Modern Family – 8×02 – A Stereotypical Day

Imagem: Arquivo pessoal

Imagem: Arquivo pessoal

 

“Você nunca entenderá os estereótipos que homens velhos e brancos enfrentam.”

Já ouviram falar em “auto-bullying”? Não é nada academicamente elaborado. É apenas uma autocrítica regada a zoeira. Pois foi isso o que Modern Family fez esta semana em “A Stereotypical Day” (8×02) ao rir de si mesma e do espectador. Este não foi um grande episódio, mas manteve o ritmo da premiere, com piadas bem escritas e executadas e com histórias equilibradas,  retomando o que a série se propôs a fazer lá em sua origem: repensar os padrões. E todo mundo teve espaço para isso!

A começar por Claire e sua crise no trabalho ao se descobrir a “chefe” e se incomodar com o tratamento diferenciado de seus funcionários. E sendo a perfeccionista que é logo se encarregou de arranjar um estepe para ser o desmancha-prazeres em casa, Alex, que por sua vez enfrentava um vírus daqueles, tendo contraído mononucleose. A zoeira ficou por conta de Hailey que não entendeu como a irmã, a cdf master da Caltech, pode ter se contaminado já que a mononucleose é conhecida popularmente como a “doença do beijo” e nerds só estudam, não é mesmo?

Continua após a publicidade

Falando em Alex, alguém mais se irritou com ela por tanta gritaria? Menos, Alex, menos.

Ainda na casa dos Dunphys, Ty Burell continua mostrando porque merece indicações ao Emmy. Seu plot no armário se encarregou do pastelão do episódio e ainda deu uma alfinetada nas formas de tratamento de PTSD (Transtorno de Estresse Pós-Traumático), especialmente em relação aos veteranos das forças armadas.

Indo para outro lar, tivemos os três meninos de Gloria enfrentando suas “lutas”. O pequeno Joe foi só explosão de fofura querendo viver do lado de fora da casa como Mogli e a cena mais amorzinho do episódio foi ele querendo descer as escadas trazendo uma mala maior do que ele consigo. Manny travava sua batalha comunista em nome de uma causa: descolar um beijo em sua musa mexicana. Ponto para o figurino che guevariano. Quanto ao Jay, sua tentativa de ser um bom vizinho saiu pela culatra e ele teve altos e baixos ao lidar com os filhos. Pelo menos esses momentos renderam as melhores tiradas do episódio e ele conseguiu acertar o ponto no que se referiu à trama dos Tucker-Pritchett, ao mostrar a Cam e Mitch que a sexualidade de ambos não os faz menos preconceituosos ou fora dos padrões esperados quando se trata de Lily.

E chega-se à parte mais significativa deste episódio. Para quem não sabe, o ator que fez o Tom, o menino que fez o amigo de Lily, assim como seu personagem, é transexual e esse fato tem um peso grandiosíssimo para a representatividade LGBT, justamente em uma série que se propôs a desconstruir – com algumas falhas, admite-se – estereótipos.

Fica aqui um salve e um pedido de mais castings como o de Modern Family!

Melina Galante

Melina Galante

Produtora e realizadora audiovisual, no momento em processo acadêmico. 99% seriadora com aquele 1% noveleira. Divide as fases da vida em Buffy, a Caça-Vampiros, Gilmore Girls e Grey's Anatomy. Sua menina dos olhos, porém, é Penny Dreadful. No Mix de Séries escreve as reviews de Modern Family, Orange is the New Black, Scandal e o que vier.

No comments

Add yours