Gypsy – 1×03 – Driftwood Lane

Imagem: Netflix/Reprodução

Graças a Deus, as coisas pareceram um pouco mais organizadas em Driftwood Lane. Tivemos o lado profissional um pouco esquecido e um maior desenvolvimento da personagem em si, ainda mais pelos flashbacks.

Jean levou Dolly para brincar com Sadie e aproveitou pra dar aquela cutucada em Michelle sobre a festa de aniversário. Claro que tivemos mais uma das cenas dela em frente o espelho antes de ela sair bisbilhotando a casa dos outros. Ela acha “alguns” comprimidos e pega vários deles. Alguém mais percebeu que ela parece ser influenciada pelos pacientes? Depois de conhecer Sidney, ela passou a beber e muito, agora, após conhecer a Allison, ela passa a usar comprimidos, como é que essa mulher conseguiu o diploma de PhD?

Então, tivemos o aparecimento da mãe de Jean, que até então só tinha sido uma ligação recusada. Eu jurava que aquela que Jean estava olhando do carro era, na verdade, a mãe de Allison, mas não é que fomos surpreendidos? Aparentemente, a mãe dela era o tipo que valorizava relações com todos, menos com sua filha. Algo que não ficou muito bem explicado, mas espero que no futuro seja.

Continua após a publicidade

Imagem: Netflix/Reprodução

Sem motivo aparente, a terapeuta decide surpreender o marido com um jantar especial e uma visita ao mesmo lugar em que ela foi com a Sidney. As intenções verdadeiras a gente não sabe, mas que aquela mulher tá bebendo horrores e tá perdendo a noção, isso com certeza. E aquele papo sobre “você lutaria por mim se eu estivesse te traindo? ameaçaria cortar seus pulsos?” que não foi nem um pouco normal, gente, só não vê quem não quer que a Jeannie tem no mínimo 3 personalidades.

Os momentos dela falando para que ele não a tocasse durante o sexo também foram estranhos. Será que ela estava fantasiando com a Sidney? Ou será que foi um dos efeitos do remédio? Ficou claro que ela está começando a enxergar a garota em todos os lugares, assim como Sam disse, mas não sabemos até que ponto isso vai, já que Jean começa a confundir o que ela acha de Sidney com o que o garoto diz durante as sessões.

Mas não tenho como negar que a sessão de Claire me emocionou, a mulher não sabe o que fazer e Jean tenta constantemente moldá-la de acordo com o que Rebecca contou para ela. Quão triste foi a cena da mãe indo até o prédio e descobrindo pelo porteiro que a filha havia se mudado? Achei que ela ia cair dura logo ali.

Chegamos então à festa de Dolly e que festa, meus amigos. Como não amar essa criança? O discurso dela sobre cortar o cabelo para ser ela mesma foi lindo, além de falar sobre honestidade quando se tratava do mágico. Acho que vamos ter um grande enfoque em Dolly e sua busca por si mesma – ainda bem, já que convenhamos, ela é a melhor personagem dessa série.

Já não podemos dizer o mesmo de Alexis, é claro que Michael disse que ela não fazia seu tipo, mas como a esposa bem disse, ela faz o tipo de todos. Ela não precisava ter ido até lá e muito menos ter ficado na festa, a cena de Jean observando os dois por trás da moita junto com a filha, com certeza despertou algumas inseguranças a mais.

E claro, com tudo que estava acontecendo, Jean jamais deixaria Michelle falar de sua filha daquela forma. O pisão que ela deu foi maravilhoso e serviu pra todo mundo. A menina tem medo de ser julgada e por isso não pode ser quem realmente é. Me surpreende que Michael não veja isso, tendo em vista que ele é um pai tão maravilhoso assim. Adorei também as verdades que ela falou pra ele, que ela defendeu a filha pois não quer que ela se sinta invisível como a mãe, mas claro que ele não aguentou ouvir a verdade e foi dormir. Depois de ter mais uma visão de Sidney, Jeannie decide sair. Agora, pra onde ela foi? Aposto que atrás da garota e vocês?

Nota 1: Alguém sabe qual o problema dela com colares?
Nota 2: Acredito que nem Jean sabe o que pensar em relação a filha, em alguns momentos ela parece estar em negação, em outros, tem orgulho de quem ela é. Alguém avisa que ela precisa se decidir?
Nota 3: Que bolo lindo, não acharam? Pena que não cabe na geladeira.

Gypsy vem nos apresentando uma série que incomoda, que perturba, mas que não dá pra largar. Afinal, a gente adora um barraco e me parece que muitos vão chegar. Eu espero vocês aqui, amanhã, pra review do quarto episódio, até lá!

Tags Gypsy
Avatar

Gabriela Scampini

Paulista, estudante de Direito e geminiana. Apaixonada por livros e séries, mesmo sem ter tempo pra nenhum dos dois. No Mix, escreve a coluna #MixAudiência, além das reviews de American Crime Story, Black Mirror, Chicago Fire e The 100.

1 comment

Add yours
  1. Avatar
    Rafael Santos 16 julho, 2017 at 16:46 Responder

    Essa questão de gênero e muito complicada principalmente em criança ! Os valores de famílias que pesam na balança conservadores ou liberalista vão passar seu conceito ideal de família pra fazer seu julgamento.
    O problema desse quesito e sempre o julgamento da sociedade . porque quem vai ser penalizado e a própria vitima do problema . Mas como não ser julgado em mudar quem você e? Sua própria natureza ? Como nasceu biologicamente? Particularmente isso e um sentimento de mudar sua própria essência de ser de um sexo e acreditar que seja pertencente outro. Uma coisa sobre essa questão e que ela deve ser tratada urgentemente no campo dos teraupetas .

Post a new comment