Marvel’s Agent Carter – 2×10 – Hollywood Ending – [SEASON FINALE]

Imagem: Arquivo Pessoal/Richard Gonçalves.

Imagem: Captura de Tela/Reprodução

Continua após as recomendações

 

“It wasn’t exactly the trip I expected it to be” Carter, Peggy.

Rir e chorar. Talvez a maior dicotomia proposta por essa finale – ainda season, pelo menos até que a ABC anuncie o contrário – de Marvel’s Agent Carter seja essa. Por um lado, é impossível não sentir uma pontada de tristeza pela possibilidade dessa ter sido a nossa despedida final da adorada Peggy Carter (pelo menos nas telinhas), mas também é impossível não rir horrores com a volta de Howard Stark e sua dinâmica espetacular com Jarvis. Numa única cena, num único diálogo, eles conseguiram ser um dos melhores alívios cômicos da semana:

Continua após a publicidade

“ – Jarvis, you just hit a woman with my car! […] She’s a two-time Oscar nominee.

– Miss Frost is quite resilient. She’s fine. Trust me.”

Imagem: Arquivo Pessoal/Richard Gonçalves.

Imagem: Captura de Tela/Reprodução

É claro que este não foi o único excelente momento entre Jarvis e Howard. Na verdade, se não fosse pela beleza de Hayley Atwell, o episódio teria sido carregado por essa dupla. Eu, e acredito que a maioria, não conseguiu não morrer de rir quando, enquanto todos se preocupavam com Whitney e com a fenda, Howard Stark se distraia jogando golfe com a fenda, e dando mais uma oportunidade a Jarvis de reinar. O seu “Sir… we are standing before an incomprehensible rip in the fabric of our world. Use the 7-iron.” foi uma das coisas mais engraçadas já ditas na TV.

E o que dizer dessa repentina mudança de Manfredi? Entendo que um homem apaixonado pode ir a extremos, mas fiquei chocado que ele tenha decidido procurar Carter, e mais ainda que ele seja um verdadeiro bro de Howard Stark, que se provou (mais uma vez) o legítimo pai de Tony. Roubar a ideia de um outro gênio foi ótimo, mas não chegou aos pés da piada de Jarvis sobre como Howard obteve sucesso (“drinking copious amounts of alcohol and cavorting with loose women.”).

ADOREI, isso mesmo, em grandes letras maiúsculas, a maneira como Peggy manipulou o ego das “três mentes mais brilhantes da Terra” para conseguir que eles trabalhassem em como deter Whitney ao invés de se dedicar a nomenclatura da máquina. Mesmo que o lado mais feminino da personagem seja sempre evidenciado pela série, mais ainda quando ela é contrastada com outras mulheres tão intensas quanto ela, fazê-la usar um truque tão feminino foi sim uma ideia excelente da produção e até Jarvis concorda com isso.

Que foi uma temporada excelente é inegável, e que a série poderia continuar por tantas temporadas quanto quisesse é outra verdade. Mas infelizmente, os sinais de um cancelamento (precoce) estão todos aí, e não podemos ignorá-los, mais ainda agora que chegamos ao final da temporada. Entretanto, e talvez para nós que talvez fiquemos órfãos da série, a própria Peggy nos deixou uma mensagem excelente. Tivemos uma boa jornada até aqui, e ela realmente nos ensinou que “dwelling on what might have been… it’s no way to live.”. E acho que, assim como ela está feliz por ter conhecido o Dr. Wilkes, nós todos fomos muito felizes no tempo que tivemos para conhecer melhor Peggy Carter.

“Hollywood Ending” seguiu o que o título prometeu ao pé da letra. Primeiro tivemos o beijão de Peggy e Sousa – FINALMENTE BRASIL! – e depois, para deixar aquele gostinho de quero mais, somos chocados com o roubo do arquivo sobre Peggy e a aparente morte – inacreditavelmente terei que dizer “infelizmente”, porque ele se redimiu o suficiente para não merecer um final assim – do Chief Thompson.

Certamente foi um cliffhanger digno de uma Season 3, e eu torcerei para que isso aconteça – e espero que vocês também. Mas por hora, deixo o meu adeus, e um gigante muito obrigado para todos que acompanharam as reviews. Au revoir!

Nenhum comentário

Adicione o seu