Once Upon a Time – 6×08 – I’ll Be Your Mirror

Imagem: Banco de Séries/Divulgação

Imagem: Banco de Séries

 

É estranhamente divertido ver a evolução dos personagens com a história durante estes seis anos de série. Quem acompanha desde o começo sabe muito bem do que estou falando. Quem diria que o pequeno Henry Mills, que batia à porta de Emma em NY lá na primeira temporada, se tornaria um grande herói a seu modo. Um personagem que sempre esteve meio perdido dentro do seriado, pelo menos nas últimas temporadas, mas que de tempos em tempos encontra seu caminho baseado nos valores de criação de Regina e Emma.

O episódio foi, para mim, um divisor de águas para a futura proposta de Once Upon a Time. E ja vemos isso logo de cara, com o querido casal dorme-acorda. Toda a premissa da série se baseava em Snow e Charming. Foi por causa deles que vivenciamos a magia dos clássicos na telinha. E assim como Henry, eles se perderam durante o caminho. O foco passou a ser em diversas novas histórias e personagens, que o “I’ll aways find you” ficou no escanteio.

Continua após a publicidade

Essa temporada retoma muito bem os sentimentos iniciais da série, aquilo que nos fez fascinar pelos personagens e suas histórias mescladas. Por mais que saibamos o fim, que esperemos a queda da Rainha e a vitória de nossos heróis, sempre há uma surpresa por detrás dos contos.

Olhe Rumple, por exemplo, um personagem que amamos odiar e que nesse episódio prova por A + B que é louco. Ele está tão fissurado em ter o amor de Bela novamente, que não mede consequências (nunca mediu, mas dessa vez é diferente) para manter seu filho e sua amada por perto. A união do mago com a rainha é incrível no ponto de vista da história, mas preocupante em relação ao futuro do personagem na série. Não quero que ele fique mais uma vez nessa troca de personalidade para no fim estragar tudo mais uma vez. Rumple é mal? Sim. Ou Bela aceita sua obsessão por poder, ou eles seguem o caminho separados.

Imagem: Banco de Séries/Divulgação

Imagem: Banco de Séries

Once está com uma premissa incrível de futuro. A jogada de Zelena sobre Rumple foi maestral, e por mais que odeie essa dualidade dela, vejo o quanto ela sabe jogar. Espero que não eliminem ela da série por agora, pois quero ver mais dessa batalha contra Rumple e EQ. Dentre os personagens princípios a série vai levando um bom enredo e todo cuidado é pouco.

Gostei de ver o mundo dos espelhos e a reaparição do dragão na história. Claramente uma gigantesca referência foi plantada e ele possivelmente teve relações com Malévola no passado. Outro ponto negativo da série, pegaram a personagem em um momento crítico e a jogaram no esquecimento. Nem uma menção, nem uma novidade, simplesmente deixaram na geladeira para abordar no futuro. Só espero que o façam de forma coesa, pois o plot apresentado naquela temporada foi muito bom, relacionando o passado de sua filha com Emma e mostrando mais da ligação de nossa protagonista ao mundo mágico.

Acredito que essa temporada tem sido uma jogada interessante de marketing para voltar ao passado e consolidar a audiência dos verdadeiros fãs da série. Espero que vocês estejam tão vidrados quanto eu. Nos vemos na próxima semana com mais um episódio. Até lá!

Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

No comments

Add yours