Mix de Opiniões: o piloto de Mozart in the Jungle.

mozartmix

Mozart in the Jungle de Paul Weitz (About A Boy), Roman Coppola (The Darjeeling Limited), Jason Schwartzman (Moonrise Kingdom) e Alex Timbers (Peter and the Starcatcher).
Data de exibição: 02/Fevereiro.

Este é um dos pilotos da Amazon que irá receber temporada completa.

Sinopse: Sexo, drogas e música clássica, o que acontece por trás das cortinas na sinfonia pode ser tão cativante quanto o que acontece no palco. A história acompanha dois personagens: Rodrigo (Gael Garcia Bernal), um jovem talentoso que acabou de se tornar regente de uma orquestra sinfônica de Nova York, onde ocupará o lugar do veterano Thomas (Malcolm McDowell, Franklin & Bash, Community). E Hailey (Lola Kirke), uma jovem oboísta que está iniciando em sua profissão. Dividindo-se entre concertos clássicos e festas regadas à cocaína e sexo.

Continua após a publicidade

Lembrando para quem não conhece… No Mix de Opiniões, cada colaborador, além de fazer sua mini crítica, escolhe uma nota, entre 0 e 100, para qualificar o objeto de debate, de acordo com o quadro a seguir:

notas-completas

 

nota-didi[Diógenes Ternero, colaborador do Mix] Mozart in the Jungle tem tudo para dar certo e um potencial altíssimo de ser um grande sucesso. A série é um presente para apaixonados por instrumentos e música clássica, então nós agradecemos a Amazon por aprovar Mozart in the Jungle. O episódio piloto é bom, porém ao terminá-lo de assistir, é notável que terão muito trabalho pela frente para que tudo isso dê certo. A série tem como foco a vida de alguns músicos que estarão envolvidos com a nova orquestra do jovem maestro Gustavo. O drama na vida de um músico é bem presente e era exatamente isso que a série tinha que focar. Existem diversas formas de explorar e talvez por ter tanto drama envolvido, os produtores optaram por inserir elementos de humor. É nesse momento que o piloto deixa a desejar, pois forçaram cenas engraçadas na tentativa de colocar humor, porém falharam. É necessário fugir um pouco disso no decorrer da temporada, pois em momentos de drama, a qualidade do episódio aumentava absurdamente. É preciso entender que não precisa do humor para fazer as pessoas rirem nessa série, pois tem como tema central a “música”, que faz qualquer um sentir-se feliz. Outro problema sério nesse piloto foi a curta duração, que deveria ter sido um pouco maior, principalmente por ser um episódio piloto e que serve para apresentar a série para o público. Isso foi um problema, pois foi tudo muito rápido e com muita coisa jogada e as vezes sem sentido.

O ponto forte do piloto é a música, tema principal da série, que é executada com perfeição e com belíssimas cenas instrumentais. Esse ponto realmente desperta um interesse para continuar acompanhando a série, pois é tudo feito de uma forma tão sublime, que fica impossível não fechar os olhos e desejar que a cena nunca termine. Com certeza a série irá reservar momentos memoráveis como a cena inicial do piloto.

O elenco é absolutamente espetacular e responsáveis por criar personagens extremamente carismáticos. Gael García Bernal interpreta o jovem maestro Gustavo e teve uma atuação extremamente apagada nesse piloto, não mostrando totalmente o seu potencial como ator. Malcolm McDowell foi bem melhor em sua atuação, como o maestro Thomas, que está sendo substituído por Gustavo. O grande destaque fica por conta da bela e carismática Hailey, interpretada pela desconhecida Lola Kirke. E para completar o elenco, tem Saffron Burrows (Victoria Hand de Agents of SHIELD) sendo maravilhosa com seu violoncelo.

Roman Coppola e Jason Schwartzman terão muito trabalho pelo frente, mas se colocarem o drama em primeiro lugar, teremos uma série maravilhosa para acompanhar.

 

nota-doug[Douglas Couto, colaborador do Mix] A ideia de fazer uma série sobre os bastidores do mundo da música clássica é fantástica. A série teria bastante potencial dramático explorando os dois extremos: o homem prodígio e bem sucedido que acabou de assumir o lugar do antigo regente; e a mulher, jovem oboísta que está iniciando sua carreira e tem uma vida conturbada. Todas as peças do show servindo como analogias à uma sinfonia. Eu fico na torcida para que Mozart in the Jungle vá mais para esse lado, o problema é que a série tem selo comédia, e ao tentar, não se da tão bem o que – confesso – me desanima um pouco. Acredito que a curta duração não ajudou, algumas cenas pareciam bem desorientadas. Porém outras foram bem interessantes de ver – ou ouvir – como a batalha dos instrumentos de sopro. Vale citar o plano de fundo musical durante boa parte do episódio.

O elenco é muito bom e o show ganha bastante com a experiência do ator Malcolm McDowell. O protagonista Gustavo (Gael Garcia Bernal) não apareceu muito, mas as cenas da audição foram boas, porém #MozartDisapprove. E o outro lado da história temos Hailey (Lola Kirke) que mostra um lado interessante na série: que deve explorar suas tentativas de se estabelecer na sinfonia, ao mesmo tempo em que tenta arrumar sua vida.

 

nota-luis[Luis Carlos, colaborador convidado] Tem potencial, porém, depende muito de como vão fazer essa abordagem da música clássica. E estou curioso pra ver o rumo que essa série tomará, primeiro: deveria ter mais que 30 minutos, se for comédia como existem rumores de que será, tudo bem. Mas se for drama (o que espero), deveria ter uma duração maior. Vou explicar, esse mundo de “música clássica” é um pano de fundo pra lá de interessante e diferente do que estamos acostumados acompanhar, nisso acho que todos concordamos. Eu espero que eles não façam dessa série uma novela, e apenas usando a música clássica como pano de fundo só pra mostrar tramas de uma “mesmice”  só, essencialmente existente em tantas outras coisas, que acabam mudando apenas os “trajes”, porém, falam da mesma coisa, sempre. Espero que tratem o tema com respeito e façam algo decente, como mostrar os bastidores de uma sinfonia de música clássica, que “humanizem” de certa forma o pessoal que é do ramo, pois não me lembro de alguma série/filme que tenha feito um retrato mostrando minuciosamente sobre eles, pois são pessoas normais, tem seus costumes e etc… Espero que mostre tudo isso, de uma maneira nada superficial. Espero que seja drama mesmo, que tenha um caminho sensível, mostrando personagens que aspiram à arte, mas que também lidam com as grandes barreiras da vida. Enfim, achei os personagens bem interessantes até agora, e que, para sorte da série tem grandes atores nessa empreitada, vamos ver no que dá. E pra finalizar, sinto que terá grandes músicas, será um deleite para todos nós.

 

[column size=”3-4″]

[skillbar title=”RESULTADO: Crítica Favorável” level=”66″]

[/column]

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

3 comments

Add yours
  1. Avatar
    Diógenes Ternero 7 abril, 2014 at 23:55 Responder

    Acredito que é geral o que a série passou com esse piloto e isso pode ser algo ruim. Digo isso, pois como é um assunto pouco mostrado em séries/filmes, então fica ainda mais difícil de chamar público. Colocar o selo de comédia em Mozart in the Jungle não é tão bom assim, principalmente por ter Jason Schwartzman, que com certeza ficará responsável por essa parte. Ele é muito bom em fazer comédia, porém tem uma forma bem peculiar, na qual não agrada muita gente. Tomará que Roman Coppola tome a frente dessa série.

Post a new comment