House of Cards – 5×01 – Chapter 53

Imagem: Divulgação Netflix
Imagem: Netflix/Divulgação

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

“Eu não vou parar. Eu nunca vou parar.” – Underwood, Frank.

Há mais de um ano atrás eu simplesmente devorava a quarta temporada. E aqui estou eu, hoje, fazendo o mesmo com esta quinta e brilhante nova leva de episódios deste drama sem igual na TV mundial. Para não me prolongar nos elogios, caso não tenha lido ainda, dê uma olhada no que o chefe escreveu na coluna 5 Razões sobre House of Cards. Depois disso, duvido que não tenha mais razões para não amar ainda mais essa guerra política estadunidense.

Continua após a publicidade

Direto ao ponto, vemos aqui um Frank Underwood mais decidido do que nunca. Ele, que convenhamos, jamais teve muito respeito por regras, se viu em uma sinuca ao ser confrontado pela opinião pública. Lá no final do capítulo 52, vemos o que sua decisão acabou por fazer – sentenciou um homem à morte com execução televisionada ao vivo. Isso para sair de outra encrenca, mas, em nome do poder, já o conhecemos, não é mesmo? Para ele vale tudo!

Continua após publicidade

Que saudades que eu estava destas cenas impecáveis. A emoção que sinto ao ver tudo sendo tão bem cuidado, da trilha sonora bem executada… Realmente são as atuações que ganham destaque com esse plano de fundo perfeito.

Claire está diva como sempre. Vemos agora um lado seu ainda mais provocador e com campo aberto para pleno crescimento de sua participação política em decisões e na construção de um futuro novo Governo, dessa vez como vice-presidente.

Continua após publicidade
Imagem: Netflix/Divulgação

Suas cenas são sempre menos agressivas do que do Francis, mas sempre nos levam a refletir sobre valores. Ela passou por isso com a sua mãe, e tenho certeza de que conseguimos nos colocar em seu lugar por diversas vezes. Se ao contrário do presidente, que possui ações muito enérgicas, vemos nela alguém tão calculista quanto, porém, passível de dosar suas ações com um nuance que deixam as coisas parecerem mais leves – e olha que falo da mulher que concordou em executar um inocente para permanecer no poder, hein.

Novamente, e como não poderia deixar de ser, vemos o quanto a mídia é um fator decisivo nesta guerra que está prestes a ser declarada. Tom Hammerschmidt e o The Washington Herald vão continuar na cola do Governo, e deve ser questão de tempo até que obtenham algum avanço, afinal, não é só de fracassos que a oposição pode viver.

E deixei o começo para o final de propósito. Que cena histórica! Quanta cara de pau e uso de influência em apenas cinco minutos. Frank claramente fará de tudo para que tenha apoio em seu plano, mas será que vai avançar? Até quando Conway vai bancar o bom moço? O cerco está fechando e é questão de tempo para o circo pegar fogo de vez!

Faça a sua jogada: Alguma dúvida de que já haviam capturado o terrorista?
Faça a sua jogada 2: Aguardo ansioso um golpe certeiro no reinado Underwood.
Faça a sua jogada 3: Kevin Spacey olhando para nós com essa intimidade… Seja bem-vindo, monstro!