Marvel’s Agent Carter – 2×05 – The Atomic Job

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Captura de Tela/Reprodução

Continua após as recomendações

 

Timing – e as ironias derivadas dele – sempre foi uma coisa fundamental para qualquer série, e Agent Carter não foge a essa regra. A série chegou à metade de sua temporada, e claramente isso exigia um evento marcante, e Whitney Frost – quem estamos enganando, vamos dizer Masque porque agora só falta à máscara propriamente dita – se assegurou de nos entregar exatamente isso.

Continua após a publicidade

Nesta semana, a Madame Masque to be nos surpreendeu completamente. A antiga estrela – e agora assassina e violadora de cadáveres – decidiu que precisa de mais para zero matter para matar a fome, e só uma ogiva nuclear pode ajudá-la a conseguir o que ela quer. Acho que essa progressão acelerada da personagem na vilania promete muitas surpresas. Pelo menos o tom de supervilã ela já tem – aquele “People thought Galileo was insane” dela foi de arrepiar.

É claro que a moça ainda é um vilão mais refinado e ainda em progresso, mas a série não nos deixou sem o clássico gangster dos anos 50. Certo, o Joseph Manfredi apresentado aqui parece ser bem diferente daquele apresentado nos quadrinhos – que é filho do Cabelo de Prata e adotou a alcunha de Asa Negra nos seus tempos de supervilão – mas é uma referência ao MAGGIA, o sindicato de mafiosos que todos nós queríamos ver em algum lugar do MCU. É um gancho que pode muito bem ser aproveitado em outras partes (pelo menos televisivas) do universo.

A produção parece ter ouvido as reclamações da internet e resolveu trazer Violet de volta para a série – e talvez da melhor maneira possível. Peggy parece estar muito bem com o Dr. Wilkes – mesmo que eu ainda ache ele meio suspeito, mais ainda agora que ele está absorvendo zero matter – e nada mais justo que Sousa finalmente conseguir fazer o seu pedido de casamento, da maneira mais desajeitada (e fofa) possível. A moça também (finalmente) descobriu a verdade sobre os sentimentos de Sousa, o que significa que talvez tenhamos mais a explorar no subplot do noivado.

Noutra parte da cidade – e quando você pensa que Peggy não pode mais nos surpreender – a dupla Carter-Jarvis agora entrou no ramo de roubar cadáveres, e a nossa heroína arrancou gargalhadas ao não só sugerir que Jarvis entre na ventilação com ela, mas por saber das especificidades das gravatas dele. Ainda sobre a nossa dupla favorita, o momento de Peggy e Jarvis analisando as opções de invasão para o prédio da Roxxon foi sensacional. Se eles não estivessem discutindo uma situação complicada com consequências reais, o “and kill us all” deles teria sido ainda mais engraçado.

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Captura de Tela/Reprodução

É claro que a trama não poderia passar sem uma dose básica de alívio cômico, e desta vez, foi a nossa adorada Agente Carter que ficou responsável por isso. Foi impagável vê-la usar o inibidor de memória várias vezes. O personagem de Ray Wise geralmente só aparece como vilão, e transformá-lo num alívio cômico foi a cereja do bolo para nos fazer morrer de rir.

O momento assemble do Team Carter – com slow walk que deixaria Tarantino e seu Reservoir Dogs orgulhoso – foi excelente. Ao som de “Pistol Packin’ Mama” (cantada por Bing Crosby and the Andrews Sisters), Peggy mais do que nunca nos lembrou dos motivos para amar essa série, além de resgatar o charme anos 50 que torna as katharsis muito melhores.

A ação em campo em si foi bem melhor do que era esperado. Rose estreou em suas ações de campo mostrando que girlpower está em todos os lugares, sem perder o charme ou as piadinhas. Foi uma excelente escolha de momento para utilizar melhor a personagem – standing ovation para a produção. Jarvis roubou a cena por ter suas habilidades e coragem testadas ao ter que lidar com as bombas, e acho que nem precisa dizer o #OlhaEla sobre Whitney. Estava mais que subentendido.

Como a promo nos mostrou, Peggy acabou se ferindo, mas poderia ter sido bem pior. Mas a nossa garota deu uma bela cabeçada na vilã, e pelo que parece – numa cena que me lembrou muito Jessica Jones – ela não foi muito afetada pelo voodoo de Whitney e sua zero matter. Na verdade, o Netflix teve sua cota de referências, já que também tivemos um momento “no hospital”, bem Daredevil.

“The Atomic Job” fez exatamente aquilo que eu esperava e conseguiu armar um bom cenário para o resto da temporada. O cliffhanger deixado pelo desaparecimento do Dr. Wilkes e pela repentina ligação de Cal para o Conselho deixa várias possibilidades no ar, e pela promo do próximo episódio, que será duplo e terá o retorno de ninguém menos que Dottie Underwood, o melhor ainda está por vir. Au revoir!

PS 1: “Ah. I’ve seen bigger.”. Rose já chega mitando!

PS 2: “For the record… that was nothing like baking a soufflé.”. Ah Jarvis, mas você arrasou mesmo assim.

PS 3: “You know, these adventures… They’re only enjoyable if you return from them, Miss Carter.”. Jarvis melhor pessoa, sim ou claro?

PS 4.: Já que Violet voltou, será que é pedir demais que tragam Ana Jarvis de volta? #WeMissHer

 

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=5yG7S4XCUT8 [/youtube]

Nenhum comentário

Adicione o seu