Gotham – 3×13 – Smile Like You Mean It

Imagem: Youtube

Imagem: Youtube

Continua após as recomendações

 

Jerome está de volta! Somente o “pseudo” Coringa para conseguir salvar o pouco de esperança que resta para esta temporada se firmar. Porém, é bem claro que o personagem está vindo de passagem, como todos os outros infinitos plots de Gotham, que são retomados e abandonados em um eterno looping!

Continua após a publicidade

No episódio passado, a tal gangue inspirada pelo garoto risonho prometeu tocar o terror em Gotham City. Promessas que não foram cumpridas, uma vez que o líder, Dwight, fracassou em sua missão de conseguir ordenar os adeptos à tal seita em “Smile Like You Mean It”. Pelo menos, o rapaz serviu para “ressuscitar” Jerome, mas isso cai no ostracismo e no velho recurso de trazer personagens mortos para salvar o que anda parado em uma série. Parece chacota, mas recurso usado em muito show por aí. Paciência, se é isso que Gotham precisa para se reerguer.

Jerome voltou com força total e, de fato, deve colocar o terror por onde passar. É notável como a história fica mais dinâmica com ele, sendo um personagem que se torna um exemplo vivo de como os produtores conseguem fazer boas histórias quando eles se empenham. Bastou 20 minutos presente no episódio para mudar toda a expectativa para os próximos episódios. Sem dúvidas, um dos melhores personagens. Porém, me incomoda essa inspiração toda no Coringa. Se ele é o Coringa, muito ruim ele já ter essa personalidade toda formada e ainda fazer parte da infância de Bruce desta forma. Se ele não for, a série passa a mensagem que o Palhaço do Crime, vilão icônico de Batman, não passa de uma “cópia” do que Jerome fora em Gotham City. Complicado, não?

No plot de Oswald, nada novo. Apenas que o Pinguim, mais uma vez, deixou-se manipular. E olha que até achei que ele não cairia nessa, mas seu amor por Nygma o está realmente cegando e o levará direto para a ratoeira. Barbara conseguiu colocar todas as famílias mafiosas contra Oswald e agora, é questão de tempo até seu “império” ruir. A questão que fica é, quem sairá vitorioso? Pois Barbara e Edward, claramente, não jogarão no mesmo time quando os dois derrubarem o Pinguim.

Ah, ainda tivemos andamento na história de Selina com sua mãe que, pasmem (!), estava ali em busca de dinheiro. Jura? Acho que todo mundo suspeitava desse jogo não? Bancar a arrependida, coração partido, só para conseguir arrancar uma grana de Bruce Wayne, namoradinho de sua filha? Que feio, Maria Kyle… Mas previsível. Agora, mancada foi o Bruce, suspeitando e até, sabendo de tudo, sem contar para Selina. O tempo fechou entre os adolescentes. Certamente este episódio servirá para aguçar ainda mais a personalidade da futura Mulher-Gato. Está na hora dela largar o coração mole, o sentimentalismo de lado, e encarar os resquícios de sua realidade nas ruas. Ta aí, uma história que ainda me desperta curiosidade.

Jerome terminou o episódio ocasionando um blecaute em Gotham City, só para transformar a vida de Jimbo em mais um inferno. Não vou mentir para vocês, adoro!

Bat-Nota 1: Gente, alguém demite o roteirista que deixou a Lee chata? Antes uma personagem tão agradável de se ver em tela, virou uma mala sem alça.

Bat-Nota 2: Percebem o quanto o roteiro de Gotham ainda é uma colcha de retalhos? Ao mesmo tempo que a série tenta largar do seu lado procedural, acaba realocando suas subtramas em buracos, onde você nunca sabe quando tal história irá continuar. Cadê a história da Corte das Corujas e do clone de Bruce, iniciada no começo da temporada? E Ivy, que cresceu sem propósito algum? E Fish Mooney, onde foi parar? Essas são só algumas das histórias que estão abandonadas e que, semana após semana, me incomodam por serem esquecidas. Em breve elas voltam, como se não tivessem passado uns 5 ou 6 episódios sem discuti-las.

 

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=cbUsP6TZRd4[/youtube]

 

Nenhum comentário

Adicione o seu

Tags Gotham