Mix Music #78 – 11/10 a 17/10

Mix Music #78

Continua após publicidade

[spacer size=”20″]

Continua após a publicidade

Essa semana tivemos músicas boas de todas as épocas, por isso a playlist está até meio como uma linha do tempo, para explorarmos adequadamente essa rara diversificação. E mais rara ainda é essa sequência de playlists dominadas pelos anos 80, então vamos aproveitar enquanto podemos.

Continua após publicidade

[spacer size=”20″]

[v_icon color=”#444444″ size=”18px” target=”_blank” name=”moon-headphones”] PLAYLIST DA SEMANA

Continua após publicidade

[spacer size=”20″]

1) Ed Sheeran – Photograph (The Mysteries of Laura, #2×04 “The Mystery of the Convict Mentor”)

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

Já que o que não falta na trilha das séries são músicas voz e violão de artistas que soam muito parecidos entre si, não podemos deixar de incluir na playlist o mais famoso deles que, por consequência do que eu acabei de dizer, não é nenhuma novidade por aqui. A música de Ed Sheeran é bem feita e se encaixa muito bem como trilha sonora, então não é nenhuma surpresa sua constante presença na coluna, dessa vez com a nostálgica “Photograph”.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=nSDgHBxUbVQ [/youtube]

[spacer size=”20″]

2) Still Corners – Beginning to Blue (You’re the Worst, #2×06 “Side Bitch”)

Provavelmente o mais underground dos presentes, típico da trilha de You’re the Worst, Still Corners é um projeto meio indie pop do compositor e produtor Greg Hughes e da vocalista Tessa Muray. “Beginning to Blue” segue o padrão musical que a comédia do FXX estabeleceu para si, apresentando ao público a parte da música alternativa moderna que dificilmente chegaria a ele de outra forma.

spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=ppoygttFNRs [/youtube]

[spacer size=”20″]

3) Modest Mouse – Wicked Campaign (The Blacklist, #3×03 “Eli Matchett”)

The Blacklist está se firmando como uma das séries de gosto musical mais louvável da atualidade, estabelecendo-se em algum lugar entre o underground e o mainstream com originalidade. Não é aquela coisa completamente desconhecida mas que vemos em tudo quanto é série, nem a zona de conforto dos clássicos e do popular. E a cultuada banda alternativa Modest Mouse é um grande exemplo dessa diferenciação.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=nh2JfILffH4 [/youtube]

[spacer size=”20″]

4) Pixies – Where is My Mind? (The Leftovers, #2×02 “A Matter of Geography”)

Ah, essa música… Você não precisa nem ser fã de Pixies, ou do rock alternativo dos anos 80/90, nem de rock e nem mesmo de música pra apreciar uma obra dessas, que felizmente o filme Cluba da Luta fez o favor de apresentar ao mundo. Em todo lugar onde ela toca acaba sendo o centro das atenções, e na série da HBO não foi diferente.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=SjJHH6IL3Nc [/youtube]

[spacer size=”20″]

5) New Order – In a Lonely Place (American Horror Story: Hotel, #5×02 “Chutes and Ladders”)

New Order foi a banda formada pelos membros remanescentes da emblemática Joy Division, após o suicídio do seu líder Ian Curtis. Conhecida por seu estilo mais dançante e pelo uso de sintetizadores, não é exatamente o tipo de música que se ouve muito em séries de TV. Mas American Horror Story sempre fugiu dos padrões, então nela provavelmente se encaixou muito bem essa música do álbum de estreia do grupo.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=o__iKhBt068 [/youtube]

[spacer size=”20″]

6) Kim Wilde – You Keep Me Hangin’ On (Scream Queens, #1×05 “Pumpkin Patch”)

A maior responsável por esse revival dos anos 80 que vem sendo a nossa coluna certamente é Scream Queens. Não sei se a série se passa nessa década ou tem algo como flashbacks constantes que remetem a ela, mas é clara a intenção de trazer esse clima oitentista através de músicas que são as mais representativas possíveis da música popular da época e, portanto, extremamente datadas, de forma que seria até estranho usar em cenas que não são ambientadas nesse período.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=xJZF-skCY-M [/youtube]

[spacer size=”20″]

7) Duran Duran – Butterfly Girl (Grey’s Anatomy, #12×04 “Old Time Rock and Roll”)

