Game of Thrones – 5×02 – The House of Black and White

got 5

Imagem: Youtube/Reprodução

 

Bem, bem, vamos comentar mais um episódio de Game of Thrones. Só de ter aparecido a Arya eu já curti.

Arya até que enfim chega em Bravos, que é uma cidade livre, formada por mini ilhas. Cidade top, pois lá você faz o que quiser, não tem escravos e nem mestres. Ela chega na Casa do Branco e Preto, que é um templo do Deus da Morte. Quem segue esta linha de pensamento acredita que a morte é algo natural, por isso usam a expressão “Valar Morghulis“, que significa “Todos os homens devem morrer”. A resposta que deve ser dada sempre é “Valar Dohaeris“, que quer dizer “Todos os homens devem servir”. Arya Stark foi atrás de Jaqen Ha’ghar, que faz parte de uma sociedade secreta dos homens sem rosto, que na verdade são assassinos profissionais. Por acreditarem no Deus da Morte, a morte para eles é um presente, por isso são assassinos. Você se lembra que a Arya libertou o Jaqen e depois ele deu de presente para ela três mortes? Então, na verdade foi para compensar a vida do Jaqen e de mais dois que ela libertou, para o Deus da morte não achar ruim. O interessante é que os homens sem rosto não tem identidade, abandonam seus pertences, seu passado, e em geral, não ensinam crianças. Mas parece que abriram uma exceção para nossa querida Arya, por ela ter um potencial maior. Torço por você Arya Stark! A lista das pessoas que ela quer matar até já diminuiu.

Continua após a publicidade

Já Brienne lutando foi um espetáculo a parte. Que mulher é esta?! Mas estou com dó dela, ninguém quer seus serviços. E Mindinho tinha que lembrar das falhas dela com Renly e Lady Stark?! Além da Brienne roubar toda atenção da cena, notei os cabelos mais escuros de Sansa e sua roupa preta, que está linda. Gosto deste ar mais sombrio dela. Podrick também é muito engraçado, mas tem que aprender a andar a cavalo… hehehe.

Sobre Cersei, posso dizer que Dorne quer vingança pela morte de Oberyn. E justamente Myrcella, filha de Cersei e Jaime, está na cidade sulista. Logo, o que Cersei recebeu foi uma ameaça, vindo das Serpentes de Areia, que são as filhas bastardas de Oberyn. Elas são chamadas de Serpentes porque Oberyn era conhecido como Víbora Vermelha, e Areia porque quem é bastardo, em Dorne, recebe este sobrenome, assim como Snow para aqueles que são do Norte. Coitada da Cersei, os filhos que ela teve com o irmão, um morreu, o outro está sendo influenciado pela futura rainha e a outra está com seus inimigos. Fora o governo instável que Porto Real se encontra. Cersei sem credibilidade nenhuma, não passa de rainha mãe, como disse seu tio Kevan. Além disso tudo, ela quer matar seu irmão Tyrion. Para isso, prometeu uma senhoria para quem levasse a cabeça dele. Está rolando uma caça aos anões praticamente.

Já que sua filha está em Dorne, Jaime vai buscá-la, apesar disso nunca acontecer nos livros de George R. R. Martin. Na verdade, ele vai resolver outras pendências, e um homem, a mando de Cersei que vai para Dorne. Acredito que a série quis deixar mais emocionante assim. Então, Jaime vai atrás de Bronn, aquele guerreiro amigo do Tyrion que ganhou uma noiva, Lollys, e dinheiro para não lutar por Tyrion. Como Bronn é ganancioso e pensa mais alto, acredito que deva aceitar a proposta de Jaime.

Em Dorne, acabamos conhecendo Doran Martell, irmão de Oberyn e príncipe. E quem está lá com ele é Ellaria, que ficou viúva de Oberyn. Ela quer vingança, mas o príncipe diz que o irmão morreu num julgamento por combate, ou seja, tudo dentro da lei.

got 5x2

Imagem:Youtube/Reprodução

Em Meereen, as coisas continuam dando errado. Os Filhos da Harpia continuam aprontando, são da nobreza e querem as coisas do jeito deles. Mesmo o conselho tentando ajudar, juntamente como o Daario (gatinho), Daenerys não está conseguindo governar. Até hoje acho que foi uma burrada ter mandado Jorah embora. Dany é lembrada de como o seu pai, Aerys Targaryen II, o Rei Louco, era realmente. Ao longo do seu governo foi ficando mais louco e cada vez mais cruel. Ela tenta ser justa, mas não consegue. O povo grita Mhysa, mas depois jogam pedras. Ocorre uma rebeldia do povo de Meeren, vestidos de azul e amarelo, e ex escravos. Está uma confusão. Ou Dany dá uma reviravolta ou vai ter que sair dali. Parte emocionante quando o dragão que estava sumido, Drogon, aparece. Os dragões simbolizam toda a história, tanto os acorrentados, quanto Drogon. A série sabe usá-los bem como um elemento narrativo. GOT tem muito disso.

Varys e Tyrion estão indo encontrar Dany. Não confio no Varys de jeito nenhum… Ele está muito bonzinho para o meu gosto. Aí tem coisa. Tyrion sempre bebendo… Quem nunca! HAHAHA.

Momentos marcantes do episódio também foram as cenas que ocorreram no Norte. Shireen, filha do Stannis, ensina Goiva, a namoradinha selvagem de Sam, a ler. Ainda fica em aberto a explicação sobre a doença dela, Escamagris. Sam conversa com Jon e cogita a possibilidade do surgimento do nome Jon Stark, que Stannis concederia a ele, se ele colaborasse. Até me deu uma emoçãozinha, chamar ele de Jon Stark. Imagina! Mas Jon não quer. Jon acha que deve se manter fiel. E foi graças ao seu grande amigo Sam que Jon agora está no comando da Patrulha da Noite. Foi linda as palavras dele. Sam, melhor pessoa! Meistre Aemon (que é Targaryen, mas não quis ser rei) também, melhor pessoa! E todos ecoam: Snow, Snow, Snow!

Apesar de muitos plots, digo que o episódio foi bem morno. Parece que GOT fica preparando, preparando para algo acontecer e isso nunca acontece. Queremos ação, guerra, uma virada no jogo. Acredito que isso acontece porque tem muitos núcleos e em cada episódio, cada plot anda um pouquinho só. Espero que os próximos episódios sejam mais agitados. E parece que vai ser mesmo, confira a promo do terceiro episódio:

 

[youtube]https://youtu.be/45JOxYRu4Sc[/youtube]

Paula Reis

Paula Reis

Advogada e concurseira de plantão, no Mix, é editora de reviews e colunas. É viciada em tudo sobre Game of Thrones e adora séries jurídicas.

No comments

Add yours