House of Cards – 3×06 – Chapter 32

HoC review

Imagem: Arquivo pessoal

Vamos começar apenas falando que esse episódio foi incrível. Animal. Impactante e um dos melhores da série. Da terceira temporada, possivelmente, o melhor que teremos. Sinceramente, será difícil superar o que aconteceu nesses 50 minutos.

Quando a visita da Casa Branca à Rússia foi programada, tudo parecia diplomaticamente aceito. A paranoia de um presidente, que precisava invocar leis medievais, contra o ego de um manifestante preso, porém, fez o Chapter 32 se tornar um espelho de todas as qualidades de House of Cards, além de trazer para a história situações que antes não haviam acontecido – como a briga feroz de Frank (Kevin Spacey) e Claire (Robin Wrigth) na volta para casa.

A série continua seguindo entre a balança do time Underwood; cada detalhe de cenário, cada frente de batalha dividida. Enquanto todas as decisões políticas até aqui fortaleceram o laço de dois aliados que pareciam ter tudo em acordo, esse episódio resgatou as contínuas pausas de reflexão de Claire. Resgatou, enfim, o casamento do presidente e da primeira-dama, e não o acordo de negócios que a relação deles se tornou.

Continua após a publicidade

HoC review 2

Imagem: Arquivo pessoal

O problema é justamente isso: como parceiros de negócios, eles se entendem. Como marido e mulher, porém, o conformismo parece fazer efeito, até que bate com questões mais profundas que acordos políticos. Claire é a força e a fraqueza do time Underwood, ao mesmo tempo em que ela recompõe Frank, ela é a única que parece ter dúvidas. Frank sempre é certo no que ele procura, mas Claire tem seus altos e baixos durante as decisões mais difíceis. Não por ser uma pessoa fraca – o que ela já provou não ser -, mas por ser mais humana do que seu marido, que está disposto a muito mais que ela para continuar no poder.

Além da questão central da negociação russa sobre a libertação do ativista Michael Corrigan (Christian Camargo), o episódio também teve cenas importantes no paralelo, como as novas informações na procura de Rachel e o bem estar óbvio de Doug (Miachel Kelly), que reflete o novo caminho que ele resolveu seguir. Ainda longe dos olhos de Frank, essa decisão não explodiu como certamente irá acontecer. O que também deixa um mistério sobre qual será a consequência de adicionar Rachel de volta à trama.

Novamente no oriente do mundo, Claire prova que não tem o sangue de barata necessário para se governar um país. A conversa com o ativista é necessária para reacender isso, e demonstra uma esposa que não está arrependida pelo casamento, mas que teve seus pequenos monstrinhos expostos, antes de voltar a esconde-los.

O acontecimento central do episódio coloca a esposa de Frank frente à algo muito maior do que ela enfrentou até aqui. A sua falta de controle demonstra, de uma vez por todas, que ela não é uma política, Frank é. E na vida que eles decidiram seguir, Claire é o elo fraco do time. Ainda acredito que isso ainda vai se transformar na sua força, agora, no entanto, colocou coisa demais a perder.

É impressionante como House of Cards consegue demonstrar, visualmente, o que está sendo discutido no roteiro, como pequenas metáforas de imagem: eles juntos, Claire dormindo, eles separados no avião. Além de tudo, a série é feita de falas categóricas, e esse episódio trouxe de uma só vez tudo que fez as pessoas se apaixonarem pelo seriado.

É como se a terceira temporada tivesse começado agora e, enfim, agressiva, sangrenta e desleal. Frank estava certo em dizer que política não se trata de bravura e que, muito menos, bravura se trata de egos e momentos de coragem. Claire precisa entender que essa caminhada não é um conto de fadas, e a pergunta que fica é se o casal Underwood conseguirá sobreviver. Porque, ou eles permanecem juntos, ou se destroem.

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

No comments

Add yours