Mix de Opiniões: A estreia de Marvel’s Iron Fist

A Marvel e a Netflix completam a quadrilogia prometida que daria caminho para sua aguardada produção, Marvel’s The Defenders, que unirá os heróis Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro. Este último, finalmente, estreia no serviço de streaming com sua série solo, e promete dividir opiniões.

De regresso a Nova Iorque, após ter estado desaparecido durante anos, Daniel Rand – interpretado por Finn Jones, de Game of Thrones – luta contra o crime que corrompe Nova Iorque com a sua incrível mestria de kung-fu e a sua habilidade espantosa de convocar os poderes do Punho de Ferro.

Os colaboradores do Mix de Séries se uniram para discutir a estreia da série – que já teve Preview aqui no blog.

Continua após a publicidade

Antes de ler a opinião de alguns dos nossos colaboradores, entenda como funciona nosso sistema de notas aqui no Mix de Opiniões.

[Anderson Narciso, editor]: Quem me conhece, sabe: eu tenho uma certa aversão à Marvel. Muitas de suas produções me incomodam, principalmente pelo excesso de humor pastelão – que mascara, muitas vezes, péssimos roteiros. Entretanto, há produções que se salvam, como a franquia do Capitão América e o divertido Guardiões da Galáxia, que contrastam e sabem, na dose certa, se inserirem neste universo. Quando a Marvel veio para a Netflix, me assustei por me ver tão envolvido em produções como Daredevil ou Jessica Jones, que destoavam – bastante – do tom cinematográfico. Com a estreia de Luke Cage, voltei a me sentir incomodado, mas desta vez pela lentidão e a forma como as histórias foram conduzidas. Sobre Iron Fist, tenha certeza, você ouvirá o mesmo. Mas ei, muito disso foi dito em relação ao ano 01 de Daredevil e, talvez, seja essa a conexão que me fez gostar da série do Punho de Ferro. Assim como Daredevil, é uma série de origem, e é preciso tempo para explorarem as motivações de Danny Rand, descobrir o que aconteceu a ele, para então vermos sua sede de justiça, que se reflete nas habilidades do Punho de Ferro. O piloto, ao meu ver, é incrível, tendo tido uma pequena sequência de episódios um tanto lentos, mas necessários para conduzir a trama a um espetáculo de fotografia, lutas bem coreografadas e uma boa história, com um elenco bem carismático (ponto fraquíssimo de Luke Cage e Jessica Jones, ao meu ver). É um bom entretenimento e prepara, muito bem, o terreno para Os Defensores. [Nota: 87]

[Bernardo Vieira, colaborador do Mix] Iron Fist é mais uma série que vem para reforçar o grande poder da Marvel Studios na indústria do entretenimento. Não é pouca coisa. Ainda mais sendo precedida por séries de grande qualidade na Netflix, como “Jessica Jones” e “Demolidor”. Porém, acredito que Iron Fist falha, pelo menos nesses episódios divulgados à imprensa, ao tentar ser séria demais, engessada quanto aos seus objetivos e histórias e carregada dramaticamente. Não defendo que os roteiristas bebam na fonte comédia-pastelão da Marvel, mas que possamos assistir a algo que seja bom, de qualidade e despretensioso. Não acredito que Iron Fist seja essa catástrofe que a imprensa americana diz, mas também não é o primor de outras parcerias entre a Netflix e a Marvel.

[Melina Galante, colaboradora do Mix] Marvel’s Iron Fist veio com uma responsabilidade muito grande de fechar um ciclo de produções individuais dessa excelente parceria que se construiu entre Marvel e Netflix. Tarefa complicada, diante do enorme sucesso tanto de Marvel’s Daredevil quanto de Marvel’s Jessica Jones e diante de um grande impacto trazido por Marvel’s Luke Cage. Essa tarefa, inclusive, se torna mais complexa ao considerar que Iron Fist também é aquele último carro antes da grande apoteose, que será Os Defensores. Durante o primeiro episódio fiquei me perguntando se a série estava cumprindo o seu papel e se Danny Rand seria tão cativante quanto seus antecessores. Confesso também que a interpretação bastante canastrona de alguns personagens incomodou bastante, como Ward Meachun. Ainda sobre o elenco, faltou certo entrosamento no começo, ponto que reforçou um incômodo provocado por um ritmo demasiadamente lento da narrativa. Passado esse primeiro contato, porém, se entende que essa lentidão faz parte de uma manifestação interior do próprio Danny, que vai se alterando conforme a história avança e conforme ele vai se adequando à nova dinâmica com a qual ele se depara ao retornar para casa. Respondendo a minha própria pergunta, Iron Fist parece que não superará as outras, mas fica uma confiança de que Danny e companhia darão conta do legado.

Veredito:

E você? Vai perder Iron Fist? A quem interessar, a série está disponível na Netflix a partir do dia 17 de março.

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Criador, editor e redator do site Mix de Séries, é apaixonado por séries desde sempre. Fã incondicional de One Tree Hill, ER, Friends, e não perde um episódio da Franquia Chicago.

No comments

Add yours