Law & Order: SVU – 19×03 – Contrapasso

Imagem: NBC/DIvulgação
Imagem: NBC/Divulgação

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

O que é justo e o que é justiça? Essa foi a questão do terceiro episódio de SVU. Emocionante, cheio de reviravoltas, daqueles que te deixam à flor da pele.

Continua após a publicidade

A história parte da narrativa de um homem encontrado castrado em uma hotel, até então, vítima, ele dizia não conhecer suas agressoras e que não saber o porque daquilo ter acontecido com ele. Com um aperto aqui, uma conversa ali, nossos detetives descobrem que três mulheres, que fizeram o colegial juntas, se uniram para confrontar seu antigo professor e acabou dando no que deu.

Continua após publicidade

Mas, para complicar ainda mais, a agressora confessa e revela à Olivia que o antigo professor, além de tirar vantagem dela e de outras alunas sexualmente, a havia estuprado quando a mesma decidiu terminar o “relacionamento” deles há 20 anos.

O cara então vai de vítima a réu sob a acusação de estupro, já que as acusações de estupro de vulnerável já haviam prescrevido, e usando como defesa “eu já fui punido o suficiente” para tentar convencer o júri de que ele não merecia ir para a cadeia. Com a ajuda da esposa do réu e a maravilhosa argumentação final de Barba, o safado é condenado e vai passar muitos anos atrás das grades.

Continua após publicidade

Agora, eu pergunto, séria um sonho ver um estuprador/pedófilo, além de condenado à prisão, castrado? A minha resposta, caros leitores, vai como alguém que viu e vê de perto o que um abuso faz com a vitima, o que ela perde, o que, mesmo com terapia e medicação, nunca conseguirá recuperar:”O pedaço faltante”. Sim, o que eu ouço da maioria das vitimas de abuso é que o agressor toma algo delas, arranca um pedaço, fica algo ali com ele que, por mais que ela sobreviva (que não é o mesmo de viver), nunca voltará. E vê-lo além de preso, castrado, seria sim o meu sonho e, creio eu, de todas as mulheres que já sofreram dessa violência sórdida e cruel.

Mas não foi só isso que este belíssimo episódio mostrou. Finalmente, o conselho tutelar inocentou a Liv das acusações de abuso contra os filho, mas a pobre mal respirou e já levou outra porrada com a volta de Langan (Peter Hermann), seu advogado no processo de adoção de Noah, trazendo a notícia que a mãe biológica do menino mentiu ao dizer que não tinha parentes vivos e seus avós biológico estão bem ali, em Nova Iorque.

A avó materna entrou com uma ação pedindo a anulação da adoção e a guarda no neto. Não preciso dizer que o Mundo da Olivia caiu, né? Pensa? Só de imaginar a possibilidade de perder o filho já deixou nossa Tenente em pânico. No desespero, Liv culpou o advogado, disse que ele não havia feito seu trabalho direito e, mesmo com Langan afirmando que não havia mérito no processo da avó biológica, o medo ficou evidente no rosto dela já que, como ela disse, “todos sabemos que a juíza acelerou o processo de adoção do Noah”.

Não satisfeito em ter arrancado o coração da Tenente de seu peito, Dick Wolf dá sua cartada final, e termina o episódio com a avó (Brooke Shields) batendo na porta do apartamento de Olivia e Noah. Posso dizer que tive um mini infarto naquela hora, imagina ela?

Pois bem, o que nos resta é esperar o desenrolar dos próximos episódios e rezar aos deuses das séries para que nossa heroína não perca o mais puro amor de sua vida.

Mãe de 3 princesas, de 2 anjos de 4 patas e esposa dum homão da porra! Mantenho a mente sã legendando e assistindo série. Sempre tento ver as coisas pelo lado bom e espero sempre o melhor dos outros. Brasileira, mineira e feliz, Uai!