Sim, outras músicas foram muito mais importantes para o episódio do que essa, mas sempre opto pelo nome que eu consigo reconhecer. Além disso, quando eu vi Duran Duran em Grey’s lembrei que essa era uma das respostas que Meredith esperava quando perguntou qual era a melhor banda dos anos 80 na “entrevista” dos candidatos a seus colegas de quarto na primeira temporada, então a decisão foi bem fácil.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=8D0LyWEZYcM [/youtube]

[spacer size=”20″]

8) King Harvest – Dancing in the Moonlight (Scorpion, #2×04 “Robots”)

King Harvest é o tipo de banda one hit wonder cujo hit foi regravado tantas vezes que a gente reconhece imediatamente a música, sem nunca ter ouvido falar de seus criadores. Mas Scorpion foi legal e usou a versão original, de 1973, e talvez agora todos que perceberam que já ouviram muito essa música em algum lugar e gostam dela farão com que a música e a banda recuperem algum reconhecimento.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=g5JqPxmYhlo [/youtube]

[spacer size=”20″]

9) Stevie Wonder – Signed, Sealed, Delivered I’m Yours (Scandal, #5×04 “Dog-Whistle Politics”)

Scandal sendo Scandal com mais dos seus clássicos absolutos do soul/R&B. E sim, teve Aretha Franklin de novo (acho que nessa temporada ela não se livrou de nenhum episódio), mas justamente por essa frequência eu concluí que terei muitas oportunidades de inseri-la de novo, então dessa vez ficamos “só” com Stevie Wonder.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=RS2nfeN4DEw [/youtube]

[spacer size=”20″]

10) Louis Prima – Just a Gigolo / I Ain’t Go Nobody (Gotham, #2×04 “Rise of the Villains: Strike Force”)

Começamos com um artista da década de 2010 e vamos encerrar com um da década de 30, para provar que o Mix Music anda mesmo atemporal. E o público de Gotham também, já que a música já pulou pro topo dos destaques musicais dessa temporada. Fugindo um pouco do tom sombrio da trilha da série, o medley de Louis Prima é a típica canção popular dos primórdios da música, soando até anterior ao ano em que foi feita (1956).

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=O-a8kLtJSJ4 [/youtube]

[spacer size=”20″]

11) Dirty South – The Unknown (How To Get Away With Murder, #2×04 “Skanks Get Shanked“)

Entre um caso e outro, descobrimos mais sobre os flashbacks que mostram um futuro nebuloso para os protagonistas de How To Get Away With Murder. Mas enquanto este futuro não chega, podemos desfrutar a ótima trilha sonora da série. Embalada pelo DJ Dirty South, o desfecho do julgamento da semana e a descoberta da “traição” de Connor teve um toque especial com “The Unknown”.

[spacer size=”20″]

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=W6N_TnXQbnk[/youtube]

[spacer size=”20″]

[v_icon color=”#444444″ size=”18px” target=”_blank” name=”moon-headphones”] MIX VITROLA

[spacer size=”20″]

Fountains of Wayne – All Kinds of Time (The O.C., #1×05 “The Outsider” / One Tree Hill, #1×17 “Spirit in the Night”)

[spacer size=”10″]

Fountains of Wayne é A banda das trilhas sonoras. Não somente por suas músicas aparecerem constantemente em filmes e séries, mas também pelo fato de um dos integrantes ter composto muitas trilhas originais de sucesso. Mas isso não vem ao caso. A escolha de “All Kinds of Time” pra essa edição do Vitrola não tem nenhuma relação com o fato da banda ser exaustivamente utilizada para esse propósito. O motivo é que os três itens citados no título acima tiveram um papel muito importante em uma fase específica da minha vida, sem nenhuma relação entre uma coisa e a outra, só o “destino”, mesmo. Fountains of Wayne já era uma das minhas bandas preferidas quando eu comecei a assistir The O.C. e One Tree Hill (ao contrário de muitas pessoas que descobriram a banda por causa das séries), que também viriam a marcar muito esse período, então foi até emocionanete ouvir a mesma música – de uma banda que eu amava e tinha a impressão de que ninguém mais ouvia – quase ao mesmo tempo, em duas das minhas séries preferidas da época. Então agora as lembranças desses três itens (a banda e as duas séries) se encontram numa espécie de ciclo de nostalgia por associação. E é essa a razão de ser dessa parte da coluna.

[spacer size=”20″]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=po2rkkLoESk [/youtube]

[spacer size=”20″]