Justiça – 1×03 – Capítulo 3

justiça 01

Imagem: Rede Globo

Continua após as recomendações

“O mesmo tapa que faz um cair, faz o outro levantar!”

Continua após a publicidade

Rose e Débora são melhores amigas desde sempre, uma amizade que não enxerga os muros que a própria sociedade colocou entre as duas. Rose é negra e filha da empregada doméstica de Débora, consequentemente Débora pode ser apontada como patroa de Rose, não é? Pois é!

Vindas de classes sociais diferentes, as duas não enxergam essas diferenças, possuem os mesmo sonhos, os mesmos amigos, os mesmo planos, até o momento em que Rose passa no vestibular de jornalismo. O que era para ser a realização de um sonho, ficou mais para um novo conto de “A vida como ela é”, de Nelson Rodrigues – mais dramático e mais doído do que os contos do mestre costumavam ser.

Os desatentos podem dizer que esse foi o episódio mais “fraco” de todos até agora, a minha conclusão sobre isso é a afirmação de como o racismo e a cultura do estupro estão enraizadas na nossa sociedade, casos como os relatados nesse episódio se tornaram tão comuns que nem chocam mais tanto.

justiça

Imagem: Rede Globo

Durante o luau de comemoração Rose foi a única revistada, normal né? Quantos relatos assim nós conhecemos? O negro visto como marginal, como um ser “abaixo” dos brancos. Ou então, quantas histórias sobre estupro conhecemos, e quantas vezes ouvimos comentários como “ah, a fulaninha pediu, né?”, “Quem mandou sair daquele jeito?”, a frase dita pelo próprio estuprador é um reflexo da nossa sociedade, “Tá gritando por quê? Não finge que não tá gostando!”

Passaram sete anos, e as duas viraram pessoas completamente diferentes, modificadas por esse mundo cruel que nós enfrentamos todos os dias. E o que mais me doeu foi o final do episódio, quando as duas planejam a vingança contra o estuprador de Débora, mas nada é revisto sobre os sete anos que Rose perdeu na prisão, como se o racismo fosse algo que precisamos apenas engolir seco, sem contestar. No Brasil é assim, quando não dá para resolver, a gente muda de assunto.

Pois é, o mundo não é tão bão assim, Sebastião!

Tags Justiça