Madam Secretary – 3×20 – Extraordinary Hazard

Imagem: Global TV/Reprodução

Continua após as recomendações

Com o argumento errado utilizado no episódio anterior, “Extraordinary Hazard” vem para consertar tais erros e estabelecer uma linha narrativa muito interessante para os últimos episódios da temporada. É verdade que o roteiro tirou completamente o foco do núcleo familiar, mas a trama principal ficou mais robusta, passiva de ser levada a sério e comprometida em passar uma mensagem minimamente construtiva.

Imagem: TV Buzer/Reprodução

Continua após a publicidade

É verdade que essas séries, por mais que bebam da fonte “vida real”, não têm qualquer compromisso com a realidade, mas em tempos de Trump, é sempre bom assistir uma atração que reafirme ao telespectador que diplomacia é sempre o melhor caminho a ser seguido e que compensa e que todos os atos de um servidor público tem sim consequências. Tais garantias estão presentes nesse episódio, com o adicional de boas performances e diálogos decentes.

Perdoem meus spoilers, mas gostei da ideia de Jay ter sido o tal oficial do governo americano sequestrado por um grupo inicialmente não identificado. O personagem precisava de uma atenção maior depois que o roteiro fracassou em construir uma trama familiar interessante de se assistir, tal qual o ator que vem pedindo um espaço maior. Já vimos o enorme talento de Sebastian Arcelus em House of Cards, então precisamos dele novamente para reforçar o elenco de coadjuvantes.

Diferentemente de situações anteriores onde os roteirista propuseram resoluções rápidas e pouco inteligentes para arcos cheios de potencial, confesso que gostei muito de como escolheram trabalhar e concluir a narrativa do sequestro. Téa Leoni foi a maior beneficiada em toda essa situação, pois mais uma vez vemos o quão sensacional essa atriz é e que consegue fazer tudo o que o roteiro propõe para sua personagem.

Pode ser um detalhe, mas numa semana onde os franceses escolhem seu próximo Presidente, termos um episódio que mostra a necessária cooperação dos Estados Unidos com a França soa como aquela cutucada suave que os roteiristas já fizeram algumas vezes.

Nenhum comentário

Adicione o seu