Futuro da Netflix torna-se incerto diante de novos streamings: o que irá acontecer?

O que vai ser da Netflix em um futuro próximo?

A Netflix é hoje a maior plataforma de streaming do mundo. Certamente, ela foi a responsável pela popularização desse formato de entretenimento e ajudou a dar mais prestígio para as produções do gênero. Atualmente, séries de TV têm uma importância tal como produções de cinema, dentro desta cultura, tornando-se um produto atrativo para o público, atores e produtores. Com uma ascensão de destaque em todo o mundo, a plataforma de streaming chamou a atenção de diversos estúdios justamente por ditar uma nova forma de produzir e assistir séries de TV.

Assim, o público hoje assiste o conteúdo que quer e quando quer. Porém, o futuro da Netflix passou a estar ameaçado nos últimos tempos. Justamente por este novo estilo comprou uma briga das grandes com os estúdios, que tiveram de adaptar a essa nova realidade. E agora, eles mesmos querem entrar na brincadeira. A intenção? Equiparar-se à nomeada “Gigante do Streaming”.

Reinado ameaçado por estúdios

A realidade é esta: muitos estúdios, agora, estão querendo ter seus próprios streamings. E a situação deixou de ser um simples achismo. Ela realmente vai acontecer.

Por exemplo: o papo de Friends sair da Netflix, deixou de ser boato. A Warner Bros. é um dos grandes estúdios que vai estrear o seu Warner Media em 2020, com o intuito de reunir absolutamente tudo com o selo Warner Bros. em sua plataforma. Isso inclui programação de TV (com até mesmo séries da HBO), filmes, desenhos (DC Comics) e o principal – os seriados. Portanto, Friends, as séries de heróis como Smallville e Arrow, e muitos dramas adolescentes como The O.C. e One Tree Hill também entrarão no pacote.

Friends faz muito sucesso. Sitcom é um dos títulos mais assistidos da Netflix. Imagem: Divulgação/NBC

Bem como outra gigante que promete ameaçar o reinado da Netflix é a Disney, com seu Disney +. O streaming vai concentrar todo o tipo de conteúdo produzido pela marca, incluindo Star Wars e Marvel. E sem contar séries que são também produzidas para a TV e exibidas em canais como a ABC (Grey’s Anatomy é uma das séries que entraria nessa leva). Além disso, uma programação original e inédita vem sendo desenvolvida para a plataforma. Portanto, conteúdo é o que não vai faltar.

A mais recente baixa oficial é a série The Office, que teve sua saída confirmada pela própria Netflix nesta terça (25), quando a NBC Universal anunciou tal fato. Adivinha o motivo? Levar a série para o catálogo de um streaming próprio da Universal.

Títulos deixarão a Netflix: e agora?

Títulos como Friends, The O.C. e até mesmo Grey’s Anatomy deixando a Netflix causará um certo desconforto para os fãs. Isso porque parte da atenção que a Netflix chama é justamente reunir conteúdos diversificados. Por um lado, a segregação dos títulos para streamings dos próprios estúdios pode ser algo que não dê muito certo. Os fãs estarão aptos a pagarem tantos streamings diferenciados? Por outro lado, isso também coloca em questão o futuro da Netflix. Dessa forma, os fãs também estarão aptos a pagarem o serviço apenas por conteúdo original?

O chefão da Netflix, Ted Sarandos, relatou em entrevista neste último final de semana que prevê a Netflix funcionando tal como está hoje, em dois anos, apenas com conteúdo original. Entretanto, essa é literalmente uma aposta arriscada. Atualmente, muitos títulos da Netflix estão sendo cancelados e aparentemente pela falta de visualizações na plataforma. Logo, o público tem preferido gastar tempo maratonando um título alternativo, mais antigo ou de outro estúdio do que os próprios originais Netflix em si.

Público da Netflix está apto a consumir apenas material original? Imagem: Netflix/Divulgação

A dúvida é: com a falta de opção desses títulos no futuro, o público vai migrar o seu foco para as séries originais Netflix, ou simplesmente abandonarão a plataforma? Caso isso aconteça, o fim da Netflix é inevitável.

E como se não bastasse, ainda temos um novo concorrente

Vale ressaltar, ainda, que a Netflix tem um outro concorrente de peso para enfrentar nos próximos meses. Se não bastasse os estúdios quererem fazer seus próprios streamings, agora outras marcas querem entrar na briga. E a Apple é uma delas.

O Apple TV + irá trazer a funcionalidade que a Apple TV já realiza, mas irá adicionar um catálogo vasto de conteúdo original, encabeçado por grandes nomes do cinema e da televisão como Reese Witherspoon, Jennifer Aniston, Oprah Winfrey, Jason Momoa. E as produções estão de altíssimo nível, algo que chamará atenção (confira aqui uma prévia das séries do Apple TV +). A estreia do streaming acontecerá ainda em 2019, com ampliação já anunciada para o mundo todo.

Como a Netflix vai se articular?

Ainda não sabemos o real impacto que isso vai causar na Netflix. Talvez, até a própria plataforma ainda não saiba. Vale ressaltar também que tal impacto poderá ser, de início, localizado. Afinal, tais streamings vão estrear apenas nos EUA. Posteriormente, eles deverão avançar para outros locais do mundo – caso deem mesmo certo. Também, não está confirmado em quais territórios de fato as novas plataformas vão operar, e isso dá margem para a Netflix investir na manutenção dos conteúdos de estúdios fora dos EUA. Como é o caso do Brasil.

Logo, se a Warner Media ficar localizada nos Estados Unidos, há uma chance da Netflix tentar negociar a permanência de títulos como Friends em seu catálogo fora daquela região. O mesmo com Grey’s Anatomy e até mesmo The Office.

Uma outra estratégia que a Netflix precisa adotar também é o aumento da qualidade de suas produções. Atualmente, enfrentamos uma safra de séries com péssimas avaliações entre as críticas, o que gera a impressão de que a Netflix está produzindo “muita porcaria”. Talvez fosse necessário reavaliar a quantidade de produções originais lançadas mensalmente, reduzi-las, e investir apenas em algo que gerasse buzz com qualidade. Não é necessário lançar duas séries originais a cada semana, como ela vem fazendo. É necessário lançar produtos de qualidade, mesmo que esperemos uma ou duas semanas para vermos algo novo.

Mas o impacto vem sendo sentido. Prova disso é que a Netflix estaria apta a mudar o formato de entrega de séries de TV, passando de temporada completa para episódios semanais. Tal prática já será adotada pelo Disney +, e poderia ser uma estratégia de embate direto com a nova plataforma.

E a Netflix corre risco de acabar (um dia)? Realmente, é algo que não podemos responder. Mas o que é certo, é que o futuro da plataforma está mesmo em suas mãos.

Vamos aguardar cenas dos próximos episódios para descobrir o que irá acontecer…

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.

No comments

Add yours