Legends of Tomorrow – 2×12 – Camelot/3000

Imagem: TV Show Time
Imagem: TV Show Time

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

Mais uma semana se passa e podemos perceber a nítida evolução da série nesta transição de temporada. Os episódios estão mais coesos, consolidados, menos entediantes. A união da equipe foi um ponto chave para que isso se tornasse realidade. Agora, nossas lendas são uma família e defendem uns aos outros com unhas e dentes. As mudanças de direção da equipe também foram cruciais para esta evolução mencionada. O episódio em si nos mostra como a equipe trabalha bem melhor quando está conexa com a situação. “Camelot/3000” traz uma das temáticas que mais me chamaram a atenção desde o retorno, com grandes retornos e acontecimentos importantes.

Continua após a publicidade

A lenda do Rei Artur foi um dos contos que eu mais escutei na infância. Os Cavaleiros da Távola Redonda eram temática de diversos desenhos e noites literárias. A adaptação heroica televisiva em LoT foi incrivelmente bem estruturada. A apresentação dos personagem, o enaltecimento de Guinevere como comandante principal de Camelot, as fragilidades de Artur, a adaptação de Merlin… Tudo foi muito bem encaixado na trama para correlacionar com o eventos do plot principal. Essa coisa de dividir a Liga do Mal na vilania dos episódios está funcionando bem, ao meu ver. Não temos aquela disputa de ego que pode levar ao tédio ou monotonia por entre os vilões.

Continua após publicidade
Imagem: TV Show Time

Nossa querida SJA está de volta nesse episódio. Depois de ver o Doutor Meia Noite cruelmente assassinado por Rip e me surpreender com a presença de Stargirl no passado como Merlin, reascendi minha vontade de um spin-off. Foi interessante a jogada da divisão da Lança e a correlação com a SJA. Espero ver um pouco mais sobre a organização que deu origem aos grandes heróis que conhecemos hoje. Ainda estamos naquele projeto de juntar peças, mas o plot vai se afunilando para um desfecho. A Lança está quase completa e os efeitos de sua utilização poderão mudar o universo DCW, independente de quem a use.

Vendo Rip como vilão, estou criando certa empatia pelo personagem. Acredito fielmente que ele se deu muito melhor nessa vertente, e nem precisa de um fim mortal e trágico na série. Podemos tê-lo presente por mais algum tempo, mas na vertente bad boy. Como capitão não o quero mais, pois já temos Sara Fucki** Lance na jogada. Sua adesão a Liga do Mal foi bem trabalhada, e espero que trabalhem mais do vilão nos próximos episódios. Aquela cena final do “Hello Gideon” ainda me arrepia. Só de pensar que ele pode tomar o controle da nave já me desespera um pouco com a forma que irão conduzir o próximo episódio.

Continua após publicidade

Mesmo que de uma forma coadjuvante, nossas lendas fizeram e aconteceram neste episódio. Mick descobriu que sua mente é uma das mais poderosas da equipe, e isso foi muito divertido. Ray conquistou seu título de Sir, e realizou seu sonho de infância. Sara conseguiu roubar a cena com o beijo em Guinevere, mas isso já estava escrito desde a primeira cena das duas, uma vez que  a tensão sexual é inegável. E o que foi aquilo de Sara Lance-a-lot?? Como não chorar de rir com essa gigantesca referência??

Ficamos por aqui hoje com a transmissão de mais um episódio. A próxima semana promete se restringir aos conflitos internos da Waverider. Espero que tudo fique emocionante e bem trabalhado para não morrer na monotonia após esse crescimento dos últimos episódios. Espero que vocês tenham gostando e continuem acompanhando o Mix para mais novidades. Até lá… 😀

[spacer height=”20px”]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=PkTemJbcbqE [/youtube]