Game of Thrones – 7×01 – Dragonstone

Imagem: HBO/Divulgação

Depois de 380 dias sem Game of Thrones, a sétima temporada estreou com sucesso de audiência, parando o mundo todo no domingo à noite. Mas isso já esperávamos que acontecesse, não é mesmo?

O que não esperávamos é o episódio já começar com uma cena da Casa Frey. No início, deu a entender que seria um flashback de um jantar típico de Walder Frey, mas não. Era Arya, de mil faces, no papel de Walder, dando um discurso maravilhoso. Na minha opinião foi a cena mais marcante da estreia, principalmente pelo modo que Arya matou todos os responsáveis pelo massacre do Casamento Vermelho. Envenenamento geral! Orgulho demais desta menina. O Norte se lembra e o Inverno chegou!

Outra cena memorável foi a aparição do cantor Ed Sheeran, interpretando um soldado Lannister. A cena foi engraçada, leve, mas não acrescentou muito à trama. A sequência foi puro fan service, pois Ed é fã da série e Maisie Williams (Arya Stark) é fã do cantor. Todos felizes!

O episódio foi marcado também pela liderança de Jon Snow como Rei do Norte. Ele tenta explicar ao seu povo a preocupação com os Caminhantes Brancos e a necessidade de encontrar Vidro de Dragão, que é a única arma que pode matar os Walkers. O interessante foi ver Sansa Stark confrontando Jon, alegando que ele deve premiar os leais e punir os traidores. Ela se refere à Casa Umber e Karstark que recusaram apoiar os Starks na guerra. Jon já acredita que merece dar uma nova chance para as Casas que apoiaram os Starks no passado. São opiniões diferentes, mas acho a da Sansa mais sensata. Jon deveria ouvir mais ela de vez em quando, até porque, graças ao pedido de ajuda dela ao Mindinho, que eles venceram Ramsay e retomaram Winterfell.

Pelas imagens dos Caminhantes Brancos, vimos que o Inverno chegou mesmo. Cena bem produzida, com os Walkers caminhando em uma nevoa fria, com direito a mortos-vivos gigantes. Ao mesmo tempo, Bran chegou na Muralha, com Meera. Espero que ele ajude em alguma coisa e não apenas traga o Inverno.

No Norte, também, estão Sandor Clegane, o Cão de Caça, e a Irmandade sem Bandeira. Eles chegaram em uma cabana que o Cão já tinha passado com a Arya. Quem lembra ele matando o pai da criança sem justificativa plausível? Vê-se que Clegane arrependeu do que fez e mudou bastante seu modo de pensar. Porém, para quem é descrente do Senhor da Luz e toda a magia, acho que ele enxergou demais naquele fogo mostrado por Beric, não é mesmo?

Em Porto Real, vemos Cersei se dando conta que tem inimigos por toda parte. Ela troca uma ideia com Jaime, mas nota-se que o irmão aceitou tudo muito fácil o que ela acabou de aprontar. Achei que ele lidou de uma forma muito fácil a morte do filho e o incêndio criminoso de Cersei. Vai ficar por isso mesmo? Mas enfim, o que podemos tirar deste plot é que a dinastia Lannister está se extinguindo… será que não rola um novo filho aí não? Foi engraçado demais ver as reações de Jaime diante da proposta de Euron Greyjoy. Ele propõe casar-se com Cersei em troca de fornecer a sua Frota de Ferro. Porém, todos sabem que os Greyjoy não são nem um pouco confiáveis. Não cumprem promessas e traem com facilidade. O histórico é grande e acredito que os Lannisters sabem muito bem disso, logo, não devem entrar nessa. Ou vão?

Uma parte bem desagradável do episódio foi ver Sam em Vilavelha na sua tarefa árdua de cuidar das necessidades dos Meistres, de servir sopa a limpar penicos. Foi bem nojento, confesso. Mas foi importante mostrar o acesso que Sam tem aos livros, o conhecimento que tem nas mãos para descobrir mais sobre os White Walkers e como vencê-los. Será mesmo que em Pedra do Dragão tem uma montanha de Vidro de Dragão?

Falando em Dragonstone, o lugar que dá nome ao episódio, foi bem representado ao final, com a chegada de Daenerys. Até que enfim, hein?! Depois de seis temporadas, a loira chega em Westeros, mais precisamente em Pedra do Dragão, onde nasceu. Para quem não sabe, lá era dos Targaryen, antes de Stannis Baratheon ocupar tudo. Quem leu os livros sentiu-se agradecido, pois o cenário foi bem fiel a tudo que George R. R. Martin descreveu.

Agora, realmente, o jogo dos tronos vai começar!

O episódio não teve muitas emoções fortes e nem aconteceu muita coisa, serviu mais contextualizar cada plot. Porém, acredito que a temporada será rápida, pois tem muitos fatos para acontecer até o final da série.

Obs.: Lyanna Mormont brilhou ao dizer que não vai ficar tricotando, enquanto os homens lutam. Sempre gostei dela!

Obs. 2: Podrick sendo reconhecido como homem de sorte por Tormund, pelo fato de lutar com Brienne, foi hilário!

Obs. 3: Quem deduziu que a mão que aparece para Sam e questiona a chegada de Dany é do Jorah? Pelo visto ele ainda está com Escamagris.

 

Share this post

Paula Reis

Paula Reis

Advogada e concurseira de plantão, no Mix, é editora de reviews e colunas. É viciada em tudo sobre Game of Thrones e adora séries jurídicas.