Limitless – 1×15 – Undercover!

Imagem: IMDb/Divulgação

Imagem: IMDb/Divulgação

Continua após as recomendações

 

Que Limitless tem tido maus momentos é inegável. A qualidade dos episódios varia, a obcessão de Rebecca em tentar ligar o Senador Morra com o NZT está se tornando patética e é claro – tirando partes do episódio passado – os charmes da série que nos cativou logo na estreia, em setembro passado, já não são mais os mesmos.

Continua após a publicidade

Entretanto, “Undercover!” – embora parcialmente redundante por reciclar parte da estética apresentada em “Headquarters!” – já começa o episódio fazendo jogos narrativos interessantes. A ideia de inserir esse tom de “atos”, como se fosse um romance policial, além de trazer essa noção de filmagem dentro da filmagem, quebra com aquilo que já nos habituamos a ver, e pelo menos, em termos de procedural, nos apresenta o que parece ser um bom caso, já que o vazamento de listas de agentes disfarçados é sempre algo com os níveis certos de tensão, mais ainda quando isso leva a uma trama que aborda tráfico sexual e humano.

Achei simplesmente fantástico que, antes mesmo que Brian tivesse a oportunidade de dizer, Boyle já tenha acrescentado à exclamação no fim de undercover. Desde os eventos em “This Is Your Brian On Drugs” a relação desses dois parece ter sido comprometida – e mesmo que não tenha sido, todo o subplot Rebecca-Morra tomou muito tempo do sidekick Boyle. É bom ver que ele ainda conhece Brian e suas manias nos mínimos detalhes.

Mas enquanto Brian e sua nova parceira temporária – que, por sinal, forma um ótimo par com ele – estão se preparando para a sua missão disfarçada, Rebecca compartilhou um plot como ninguém menos que o Sr. Sands, que mais parece regular do que recorrente, considerando o número de episódios em que ele apareceu nesta segunda metade da temporada.

Na verdade, a caçada de Rebecca agora parece ser aquilo que teremos que aturar pelo resto da temporada, já que Sands está espionando a agente e deixou bem claro que matá-la é sim uma opção viável.

No fim das contas, a missão com Lucy Church foi sim interessante, embora tenha sido só mais um procedural. A simplicidade charmosa de Limitless começa a cansar, talvez porque as tentativas da série de estabelecer um plot que possa carregar a série até a finale não estão sendo muito boas. Agora só nos resta aguardar para descobrir o que o próximo episódio nos reserva. See you there!

PS 1:“That happens to some people. They get addicted to being somebody else.”. Só eu acho que Rebecca não estava falando só sobre Lucy Church?

PS 2: O número de dança foi, sem dúvida alguma, a coisa mais engraçada que a série fez até agora.

Nenhum comentário

Adicione o seu

Tags Limitless