New Girl – 4×04 – Micro

New Girl

Continua após publicidade

Então, sobre as expectativas de melhora, não foi dessa vez. De novo. Juro que é a última vez que toco no assunto, porque parece que está dando azar e, ao invés de melhorar, está piorando consideravelmente. Não, não foi uma boa ideia abdicar de todo o desenvolvimento da série até então e aparentemente tentar voltar à primeira temporada. Esqueceram-se, ao que parece, de tudo que aconteceu nas temporadas passadas para fazer episódios inúteis e totalmente desprendidos do progresso da história. Por exemplo, se eu me lembro bem, quando Schmidt tinha uma namorada, Cece o queria de volta; quando Cece tinha um namorado, Schmidt estava prestes a pedi-la em casamento. Agora, ambos estão solteiros e um parece nem notar a existência do outro. No mínimo incoerente. Ainda se fosse porque eles (leia-se os roteiristas) tivessem coisa mais importante com o que se preocupar, até seria compreensível, mas não está acontecendo absolutamente N-A-D-A pelo que valha deixar de lado esses “detalhes”. Assunto para desenvolver é o que não falta: Cece e Schmidt, Nick e Jess lidando com a separação (o que, pra variar, também esqueceram), qualquer coisa que justifique a presença de Coach e Winston na série, a continuação do plot mais promissor que se apresentou até então, que é o casamento do pai da Jess com uma ex-colega de escola dela… Mas fizeram uma dessas coisas ou focaram o episódio em um cara com um micropenis? A segunda alternativa, é claro!

Continua após a publicidade

Pois bem, acredito que nem valha a pena discorrer sobre o episódio, mas é pra isso que estamos aqui, então vamos lá. Tudo começou com um dos problemas mais comuns que permeiam o relacionamento entre as pessoas: a superficialidade. Ao criticar os rapazes por agir dessa forma, Jess afirmou não sofrer do mesmo mal. Mas eis que a própria, imediatamente, se interessa por um cara devido a nada mais que a aparência dele. Aí surge a brilhante história do micropenis, no caso o grande problema desse cara, além de sua personalidade. Com isso o plot se fez, basicamente, de Jess tentando convencer os rapazes de que, na verdade, queria dispensa-lo por conta de sua personalidade, enquanto eles insistiam que era devido ao micropenis. Poderíamos ter passado sem essa. Até que a reação do pessoal às fotos do tal micropenis rendeu uma risada ou outra, mas não compensou. Enquanto isso, Cece e Winston se ocupavam em enganar Coach e Schmidt com a ideia de que eles poderiam ser modelos, ocasionando uma até risível sessão de fotos e competição entre os dois. Parece que não só Jess sofre de extrema ingenuidade nessa série, mas também Schmidt e Coach, sobretudo quando alimentam o já inflado ego de ambos. Foi engraçadinho e seria um plot secundário cabível, não fosse a inutilidade do outro.

Continua após publicidade

Duas situações completamente dispensáveis em um mesmo episódio torna difícil que a série não perca ainda mais público do que perdeu na temporada passada. Não tenho mais argumentos nem para convencer a mim mesma de que vale a pena dar uma chance. Ainda que seja um bom passatempo e que eu me apegue a isso para continuar assistindo, para quem já acompanha milhares de séries e adicionou mais um considerável número à grade com as estreias da fall season, esses vinte minutos perdidos (sim, perdidos) fazem falta. Ao menos a minha decepção não corresponde, pelo que pude constar, ao sentimento da totalidade dos fãs da série, o que é um sinal de que alguma coisa continuam fazendo certo. Inutilidade à parte, sendo um episódio descompromissado com a sequência da série, até que cumpriu sua função, mas para mim não correspondeu com a graça pertinente a esse tipo de episódio. Tenho, também, que ressaltar que, por mais fácil que possa parecer, nem todas as comédias conseguem fazer vinte minutos pareceram como tal. Já vi episódios de comédias que pareciam ter a mesma duração de A Lista de Schindler. Então, esse é um dos problemas comuns à séries que perderam a qualidade do qual New Girl está conseguindo se esquivar, portanto nos agarremos a isso. Talvez o que a mantém “assistível” seja a ainda pouco abalada dinâmica entre os personagens e considerável competência que possuem, individualmente, em tornar engraçadas essas pouco inspiradas situações nas quais são colocados. No mais, acredito que tenha sido o mais fraco da temporada até então. Só não classifico com duas estrelas porque, quando o fizer, já terei abandonado.