Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. – 4×01 – The Ghost

Imagem: Banco de Séries
Shield4x01-Rikk-BdS
Imagem: Captura de Tela/Reprodução

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. retornou com tudo em sua quarta temporada e, a premiere já condensou, numa taca só, muito do que apontei nas minhas expectativas (você pode conferir esse texto aqui) para essa nova fase da série – que provavelmente se estenderá além do arco Ghost Rider/Vengance.

Continua após a publicidade
Imagem: Banco de Séries
Imagem: Captura de Tela/Reprodução

“The Ghost” começou com tudo o que eu imaginei. Um ritmo muito mais acelerado, um tom sombrio que se estende da paleta de cores aos personagens… Enfim, todo um conjunto narrativo estético para acomodar não só o novo Arco, mas as consequências do que aconteceu na temporada passada. E, como bônus, a série já abriu a temporada nos dando uma mostra excelente da decadência de Daisy e da qualidade do Ghost Rider. A cena do “em chamas” dele foi tão boa quanto o momento de “preparação para a batalha” de Daisy. Ver que os poderes dela voltaram a cobrar seu preço e que, ao mesmo tempo, ainda existem coisas lá fora que podem surpreender até mesmo alguém com um histórico como o dela foi uma grande sacada para construir melhor a verossimilhança da temporada.

Continua após publicidade

Foi um começo realmente positivo em certos núcleos da série. May, por exemplo, parece não só estar melhor do que nunca como ter trazido o modo Cavalaria de volta permanentemente. Gostei de ver que, assim como foi na primeira temporada, quando seguia as ordens de Fury, May está disposta a trabalhar contra a cadeia de comando, desobedecendo ao Diretor e dar a Coulson a chance de encontrar respostas antes que a caça as bruxas possa chegar a Daisy/Quake.

Os problemas no paraíso Fitz-Simmons também ficaram mais evidentes do que eu esperava, bem como a clara desconfiança que temos de ter com Simmons. Está na cara que ela fará a vontade do Diretor, mesmo que isso signifique colocar os “amigos” em perigo. Ao mesmo tempo, como imaginei, Fitz também não está acima da linha de segredos perigosos. Até porque, agora que ele é bff de Radcliffe e que teve o seu primeiro encontro com AIDA, duvido que a curiosidade cientifica dele vá deixar que ele reporte os Life Model Decoys.

Continua após publicidade

Enquanto isso, achei muito bom rever Yo-yo para que as consequências do Acordo de Sokovia sejam trazidas a série. Veremos a influencia desse resultado de Civil War mais diretamente aqui, especialmente por lidarmos com Inumanos repetidamente em S.H.I.E.L.D. – Inumanos que, pelo que parece, tiveram que concordar com o Acordo assim como os Vingadores. É claro que, a tensão sexual entre Mack e Yo-yo foi mais um bônus para essa sequência, e espero que os próximos episódios aprofundem isso. Quem lê minhas reviews sabe que não sou o maior fã de Mack, e que Yo-yo é uma das únicas coisas que faz a presença dele tolerável, então será bom ter mais desses dois juntos, mesmo com as limitações.

Na verdade, Yo-yo foi uma surpresa a parte. Não imaginei que ela pudesse estar trabalhando com Daisy, muito menos que ela estivesse disposta a ajudá-la, especialmente considerando o fator Mack. Decididamente, a personagem de Natalia Cordova-Buckley ganha pontos comigo a cada aparição.

Como um todo, o retorno de Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. cumpriu tudo o que prometeu. O tom sombrio que justifica a mudança de horário, uma energia mais sangrenta e um Ghost Rider que valeu cada segundo de espera foram decididamente boas escolhas para formar o tecido da premiere. É claro, tiveram seus defeitos. A série tentou deixar excessivamente claro que tecnologia e mágica se misturarão intensamente no MCU a partir de agora, o que acabou deixando a transição de AIDA para uma caixa mágica com o que eu suponho ser um espírito de Vingança (que infectou May) acabou deixando a desejar, porque ficou realmente óbvio que a série jogou informações demais de uma vez só, para poder destrinchá-las nos próximos episódios. Mesmo assim, a ideia de dar a Agents of S.H.I.E.L.D. um tom mais sexy e sombrio – talvez para ficar em maior sintonia com as traquinagens que o Netflix acrescentou ao MCU – parece funcionar, e já aguardo ansiosamente por “Meet the new Boss”. Nos vemos lá!

[spacer height=”20px”]

P.S.: Senti falta das piadas sobre aparatos clássicos de espionagem. Uma caneta explosiva à la James Bond? Até eu quero uma.
P.S.2.: ADOREI o antagonismo entre May e Simmons. A nossa Cavalaria sempre diz coisas que eu gostaria de dizer, esse tom de desprezo que ela usou com Simmons é um começo significativo do que a “Conselheira” está merecendo.
P.S.3.: A mão do Coulson continua um excelente alívio cômico… Um escudo na temporada passada, uma “visão” de raio-x nesta… me pergunto que outros gadgets serão acrescentados.

[spacer height=”20px”]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=ICfSaUpORpg [/youtube]