 

Letícia Bastos

Letícia Bastos

Publicitária, social media, mangaká e dançarina em protestos. Também sou apaixonada por séries e admito que novelas são meu Guilty Pleasure. Apaixonada por comédias cult/pop/nerd, ainda pretendo fundar uma seita para os Adoradores de Arrested Development. Aqui no Mix sou editora de Realitys Show e escrevo as reviews de todos os realitys do mundo, como Masterchef BR, The X Factor UK e BR, The Voice US, AUS e BR, BBB e RuPauls Drag Race.

No comments

Add yours