Grey’s Anatomy – 13×14 – Back Where You Belong

Imagem: Arquivo Pessoal

Era uma vez uma interna que sonhava ser reconhecida até que começou a namorar um cirurgião pediátrica bonitão e viu seu mundo desmoronar quando encheu a cara e contou seu maior segredo para um colega de trabalho. Depois de muito drama e zzzzzZZZZZZZZ, essa garota decidiu tomar vergonha na cara e deixar seus dramas de lado para conseguir se focar na carreira. O que ela não imaginava era que um caso médico pudesse trazer de volta toda a dor do passado. Por mais que seja bastante clichê todo esse plot do episódio, tenho que reconhecer que Jo conseguiu se destacar e roubar as cenas para ela. Eu sei que minha implicância com a garota nada tem relação com o seu passado, mas custava a Shonda Rhimes deixá-la um pouco menos chata sempre?

Jo mandou bem nesse episódio e eu tenho que tirar o chapéu para ela. Diante de caso complicado em que o pai do menino lembrava muito seu (ex) marido, Jo conseguiu dar o melhor de si e foi uma boa médica. É claro que havia um conflito único ali e receios apareceram, mas no final, Jo conseguiu crescer profissionalmente mesmo diante de algo que trouxe péssimas memórias. Eu esperava que fosse Alex quem fosse dar um abraço nela, mas gostei de saber que foi Owen. Por mais que ele não tenha muito destaque no seriado, o personagem tem suas virtudes.

O que eu não consigo mais aguentar é essa birra da Shonda em querer destruir o relacionamento da Bailey com Richard. Desculpem-me fãs da Nazi, mas não consigo comprar o lado dela. Sério, depois de tudo o que Richard fez por ela, ela decide tirar algo tão importante dele só porque quer ser melhor do que ele? Ela só conseguiu ser a nova Chief do hospital porque Richard acreditou nela e deu o seu melhor como mentor. O fato da Meredith recusar seu antigo cargo em prol de Richard mostra o quando ela amadureceu e não quer se tornar a nova Ellis Grey.

Eu sei que pode até ser egoísmo da Mer, mas ela mandou bem quando disse para Bailey que ela nem a escutou e que ser o braço direito nem sempre é concordar com as suas decisões. Elas precisam trabalhar em equipe e não como cúmplices. April pode até estar fazendo um bom trabalho, mas ela nunca será uma Meredith Grey e sabemos muito bem que a mamãe Avery está a manipulando de uma forma bastante covarde. De qualquer forma, adorei a conversa entre Mer e Richard e amei ver uma Mer mais alegre e menos chorona.

Eliza pode até ser uma boa mentora, mas ela nunca será um Richard na vida. Falta amadurecimento e emoção. Técnicas não são tudo na vida. Você precisa deixar o coração trabalhar junto para que as coisas sejam excelentes, pois caso contrário você se transforma em robô. Eu não shippo Arizona com Eliza e não estou gostando de ver minha adorava Arizona agindo como uma adolescente, entretanto, tenho que reconhecer que estou curtindo a amizade das duas. O beijo que Eliza roubou da Arizona, para mim, foi totalmente desnecessário e rápido demais. Gostaria de ver uma paquera maior até que rolasse esse beijo, mas entendo os motivos da Shonda e espero que Eliza não faça minha adorada Arizona sofrer.

O caso de Riggs e Maggie também foi bacana. Para mim, foi bastante emocionante e adorei ver o personagem sendo mais do que um casinho de Mer. Não sei se isso possa indicar que a sua mulher (e irmã de Owen) possa estar viva, mas que seria legal vermos uma reviravolta no seriado, ah, isso seria! Algo me diz que o triângulo amoroso entre Riggs, Maggie e Mer está longe de acabar e eu não sou capaz de opinar sobre isso.

P.S: Como não amar Meredith, Alex, Maggie e Amelia morando na mesma casa?

Share this post

Gabriella Siggia

Quem eu sou? Eu sou uma em um milhão: escritora nas horas vagas, seriadora de coração, cinemática de plantão e amante da literatura. Divertida, alto astral e bastante bem humorada. Só não achei ainda minha outra pessoa. Ah, música faz parte da minha vida.