Game of Thrones – 7×07 – The Dragon and The Wolf [SEASON FINALE]

Imagem: HBO/Divulgação
Imagem: HBO/Divulgação

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

Chegou o final de uma temporada breve. Porém, com um episódio não tão breve assim. The Dragon and The Wolf pareceu mais um filme, um filme corrido, que tinha 356 coisas importantes para acontecer. O título está relacionado ao romance entre Lyanna Stark e Rhaegar Targaryen, mas também poderia ser de Jon Snow e Daenerys Targaryen, não poderia? O episódio foi empolgante, mas não surpreendeu. Mesmo assim, Game of Thrones bateu o recorde histórico de audiência em todo mundo.

Continua após a publicidade

Finalmente, a galera toda se encontrou em Fosso do Dragão para chegarem em um acordo. Lá que a família de Daenerys  guardavam os Dragões há muitos anos. Foi emocionante ver grandes rivais juntos, trocando farpas e se assustando com o morto dentro da caixa. Custaram a decidir sobre a trégua e a Grande Guerra. Porém, já vimos que nada adiantou o jogo de palavras.

Continua após publicidade

Ponto para Lena Healey (Cersei) e Peter Dinklage (Tyrion) pelo excelente trabalho de interpretação na cena do diálogo entre os irmãos. Que cena! Tyrion ressalta muito sobre o interesse de preservar o resto da família, ele aceita o rótulo que a destruiu e logo descobre a existência da gravidez de Cersei. No entanto, não ficamos sabendo qual foi o fim da conversa, se algo foi prometido ou combinado entre eles. Há boatos rolando por aí sobre ele poder trair Daenerys. Realmente, ele anda muito estranho com estes conselhos furados, além de que sabe usar a mentira para esquematizar estratégias de poder. Depois ele ainda olha para a porta do quarto onde está Jon e Dany e deve estar pensando se o que ele fez foi a melhor escolha. Como ele é um Lannister, não custa ele ter acordado algo mesmo com a irmã, porém, na minha opinião, isso não seria do caráter do Meio Homem, que sempre foi tão confiável. Porém, a série quis deixar esta dúvida nos fãs.

Agora, uma cena que não me impactou tanto, mas teve um significado foi o plot de Theon. Finalmente ele conseguiu sua redenção com a família Stark. O seu diálogo com Jon foi um pouco tedioso, porém alcançou o objetivo de mostrar que o personagem sempre foi muito confuso, nunca soube direito o que era certo ou errado. A luta bagunçada dos Greyjoy fechou o núcleo com a deixa de que haverá luta pela irmã Yara, que está em poder do Euron.

Continua após publicidade

Já em Winterfell, a coisa foi bem mais emocionante. Sansa finalmente tomou decisões dignas de uma Lady e provou para todos que não é mais sonsa – ela demorou, mas cresceu. Já tinha comentado aqui da possibilidade das irmãs estarem bolando um plano contra o plano de Mindinho e fico feliz que isso realmente aconteceu. Petyr Baelish esteve envolvido em praticamente todos os jogos pelo Trono! Sua morte foi algo aguardado por bastante tempo, e ver ele daquele jeito, desesperado, foi impagável. Foi lindo ver os irmãos Stark se unindo contra o maior manipulador da série.

“Quando a neve cai e os ventos brancos sopram, o lobo solitário morre, mas a matilha sobrevive.”

Ainda em Winterfell, Bran encontra Sam e juntos terminam de montar o quebra cabeça sobre a origem do nosso querido Jon. Só achei estranho Bran não saber ainda o que Sam e Gilly leram no diário do Alto Septão. Falha de roteiro, ou ele não tem tempo de ver tudo por aí?

