Extant 1×13 – Ascension (Season Finale)

extant-13

Continua após as recomendações

Ei vamos confessar? Que episódio final delicioso!

Com jeitinho de filme – assim como o piloto – Extant encerra sua temporada beirando a excelência. Certo que ocorreram deslizes nesse meio tempo, e parece que mesmo uma temporada tão curta de apenas 13 episódios, não conseguiu fugir da clássica barriga. Mas tirando isso, que durou de 2 a 3 episódios, a série de Halle Berry teve um fechamento digno, tenso, surpreendente e incrível, e como fã da série, fiquei feliz.

Continua após a publicidade

No episódio 12 vimos Molly decidir que iria sim para o espaço, e como ficou claro, ela corre contra o tempo, já que tem apenas 2 para salvar Katie e Sean, selar a Seraphim, tirá-la da rota terrestre e voltar para a Terra sem resquícios da “família” da cria. Sim, isso não seria nada fácil. Para ajudar Molly, eles desenvolveram um capacete que impede que ela entre nas alucinações, que louco e que rápido né? Mas ok, vamos voar né! E com seu capacete a lá Magneto, Molly foi para o espaço salvar o mundo.

Aqui na Terra tivemos Ethan se sentindo rejeitado, com um certo ciúme, e com medo de que Odin no fim estivesse certo quanto a John  querer desligá-lo. No fim eu também fiquei tensa com tudo aquilo, com ele quase apertando o botão – que sei que ele não apertaria – com a tal “bomba mel” que grudou nele e não sairia sem ser ativada, Ethan agiu como um humano e confiou em alguém que não poderia confiar.

Lá no espaço Molly enfrenta “Katie fake” e acaba se contaminando, mas curti o fato de que mesmo assim ela conseguiu ter independência. Se salvou das alucinações e teve força para sedar Sean e tentar voltar para a Terra. Tentar porque Ben, devido ao seu programa, não deixou Molly infectada voltar para casa.

E foi nessa hora que nosso herói surgiu, sim Ethan. A cria estava no prédio da ISEA, e por isso nenhum humano poderia entrar, já que seria dominado por ele. Ethan é um humanóide, e por isso estava livre dessa dominação, e se propõe a ajudar Molly. Em épocas “normais” John nunca deixaria Ethan fazer isso, mas amei que ele deixou, e amei o embate dos filhos de Molly, e chorei com Ethan se sacrificando para salvar sua mãe.

“A nossa força de se sacrificar ultrapassa a forma humana”, e vimos isso em Ethan, o verdadeiro destaque dessa temporada. Por enquanto a série não foi renovada, e nem sei se será. Se for terá história para contar, já que a cria sobreviveu. Mas no fim o que mais importou foi vermos Molly se “redimir” voltando a ser amada por nós, e Ethan se confirmando o melhor personagem da série.

A série encerrou muito bem, e de um jeito incrível, se confirmando uma das melhores estreias da summer season. Se você não viu ainda, corre!

Letícia Bastos

Letícia Bastos

Publicitária, social media, mangaká e dançarina em protestos. Também sou apaixonada por séries e admito que novelas são meu Guilty Pleasure. Apaixonada por comédias cult/pop/nerd, ainda pretendo fundar uma seita para os Adoradores de Arrested Development. Aqui no Mix sou editora de Realitys Show e escrevo as reviews de todos os realitys do mundo, como Masterchef BR, The X Factor UK e BR, The Voice US, AUS e BR, BBB e RuPauls Drag Race.

No comments

Add yours