Legends of Tomorrow – 3×03 – Zari

Imagem: TV Time/Divulgação

O futuro chegou e trouxe grandes novidades nesta semana. Legends continua com sua ascensão pessoal de qualidade, visto que o foco cômico ainda está muito em voga. Já disse inúmeras vezes, até mesmo em outras temporadas, como esse é o real ponto forte da série. Os produtores estão conseguindo trabalhar de forma coesa e leve uma terceira temporada que vive a instabilidade só pelo nome que carrega. Mesmo que a trama em si ainda não esteja bem fixada, o que nunca foi na verdade, a série tem uma desenvoltura interessante ao redor de seu foco principal. Cada episódio é tratado e trabalhado como único e isso confere um viés positivo a produção quando nos remetemos a qualidade.

E não é que a história de Amaya começou a se desenvolver bem? Claro que a presença de Tracy Ifeachor como Kuasa facilita muito a conexão. Aquela cena da atriz lutando contra Sara foi digna de LoT. Mas se você ainda está se perguntando quem realmente é Kuasa, vou tentar resumir aqui. Depois do grande sucesso de Vixen no Arrowverse, a CW resolveu contar um pouco mais da história da personagem em formato animado. O show foi um grande sucesso e resolveram trazer a personagem para a série agora. Na realidade, Kuasa é neta de Amaya e morreu em uma missão ao lado da irmã, Mari/Vixen. Por isso todo o processo de ressuscitação pelo misterioso de capa. Resumos a parte, seria interessante a você, que é fã da série, dar uma conferida no desenho animado para ficar ainda mais inteirado do que estamos falando…

Continua após a publicidade

Não só de vilões se fazem novos personagens. Parece que teremos mais uma componente no time de Lendas. Zari começou o episódio como pseudo-vilã e o fez bem. Mas tudo não passou de um momento e percebemos seus pontos fortes e fracos logo de cara. O seu apego familiar está presente e ainda acredito que ela possa ser uma descendente direta de Mari, pois no fim tudo acaba em brigas de família. A presença da personagem na série pode aflorar uma grande preocupação minha dentro do parâmetro LoT: o romance. Tenho medo de tentarem mais uma vez colocar alguém ao lado de Ray Palmer e o drama mimimi voltar a acontecer. Vamos torcer para que saibam trabalhar bem com essa adição e que não dramatizem uma série que está caminhando tão bem esse ano.

Imagem: TV Time/Divulgação

Já que mencionei o Eléktron ali em cima, porque não focarmos um pouco no rapaz?? O próximo episódio vem trazendo um pouco mais da história de sua infância. Primeiro que aquela cena da bicicleta não poderia me lembrar mais Stranger Things do que já o fez, e justamente na semana de sua estreia. Depois que fizeram uma escolha de elenco impecável, pois o garoto realmente lembra o nosso herói com seu jeito carismático e amigável de ser. O trailer traz um pouco mais de informações a respeito desse encontro entre lenda e anacronismo, e suas repercussões para o futuro.

“Prison Break, I’m in!” É disso que eu falo quando menciono os grandes pontos chave da temporada. Não sei se realmente eles estão investindo mais em grandes referências ou se eu passei a observá-las em maior escala. O fato é, ouvir esses pontos de link com nossa cultura traz certa afetividade para quem assiste. Mick é um dos grandes personagens responsáveis por esse feito e, com certeza, se tornou um dos maiores pilares que seguram a estrutura da série. É inegável a falta de Wentworth Miller (Captain Cold) nestes momentos, mas é muito prazeroso ver o grande parceiro evoluir na série por conta de seu carisma e brilhante representação.

Aguardo vocês na próxima semana para mais um episódio, e continuem acompanhando as novidades e reviews aqui no Mix. Um abraço e até lá! 😀

Time Notes: Gideon falando Bitch no meio do episódio. Amo essa máquina! <3

Time Notes 2: O chá alucinógeno em Nate foi um dos pontos auge do episódio!! E o melhor é Sara sugerindo um Fidget Spinner para controlar o rapaz.

Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

No comments

Add yours