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

Enfim, ele visita o passado e nos mostra o casamento de Lyanna e Rhaegar. Simples, mas lindíssimo. Realmente os dois se amavam e queriam ficar juntos. O fruto deste amor é Jon Snow, que na verdade chama Aegon Targaryen. Ele não é bastardo, ele é o herdeiro do Trono de Ferro! Sobre isso, dois pontos me chamaram atenção: nos livros, Rhaegar sempre foi descrito como o homem mais cobiçado dos Sete Reinos, então eu esperava uma beleza sem igual. O segundo ponto é que Jon tem o mesmo nome do seu irmão, filho de Elia Martell e Rhaegar. Fizeram uma homenagem para o pequeno Aegon? Talvez haja uma explicação melhor sobre isso futuramente.

Jonerys finalmente aconteceu, para alegria de muitos fãs, mas não para a minha – já justifiquei outras vezes. Enfim, aconteceu e isso pode gerar um problema para os dois no futuro, já que eles ainda não sabem que Jon é o verdadeiro herdeiro. Será que eles vão querer se matar? Vão se unir mais? Dany poderá gerar um herdeirozinho?

Muitas perguntas para a próxima temporada. E o final do episódio acrescenta mais algumas delas. Os White Walkers finalmente chegam na Muralha e a destroem com a maior facilidade. Então, conclui-se que eles só precisavam de um dragão para adentrar Westeros… A cena foi sensacional e impressionante, mas não curti muito aquele fogo gelado. Mais parecia um laser neon. E Tormund e cia, sobreviveram?

Adiciono mais perguntas e dúvidas. Será que existe a possibilidade de Cersei fazer uma aliança com o Rei da Noite? Do jeito que esta mulher está loucona, eu não descarto. Vimos que ela não tem palavra e já armou os esquemas com o fanfarrão do Euron Greyjoy. Até agora não sabemos se ela está dando um golpe com a gravidez; Quase matou os irmãos… Rainha Louca é ela! Talvez Jamie poderia ter morrido mesmo naquele embate contra ela, talvez… Teríamos nos surpreendido, né?!

A propósito, precisamos conversar uma coisinha sobre isso. O episódio foi excelente, mas Game of Thrones decaiu muito nesta temporada. Foi emocionante ver tudo isso que comentamos, episódios super legais, mas não houve surpresas como antes. Antigamente, assistíamos a série com o medo do nosso personagem favorito morrer, da virada radical do roteiro, sem mais nem menos. Agora, na sétima temporada, foi tudo bem previsível. Teorias antigas dos fãs concretizaram quase todas – o que eu fico feliz. Acho massa Dragão de Gelo, Jon Targaryen e tudo mais, mas só restou isso. O roteiro teve muitas falhas, principalmente na descaracterização dos personagens, que antes eram bem mais complexos. Esta temporada mais pareceu um novelão, da luta clichê entre o bem e o mal. GOT nunca foi assim, ninguém era absolutamente bonzinho ou vilão, as tramas eram mais ricas. Não sabíamos o que poderia acontecer. E uma das coisas que mais me agradava na série era a surpresa. Sobrou fanservice e faltou roteiro maduro que mantivesse a essência da série e dos personagens. Não sei se foi a falta dos livros para servir de base, ou a necessidade de finalizar correndo a série em 13 episódios, só sei que a melhor série que eu já assisti não é a mesma. E isso não faz eu odiar e criticar tudo da temporada. Tivemos boas cenas e tramas, foi emocionante, mas o que eu quero dizer que perdemos bastante do que já foi Game of Thrones. Uma pena.

Obs.: Até agora estou sem entender a cena dos Imaculados alinhados em Jardim de Cima, o povo Dothraki doidinho chegando e Jaime no alto do castelo. Para completar, um segundo depois, ele está em King’s Landing.

Obs. 2: Se Brienne falou “Fuck loyalty!” (“Foda-se lealdade!”) é porque a coisa estava séria mesmo!

Obs. 3: Não sei se fico mais desesperada pela queda da Muralha ou porque GOT deve voltar só em 2019!

Obrigada por acompanhar as reviews e até a próxima temporada!